sábado, 17 de março de 2012

Ilusão de ótica

Realmente! Olhei esta foto de relance e pareceu-me uma jovem amputada. Somente na segunda olhada é que me apercebi que a mesma segurava, de joelhos, um cântaro em suas mãos. E resolvi postar...

E que, naquele instante, lembrei-me de um fato ocorrido a muitos anos, quando fui pastor na cidade de Campos, no Estado do Rio de Janeiro. Era uma época de muitas restrições na questão dos usos e costumes. Um irmão, bastante eufórico, veio me comunicar que acabara de ver um dos nossos membros tomando um copo de cerveja. Saí imediatamente em campo, para apurar a denúncia. La chegando, constatei que o irmão denunciado estava apenas se refrescando com um bom copo de guaraná.

Este modo apressado de olhar e tirar conclusões prematuras, pode nos deixar em sérios apuros; ou, na melhor das hipóteses, fazer-nos passar constrangimento. A grande verdade é que nem sempre as coisas são como nós as vemos em uma olhada de relance. Podemos nos enganar! E o nosso engano pode ocorrer em ambos os extremos de uma avaliação preliminar. Como assim?

Podemos nos enganar, ao fazermos mal juízo a respeito de alguém - sem que esse alguém tenha, de fato, feito algo que desabone a sua reputação ou arranhe a sua imagem de cristão. Tal como aconteceu com o irmão precipitado da experiência acima, muitos tem cometido engano e injustiça, ao fazer julgamento temerário sobre pessoas depois de uma visão furtiva - muitas vezes influenciada por uma tendência preconceituosa. Em meus 44 anos de ministério pastoral, tenho lidado com inúmeros casos de pessoas injustiçadas por este tipo de crente "vigilante" que sempre existiu.

Podemos também nos enganar, ao nos empolgarmos, a primeira vista, com alguns obreiros de ocasião que as vezes aparecem em nosso meio - sem que saibamos exatamente o que são, para onde vão e o que pretendem. E muitos crentes, cheios de ingenuidade e boa fé, acabam por se tornar vítimas de oportunista, por não se darem conta de que um bom cristão - obreiro ou não - se conhece muito mais mediante um relacionamento continuado do que por uma olhada superficial ou distante.

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário