quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Dias preocupantes

A alguns dias atrás, senti o desejo de postar este assunto em minha página no facebook. No entanto, ciente da urgência deste tema, resolvi ampliá-lo em meu blog.

Vivemos os dias preditos nas Escrituras Sagradas. Dias de contradições e escolhas infelizes, em todas as esferas da vida humana - inclusive entre cristãos professos. As vezes me sinto como em uma espécie de desabamento - como se tudo aquilo que sempre nos inspirou e motivou estivesse com seus dias contados (estruturas morais, espirituais, socioafetivas, etc.). É verdade! Fico com uma desagradável impressão de que nada resiste a este desmoronamento assustador.

Tenho percebido que os países e empresas, vistos como causadores do desastre ambiental, parecem não se contentar com a poluição costumeira - como se não fossem suficientes os problemas causados na camada de ozônio; abrindo verdadeiras crateras, pelas quais os raios solares nos fustigam diariamente. Ou, como se não bastassem os elevados níveis de contaminação das águas potáveis e oceânicas, outrora aparentemente inatingíveis. Na verdade, os agentes da degradação estão golpeando cruelmente o nosso pobre planeta - o qual parece estar com os seus dias contados.

Pois é... Como se não bastasse o estado assustador de depredação do meio ambiente; legisladores do mundo inteiro, parecem estar determinados na tentativa de criar leis que, além de enfraquecer as melhores tradições resultantes do concerto de nações outrora cristãs - baseadas nos valores morais e espirituais mais importantes da civilização - também incentivam e protegem, ao abrigo dessas mesmas leis, práticas que se constituem em afronta às tradições milenares sobre as quais a sociedade organizada vem se baseando - no projeto de construção do seu futuro. E, deste modo, vemos crescer a legalização da extrema maldade. Realmente, o nosso mundo parece estar "por um fio".

No entanto - acima do iminente desastre produzido pela incredulidade, arrogância e vaidade dos homens - contemplo u'a mão poderosa se delineando no horizonte. E ela traz um sinal inconfundível que autentica sua sobrenatural origem: Uma perfuração bem no centro da palma - marcada por filetes de sangue ainda escorrendo. E, se olharmos atentamente, veremos a nossa nova história refletida nesse sangue - demonstrando aos crentes em Cristo, que um novo tempo está por vir.

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Vem aí a RLR (Reunião de Liderança Regional)

No dias 02 a 04 de dezembro, a grande maioria dos pastores e obreiros da II Região comparecerá ao Acampamento da MPC (Mocidade Para Cristo); no município de S. Sebastião das águas Claras, distante cerca de oito km de Belo Horizonte. As instalações estarão disponíveis a partir das 12 horas do dia 2. Observação: Os que pretendem chegar para o almoço do dia 2, precisam comunicar com antecedência à Sede Regional, para que a equipe de compras e de cozinha do MPC possa providenciar. Portanto, aqueles que chegarem sem aviso, poderão ficar sem o almoço do dia 2. O balcão de incrições estará aberto a partir das 14 horas.

A RLR se iniciará após o jantar do dia 02 - com o seu Culto de Abertura, as 20:00. Seu Culto de Encerramento está previsto para o dia 4 - seguido do almoço, que será servido por volta das 12:00. Este evento será uma oportunidade para revermos a relevância do nosso ministério. Seu objetivo é reciclar nossos métodos e realizações - promovendo a disposição de oferecermos ao Senhor e ao Seu povo, o melhor de nós - com a finalidade de chegarmos ao "Padrão Regional de Excelência".

Para chegarmos a esta finalidade, teremos duas palestras de cunho inspirativo; duas palestras de cunho administrativo; e, uma demonstração visual quanto ao uso eficaz do site da II Região - ferramenta indispensável para u'a melhor interação regional. Teremos também um encontro de trabalho com os pastores de igrejas com menos de cem membros; e uma reunião de avivamento do chamado ministerial. E tudo isso será regado com muito louvor e profunda comunhão.

No entanto, antes da RLR, o Conselho Ministerial Regional (CMR) irá se reunir no mesmo local - nos dias 01 e 02. O objetivo desta reunião será, em primeiro lugar: Avaliar os resultados obtidos ao longo do ano de 2011. Estaremos também elaborando a Agenda Regional 2012. E, caso haja necessidade, poderemos promover o remanejamento de obreiros; e, também, nomear comissões para ouvir pastores que tenham algo a esclarecer.

Caso algum pastor tenha mais alguém em sua igreja que tenha o desejo de vir, favor encaminhar o nome para a Sede Regional. A Missionária Sônia, encarregada das inscrições, está organizando uma relação de suplentes. Caso haja vaga, a pessoa interessada poderá ser inscrita. Mas, atenção! em casos assim, a pessoa interessada somente poderá vir, se a própria Sônia der o sinal verde para sua vinda.

Existem alguns detalhes a serem levados em conta: A necessidade de trazer roupa de cama e banho; a necessidade de trazer um guarda-chuva e um casaco; e de trazer aqueles objetos indispensáveis de higiene e uso pessoal. Aproveito o ensejo, para agradecer ao meu amigo - Pastor Marcelo Gualberto - por ter sido tão atencioso para conosco, reservando esta data para o nosso evento  regional.

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 27 de novembro de 2011

"Bodas de Pérola" de Adriano e Tânia

Ontem pela manhã, Celia e eu saímos bem cedo, para estar em Muriaé à hora do almoço. E esta visita tinha um motivo muito especial. É que fui convidado para oficiar a cerimonia de "Bodas de Pérola" (trinta anos de casados) do Pastor Adriano e da Missionária Tânia. Como sua casa estava "invadida" por seus filhos, ficamos hospedados em casa do Pastor Renato - onde almoçamos um file à parmeggiana, feito pela irmã Ducileia, um dos melhores que já saboreamos.

A tardinha, o Pastor Adriano veio nos buscar - eu e o Pastor Renato - para nos mostrar a abençoada congregação da IMW de Safira, no Bairro Sta. Terezinha - sob a direção da Missionária Tânia. Encontramos um animado grupo de jovens ensaiando. Foi divertido! Dali, retornamos para o meu local de hospedagem; onde deu para ter um breve descanso, antes de nos prepararmos para o culto solene de renovação dos votos na presença do Senhor.

Pouco antes do horário do culto - o Pastor Renato e a irmã Ducileia nos levaram em seu carro, rumo ao belo templo da igreja de Safira. Enquanto aguardávamos a chegada da Missionária Tânia, ficamos conversando com os Pastores Adriano e Robson; e alguns obreiros locais. Assim que a irmã Tânia chegou; eu e os dois Superintendentes Distritais, ocupamos nosso lugar no púlpito.

Abertura

Então, sob a execução de uma bela peça musical - executada no teclado pelo Regis (de quem fiz o casamento a alguns dias atrás), genro do Pastor Renato - o casal em foco adentrou o templo, acompanhado de seus filhos (exceto o Kenon, sua esposa Daniele e sua filha Maria Eduarda; os quais não puderam vir de Cabo Frio, devido a problemas de saúde).

Com todos em seus lugares, o Pastor Robson (SD do Distrito de Muriaé), deu início à cerimonia. Após sua palavra de abertura, a jovem Lívia, acompanhada por Regis e Paulo Henrique, entoou um belo hino alusivo a este tipo de celebração. Percebemos forte dose de emoção em meio a tudo isso.

A mensagem que preguei, foi baseada no texto de Malaquias 2.14-15; e Colossenses 3.18-21. Destaquei a gratidão a Deus, pelo fato de ainda termos cerimonias tais como: "Bodas de Prata" (25 anos); "Bodas de Pérola" (30 anos); "Bodas de Rubi" (40 anos); Bodas de Ouro (50 anos); e, até mesmo, "Bodas de Diamante" (75 anos) - coisa cada vez mais rara nos dias de hoje. É que, neste mundo decadente em que vivemos, grande parte dos casamentos não conseguem chegar, nem mesmo, às "Bodas de Papel" (5 anos).

Mensagem

Durante a mensagem, li o texto de Malaquias; destacando modo como Deus vê a deslealdade de um marido para com sua mulher - a mulher da sua aliança. E, ali, louvei a Deus pelo fato de esta palavra de advertência não se aplicar ao perfil de marido fiel do Pastor Adriano.

Dando sequência ao texto, observei que Deus busca constituir uma descendência formada por casais que se amam e se preservam - mantendo-se fiel à mulher da sua mocidade. E, novamente, louvei a Deus pelo fato deste texto poder ser aplicado ao casal Pastor Adriano e Missionária Tânia.

Finalizei, chamando a atenção para o texto de Colossences - destacando a submissão da esposa; o amor do marido; a obediência dos filhos aos pais; e, o incentivo que os pais devem dar aos seus filhos, para que eles não percam o ânimo.

Finalmente, chamamos os casais para a renovação dos votos. Foi muito bonito e comovente. Alguns choraram. Causou especial emoção - quando Thiago se dirigiu aos seus pais, em nome dos irmãos, em visivel quebrantamento. Foi uma cena para ser lembrada por todos os que ali estiveram!

Encerramento

O Presbítero Ermínio homenageou o casal, em nome da igreja, chamando o Presbítero Daniel e sua noiva Karol - para a entrega de um presente da igreja ao casal. Em seguida, o Pastor Robson fez o encerramento do culto. Seguindo-se uma sessão de fotos e cumprimentos. Foi também oferecida, no salão social da igreja, uma agradável recepção -  com bolos e bombons - regada a refrigerantes.

Ao final, fomos conduzidos pelo casal homenageado ao "Restaurante do Netinho", especialista em files de tilápia e traíra sem espinha. Em volta da grande mesa reservada; juntamente com os Pastores Renato, Adriano e respectivas esposas; Dc Roberto e esposa Elaine, com seu filho Roberto; Carlos e esposa Elizangela; Dc Erasmo; e também os filhos do casal: Kennedy e futura nora Menize; Derek; Thiago; e um amigo da família, de nome Fábio - nos divertimos muito.

Já com a hora bem avançada, deixamos a mesa farta do restaurante; para retornarmos à residência do Pastor Renato, onde fomos diretos para o descanso (teríamos que viajar bem cedo; e eles teriam uma assembleia geral na IMW de Barra logo pela manhã). De manhã cedo, após um delicioso café, acompanhado de bolo, pães e frutas - cada um seguiu o seu caminho.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

As vezes silenciar é preciso

A alguns dias atrás, respondendo a uma irmã sobre como aconselhar a um parente seu; achei por bem orienta-la quanto a necessidade de guardar silêncio. Tentei demonstrar que, em determinadas situações, não há muito - ou quase nada - o que dizer. São aqueles momentos, na vida, em que o silêncio acaba por se tornar a mais sábia das respostas.

Enquanto procurava ministrar àquela querida irmã, senti a necessidade de estender aquele conselho. E, assim, venho também propor aos crentes em Jesus - especialmente àqueles que seguem e acessam o meu blog - que procurem saber como "viver" a mensagem do evangelho, antes de saber o que "dizer" sobre ela. Sabemos que Jesus, diante de seus algozes e dos que observavam a sua atitude enquanto era julgado, preferiu manter silêncio.

Ao longo de minha vida cristã, tenho aprendido que o nosso bom testemunho é muito mais eficaz para a proclamação do evangelho, do que a nossa melhor pregação. Sei que pregar e ensinar é necessário! E, venho fazendo isso a mais de quarenta anos. Mas, viver verdadeiramente em Cristo pode dispensar muitas coisas que dizemos sobre Ele; ou, então dar incontestável fundamento àquilo que dizemos. Na verdade, em determinados momentos, o nosso modo de viver o evangelho pode se tornar a nossa melhor pregação.

Creio que, tanto os nossos queridos como aqueles com quem convivemos no dia-a-dia, serão muito mais edificados pela vida santificada e piedosa dos crentes em Jesus; do que por aquilo que ouvem dos mesmos no dia-a-dia. Quando fui Cadete do Exército de Salvação - do qual me tornei Oficial por algum tempo, ouvi um dos professores - Coronel Bruno Berendt (não sei se escrevi corretamente) - se referir a um sábio, que disse em certa ocasião: "as palavras podem comover; mas, são os exemplos que arrastam".

Quero terminar este "post", citando parte de um cântico muito antigo que diz: "Há momentos que as palavras não resolvem; mas um gesto de Jesus demonstra amor por nós. Foi no Calvário que ele, sem falar, mostrou ao mundo inteiro o que é amar". Estou plenamente seguro de que saber "o que viver", é bem mais importante do que saber "o que dizer".

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

"Soberania" e "Livre Arbítrio"

Nas diversas pesquisas teológicas que venho fazendo, a vários anos, tenho chegado a conclusão de que a maior e mais importante controvérsia teológica de todos os tempos - é aquela que coloca nas duas pontas de uma mesma mesa de debate, o "arminianismo" e o "calvinismo".

Sempre que estas duas correntes teológicas discutem suas posições - a base desta polêmica é a soberania divina e o livre arbítrio humano. E não há como separar estes dois oponentes em meio a esta discussão; visto que ambos se sentem plenamente seguros e fundamentados, quanto ao seu ponto-de-vista doutrinário.

O "arminianismo" se posiciona ao lado de Tiago Armínio - ardoroso defensor do livre arbítrio humano, como fator indispensável no processo redentor. Ao passo que o "calvinismo" se posiciona ao lado de João Calvino - teólogo que sistematizou a teologia da predestinação; a qual ensina que Deus, em sua soberania, predestinou - no alvorecer da história humana - aquele que se salvará e aquele que se perderá. E a polêmica entre ambos os posicionamentos se propaga entre outros temas importantes da doutrina cristã; tais como: justificação, graça, santificação, queda e reconciliação - só para citar alguns.

Geralmente, no calor da divergência, ambos os oponentes acabam por se acusarem mutuamente. Enquanto que os calvinistas atribuem aos arminianos a pecha de "pelagianos" (doutrina atribuída a Pelágio, pensador cristão do passado, que parece sugerir que o ser humano é bom em si mesmo - não carecendo de mudança de natureza; e sim de mudança de atitude) - os arminianos, por sua vez, acusam os calvinistas de serem deterministas (pelo fato de afirmarem que o destino eterno do homem está traçado - sem que ele possa fazer nada para mudá-lo).

Ambos os conceitos se fundamentam em um conjunto de princípios doutrinários, resumidos em cinco pontos: Existem os cinco artigos da teologia calvinista e os cinco artigos da teologia arminiana. Na verdade, eles representam a síntese sobre a qual a estrutura doutrinária de sua teologia se baseia. E a bandeira destas duas correntes teológicas está nas mãos de duas grandes comunidades cristãs mundiais: Enquanto os metodistas empunham com fervor a bandeira do "arminianismo" - os presbiterianos, com igual fervor, empunham a bandeira do "calvinismo".

Sobre este importante assunto poderei voltar a falar, em uma postagem futura, se o tempo e a inspiração me permitirem fazê-lo.

Cordialmente;
Bispo Calegari
(respeitoso por formação e arminiano por convicção)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

O avivamento que esperamos

"28  E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. 29  E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito. 30  E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça. 31  O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR. 32  E há de ser que todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo; porque no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como disse o SENHOR, e entre os sobreviventes, aqueles que o SENHOR chamar" (Joel 2.28-32).

Algum tempo atrás, postei uma nota em minha página no facebook, sobre o avivamento que esperamos. Naquela ocasião, prometi que expandiria este assunto neste blog. Portanto, como eu havia prometido, passo agora a refletir sobre o avivamento que esperamos.

A Palavra de Deus nos deixa antever, em alguns textos, que chegará o dia em que o sol não será mais necessário. Este dia é chamado na Bíblia de "grande Dia do Senhor". Será um dia único em toda a história humana. Nem dia nem noite será! E então, a partir desse dia, os redimidos resplandecerão - sempre e eternamente - como as estrelas no céu. Entretanto, antes que tudo isso aconteça, um grande avivamento irá devolver a glória ao seu único e verdadeiro dono!

É evidente que vivemos dias de preocupantes transformações na conduta do ser humano; em que os mais baixos instintos emergem das profundezas da lama; marcando para sempre a vida de crianças, jovens e adultos - sem levar em conta formação moral, intelectual ou religiosa. É como se fosse uma onda crescente de imoralidade e depravação; provavelmente superior àquela que ocorreu nos dias de Sodoma e Gomorra. Portanto, nestes dias do fim, precisamos saber que o avivamento que esperamos tem como finalidade principal o resgate da fé comprometida com a Palavra de Deus - depurada das crendices que, nos dias de hoje, afastam muitos cristãos sinceros da verdadeira crença bíblica.

Isso mesmo! O avivamento que esperamos, é o avivamento genuíno - trazido pelo Espírito de Deus. É bom que se saiba que ele não tem como seu principal objetivo: Restituir fortunas perdidas, nos premiando com riquezas terrenas. Nem produzir uma geração de "super-crentes" que possam fazer qualquer coisa que quiserem. Ou, mesmo, fazer com que os atletas cristãos tenham uma melhor performance, pelo simples fato de serem de Jesus. Não é isso! Seu objetivo não é levar o mundo a nos aplaudir, como se fôssemos "popstar". Enfim... Ele não vem brindar a mediocridade humana. Não mesmo!

Na verdade, o brilho e a unção, produzidos por este avivamento tem como finalidade maior, restaurar a imagem de Deus em nós, levando-nos de volta ao ponto onde a perdemos - depurados de tudo aquilo, em nós, que faz lembrar a carne e suas paixões. Enquanto reflito, me dou conta de que este pode até não ser o avivamento que muitos desejam. Todavia, afirmo com a mais absoluta certeza: É o avivamento que precisamos!

Cordialmente;
Bispo Calegari

Oração Preventiva

A alguns dias atrás, eu estava orando a Deus pela madrugada, na sala de estar do Pastor Geraldo Lúcio Rodrigues. É como sempre faço! Oração "chorosa e molhada". Não sei fazer diferente. Enfim... Não é algo que eu deseje fazer - simplesmente acontece. E quando eu orava, me voltei para um fator que Deus me propusera na noite anterior, quando pregava no culto da "Ceia da Unidade" do Distrito de Guarapari - no templo da IMW do Maracanã, em Cariacica.

Enquanto entrecortava choro com riso, voltei-me para a "oração preventiva" - a oração que antecipa a solução - antes do próprio problema que a provoca. Confesso que foi um sentimento interessante... Como se eu houvesse descoberto algo que eu já soubesse; parecido com algo "de que não me lembrava - perdido em algum lugar, sem que eu soubesse onde".

Enquanto orava, fui invadido por uma enorme convicção de que a oração pode mudar o rumo de um acontecimento futuro. É mais ou menos como um replay de um quadro que ainda não foi finalizado. Enfim... A oração preventiva tem o poder de trazer solução para um problema que ainda não foi gerado. Isso é muito bom!
 
Ao levantar-me do lugar da oração, comecei a escrever sobre este assunto. E, enquanto escrevia, senti em meu espírito que o próprio Jesus inseriu um elemento preventivo na "oração do Pai nosso" (Mateus 6.9-13) - que é o termo "Não nos deixe cair em tentação". Vejo, aqui, a expressão "Não nos deixe cair..." como a solução antecipada - ao passo que "...em tentação" é o problema ainda não gerado.

Portanto, convencido da importância deste recurso sobrenatural, vou continuar orando. E, na oração, serei objetivo: Continuarei combatendo espiritualmente os males já presentes em meu dia-a-dia; todavia, buscando solução para os males que ainda virão. E, então, saberei que os males futuros serão menos agressivos do que seriam - caso eu não estivesse orando.

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

XV Convenção Regional de Adolescentes

A XV Convenção Regional de Adolescentes da II Região foi algo que excedeu as mais otimistas expectativas! Mesmo com o intenso "market" feito em prol do congresso Geral de Jovens em Curitiba - chegamos a quase novecentas inscrições. E, desde o primeiro momento, foi notavel a unção do Espírito sobre as reuniões; o qual "mexeu" com a vida de todos os convencionais!

Aproveito para destacar as instalações do SESC de Guarapari, no litoral capixaba. São realmente grandiosas e bem confortáveis. Os distritos wesleyanos da II Região estavam quase todos representados por delegações bastante motivadas (dos 23 Distritos, apenas um ou dois não tinham representantes). Haviam também famílias inteiras presentes ao evento.

Diversos Pastores da II Região, marcaram presença nesta Convenção. Dentre eles, anotamos a presença de doze Superintendentes Distritais. Sou grato a Deus, pela equipe de obreiros vencedores que Ele tem colocado ao meu lado. É inegável a unidade existente entre os obreiros e membros desta Região. Celia e eu, nos deleitamos e louvamos a Deus, por tudo o que Ele tem feito entre nós!

Aproveito o ensejo para fazer menção da extraordinária Apoteóse apresentada. Foi de uma beleza admirável! Quero aqui parabenizar a equipe coordenadora da XV Convenção Regional de Adolescentes. Foi um grupo unido e incansável; trabalhando muito - desde antes do evento, até muito depois do seu encerramento. Não tenho o nome de todos os componentes; mas louvo a Deus pela vida de todos eles.

Quero, também, destacar os seguintes líderes: Pastor Benildo - Secretário Regional de Educação Cristã; Beusley - Diretor Regional eleito para mais um mandato; Marcia - Conselheira Regional; Flavia - Diretora Regional de Adultos; Vinicius - Diretor Regional de Jovens; Pastores Gedson e Sidney - sempre presentes na coordenação. Enfim... Todos estes integrantes da Comissão Coordenadora. Uma liderança de forte expressão, auxiliada por vários Pastores e irmãos muito dedicados.

Nesta nota, não posso deixar de, também, parabenizar os três Distritos da "Grande Vitória" (Guarapari, Vila Velha e Vitória) - bem como seus três SD (Marcus Ely, Geraldo Lucio e Jorge Perim) - tanto pelo empenho nas diversas atividades de apoio, como na presença de expressiva delegação distrital. E seria injusto não fazer menção dos Ministérios de Louvor e Coreografia de alguns distritos. O Compositor e Cantor Anderson Freire foi também um importante vaso nas mãos de Deus, em sua brilhante participação - assim como os Pastores que ministraram durante a Convenção.

Por ocasião do encerramento, vimos centenas de adolescentes se dirigirem para o altar - muitos em pranto - se rendendo a Deus, para viverem uma vida em Sua presença. Celia e eu, saimos de Guarapari convencidos de que esta Convenção foi um importante indicador do crescimento verificado na II Região Eclesiástica. Glória seja dada ao Senhor por tudo!

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 20 de novembro de 2011

Praia deserta

Nesta manhã, quando eu orava a Deus, consegui vislumbrar uma cena especial. Na verdade, não posso afirmar que tenha sido uma visão plena; pois, é sempre um relance. Mas, foi este vislumbre que me inspirou a postar a história que se segue:

"Era uma vez... Uma praia deserta em uma noite parcialmente iluminada pela luz da lua. Um grupo de amigos, seguidores de uma nova religião, estava ali. Sentados, cabisbaixos - olhos fixos no horizonte... Tentando entender os acontecimentos que marcaram definitivamente suas humildes vidas. Enquanto isso, as marolas do grande lago - também chamado de "mar de Tiberíades" - chegavam mansamente, em movimento cadenciado, espumando nas areias daquela praia deserta.

E então... O que faremos agora? Alguém tem um plano "B"? Isso mesmo: Um plano B; posto que o plano "A" se desfizera - em uma semana de intenso sofrimento produzido por um julgamento forjado; que condenou à morte o seu Mestre e Senhor, sob cruel tortura. O quadro clínico do frágil grupo, era de stress crescente. Seu líder espiritual - carismático e convincente - morrera e fora sepultado. Fato consumado! E, pensando deste modo, não havia muito mais o que fazer. Esperança frustrada... Sonhos desfeitos... E aquela branca e intermitente espuma produzia um som de coisa alguma. Eles estavam sozinhos... Ou, pelo menos, assim pensavam.

O mais velho dentre eles - homem de palavra fácil e de humor imprevisivel - tomou a iniciativa: Vou pescar! Nós vamos contigo - respondem em tom submisso os demais - sem muita convicção quanto ao que iriam fazer. O velho barco, a algum tempo ancorado e sem uso, singraria novamente aquelas águas. Águas que foram palco de cenas sobrenaturais, protagonizadas por seu misterioso Líder; cujas cenas por eles testemunhadas, seriam dentro em breve imortalizadas. E lá se foram, sem um destino certo, lançando suas redes aqui e ali... Talvez a procura de nada; ou, então, algo muito distante daquele lugar.

Enquanto a lua se recolhia, um misterioso personagem ocupava o lugar ainda marcado por seus assentos. Ele os contemplava de pé - ainda sob a penumbra de um amanhecer não concluído. Tendes algo para comer? Pergunta o estranho personagem. Ao que respondem: Nada... Nada... Nada... Tal e qual o som produzido por uma agulha aprisionada na ranhura de um disco de acetato. Lancem a rede para o lado direito! Verdadeiramente, a voz em tom determinante sabia o que dizia. E a obediência do grupo àquela voz de comando, resultou em uma das melhores pescarias de todos os tempos. Aproximai-vos, ordenou o estranho ao grupo perplexo.

É o Senhor! Gritou o mais velho dentre eles - nu como no dia em que nascera. Dito isto, lançou-se ao mar e seguiu a nado a distância que os separava. Era mesmo o Senhor - deles e nosso - que já os esperava com peixe assado e pão; e, também, com o conforto produzido pelo calor de uma fogueira. Senhor, cuja presença - em uma manhã agora plenamente definida - trouxe alegria, alimento e calor àquela praia - já não deserta como antes."

Não posso terminar esta história, baseada no texto de João 21.1-14; sem antes afirmar - com absoluta certeza - que o nosso mundo é como aquela praia: Um deserto sombrio e sem futuro, quando estamos distantes de Deus. No entanto - na presença do Mestre - a vida se se renova; e com ela a luz, o calor, o alimento - enfim... O conforto que a presença de Jesus sempre nos traz.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 19 de novembro de 2011

Núpcias de Thais e Regis

A alguns dias atrás, em 11/11/11(sequência numérica que só se repete a cada cem anos), tive a honra de oficiar o casamento de Thais e Regis. Para as núpcias destes dois queridos jovens - Celia e eu, saímos bem cedo de Belo Horizonte. E, mesmo com atraso; chegamos em Muriaé a tempo de almoçar em casa dos pais da noiva: Pastor Renato Jabor (SD do Distrito de Cataguases) e sua esposa Duciléia.

O delicioso churrasco do almoço foi preparado pelo próprio Pastor Renato Jabor. Thiago e Maria Cecília, filho e nora do Pastor, já haviam se retirado quando chegamos. Além do casal anfitrião, o Diácono Nilton e sua esposa, Diaconisa Gilcileia; e também a irmã Sandra Paul. Conversamos bastante.

Após o almoço, nos dirigimos ao hotel, para um breve descanso.  Passava das 20 horas, quando chegamos à porta do grande templo da IMW do Dornelas, onde a cerimonia foi realizada. A multidão já se formava - dentro e fora do templo. Enquanto aguardávamos a chegada da noiva, o Pastor João Carlos, titular desta igreja, me mostrou as excelentes instalações da igreja. Todavia, não tivemos muito tempo; Pois, Celia e eu, nos dirigimos ao púlpito, para aguardar a entrada do séquito e do noivo.

A cerimonia foi marcada por muita emoção e muito bom gosto. Por ocasião da entrada da noiva, o noivo entoou uma canção de amor e de louvor - dirigindo-se em seguida, para recebe-la dos braços do seu pai. Os pais da noiva - Pastor Renato Jabor e a irmã Duciléa (da noiva); e os pais do noivo - Sr. Onofre e sua esposa Marley, sentaram-se ao nosso lado no púlpito. Iniciei a celebração com o introito de sempre - destacando a importância do matrimonio e da família nos moldes da Palavra de Deus. Houve algumas participações de cânticos apropriados; a própria irmã do noivo - Raniely - entoou uma belíssima canção. Ao final, juntamente com o Pastor Renato, impetrei a bênção nupcial sobre os nubentes - declarando-os marido e mulher, em nome do Pai; e do Filho; e do Espírito Santo.

Dali, um numeroso cortejo (cerca de quatrocentos participantes) seguiu para um clube tradicional da cidade de Muriaé; onde os nubentes recepcionaram a todos. O menu foi de apurado gosto. Vários Pastores wesleyanos da Zona da Mata se fizeram presentes ao enlace - em um agradável clima de festa e descontração. Vida longa e abençoada, sob aos bênçãos do Deus eterno, ao casal Thais e Regis!

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Orar é a melhor terapia

Nesta manhã, como sempre faço, me prostrei diante do Deus eterno. Enquanto me ajoelhava, gritava dentro em mim uma profunda convicção que tenho: "Jamais me arrependerei dos momentos que passo, em oração, na presença do meu Deus!". E ali, no lugar onde os fortes se igualam aos fracos - enquanto o meu grito de certeza ecoava nos bastidores da minha vida - meus pensamentos se voltaram para os meus filhos.

Enquanto iniciava a minha oração, pensava nos homens de Deus do passado - cuja história de vida teria sido gloriosamente completa, caso tivessem tido a sorte de ver os seus filhos prostrados, assim como eles, no altar do Senhor. Davi e Samuel se sobressaíram nesta relação. Sofri por causa deles; todavia, não me senti muito diferente.

Sou pai de quatro filhos: Calegari Filho, Elizeu, Ezequiel e Daniela. As vezes penso que os meus queridos filhos jamais virão a compreender plenamente o prazer que sinto por ser seu pai. Na verdade, não tenho a menor ideia daquilo que eles pensam - quanto a minha condição de ministro de Deus. Embora estejam sempre relativamente perto de mim; sinto em meu espírito que - de um modo inexplicável - não consigo tocá-los.

Quando estamos no altar da oração - algumas coisas acontecem, sem que entendamos o seu verdadeiro sentido. Tenho experimentado este sentimento inúmeras vezes! No entanto, hoje, chorei muito aos pés do Senhor pela vida dos meus quatro filhos. Mas não foi aquele choro de saudade; ou, de emoção difusa. Foi um choro diferente - um choro angustiante - choro de quem não se sente capaz de ajudar a alguém que dele necessita. E, posso garantir, este choro incomoda!

Isso mesmo! Chorei e me angustiei pela vida dos meus quatro filhos. Senti-me impotente para ajudá-los nesta fase da história humana - em que os maus se agigantam e a maldade recrudesce. As vezes sou levado a pensar que não é necessário estarmos a muitos quilômetros de distância para estarmos separados de alguém. E, pensando assim, tenho chegado à conclusão que a distância que nos separa das pessoas que amamos, não é medida no plano horizontal - como se fosse um ponto afastado no horizonte. E sim, no plano vertical - em uma espécie de distância em nível - separação entre um topo de uma montanha e um vale profundo.

"Oh, meu amado Deus! Ajuda-me a lidar com o sentimento desconfortável - de ver alguém aparentemente tão próximo; mas, que não conseguimos abraçar e, nem ao menos tocar. Oh, meu pai! Traga os meus filhos para perto de mim - até uma distância em que eu possa estender os meus braços e sentir o seu calor transitar em meu próprio ser. Não necessariamente uma presença física; mas, sobretudo, uma presença espiritual".

E assim orando, senti Sua gloriosa Presença chegar e me trazer conforto e paz.

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

São levados dois obreiros da VI Região

"Preciosa é à vista do SENHOR a morte dos seus santos" (Salmos 116:15)
Nesta página, comunicamos o falecimento de dois pastores wesleyanos. Ambos faleceram nesta semana - com diferença de poucos dias um do outro; e por razões diferentes.

Morre um valente em pleno campo de batalha

O Pastor Luis Carlos do Nascimento Magalhães faleceu, logo depois de sentir-se mal, no cumprimento de sua missão como Secretario Regional de Educação Cristã. Homem de vasta experiência na área da educação religiosa da Igreja Metodista Wesleyana, cumpriu plenamente as exigências do seu cargo; marcando presença na I Convenção de Adolescentes da VI Região - em Grussaí - participando ativamente do culto de abertura da mesma. Logo após o encerramento do culto solene de abertura, começou a sentir-se mal, vindo a falecer ainda no trajeto para o hospital.

Todos aqueles que conviveram com este homem de Deus, ao longo de uma vida de testemunho ilibado - hão de concordar comigo, de que fazia parte de uma cada vez mais rara estirpe de homens inteiramente comprometidos com a causa do Senhor. Sua natureza calma e tranquila, transmitia serenidade a quem com ele conversava. Verdadeiramente, era um homem de paz. Em paz viveu; em paz morreu. Não me recordo de tê-lo visto em missão de rotina fora da área compreendida entre os Distritos de Nilópolis e Nova Iguaçu. Todavia, recordo-me perfeitamente das vezes em que fazia uso da palavra. E, então, a sabedoria destilava de entre seus lábios.

Enfim... Ele se foi e vai fazer falta! Especialmente no Quadro de Obreiros da VI Região; e também na direção do CEFORTE, a cuja causa sempre se dedicou com amor e esmero - como bem traduz o Pastor Gutemberg: "nos deixou  marcando para sempre a historia de nossa Igreja em grande estilo , deixando um legado de simplicidade, mansidão e moderação". E também a nota do Bispo Roberto Amaral; que fala do seu "profundo amor demonstrado para com a família e com a igreja". Deixo aqui registrado o meu sincero lamento por sua partida; e os meus votos de pesar à sua viúva - irmã Delma; bem como a todos os seus familiares e ovelhas do rebanho que tão amorosamente cuidou.

O Senhor recolhe mais um obreiro

O Pastor Airton Fernandes Chaves também faleceu. Assim como o Pastor Luiz Carlos - era também obreiro da VI Região Eclesiástica. Sua "causa mortis", no entanto, foi diferente: Faleceu vitima de um tumor maligno no cérebro. Embora não tenha tido um vasto currículo ao longo do seu ministério; fez parte de uma família muito importante nas fileiras wesleyanas. Seu irmão - Pastor Amilton Fernandes Chaves ocupa o posto de Secretário Geral de Missões; e seu primo Jamir Fernandes Carvalho é Bispo da IV Região Eclesiástica - ambos com assento no Conselho Geral da Igreja Metodista Wesleyana.

Conheci o Pastor Airton, quando ainda jovem na IMW de Olaria - igreja onde eu realizava frequentes campanhas de avivamento e cura divina - durante o pastorado do saudoso Pastor Aurelino Ferreira Bitencourt. No exercício do seu ministério pastoral, o Pastor Airton Fernandes Chaves vinha servindo na Sexta Região; atuando ao lado do Pastor Assuero - como pastor ajudante na IMW em São Lucas - no Distrito de Volta Redonda. Deixo minhas sinceras condolências à sua viúva, Missionária Sueli; bem como a todos os seus familiares - agora enlutados com sua partida para o Senhor.

Encerro esta nota, deixando o maravilhoso testemunho de Jó: "E disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; o SENHOR o deu, e o SENHOR o tomou: bendito seja o nome do SENHOR" (Jó 1:21).
Bispo Calegari
Superintendente Regional da II Região Eclesiástica

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Quebar: Rio das visões de Deus

A alguns dias atrás, postei uma história baseada na experiência de Ezequiel, em pleno deserto da Caldeia. Ela teve como título: "Quebar, fronteira entre o natural e o sobrenatural". Ao final daquela narrativa, comuniquei que estaria postando nos próximos dias uma palavra pastoral sobre o mesmo assunto. E, agora, estou cumprindo a promessa feita! 

"Quebar: Rio das visões de Deus"
"E ACONTECEU no trigésimo ano, no quarto mês, no quinto dia do mês, que estando eu no meio dos cativos, junto ao rio Quebar, se abriram os céus, e eu tive visões de Deus" (Ezequiel 1.1)

Ezequiel estava, juntamente com um grupo de exilados, frente ao Rio Quebar. Não havia muito a dizer entre eles - posto que um abatimento extremo tomara conta de todos. Tudo poderia ter sido diferente, se os líderes espirituais e políticos do seu povo não tivessem aberto brechas espirituais e morais pelas quais os seus adversários invadiram e saquearam a nação.

Todavia, através do sofrimento experimentado por eles, às margens do Quebar; e, das visões reveladas ao profeta de Deus - vislumbramos importantes lições para a nossa própria vida. Certamente que eles deviam ter acalentado sonhos ao longo do tempo. Entretanto, os mesmos se transformaram em real pesadelo. Seus sonhos, provavelmente os mais nobres, não se conseguiram se sustentar; submergidos que foram no atoleiro da arrogância e da ganancia de seus líderes.

Contudo, restava-lhes uma esperança de mudança de rumo! É que, em Quebar, o profeta teve visões de Deus. E, no reino de Deus, a visão é mais importante do que o sonho - sendo este último respaldado pela primeira. E as visões de Deus que Ezequiel teve, sinalizam para a premissa de que também precisamos ter visões de Deus - se é que queremos ver nossa vida ser transformada; e, nosso presente antecipar o futuro.

E eu contemplo - através dos olhos de Ezequiel - pelo menos quatro visões de Deus que precisamos ter, inseridas nesta experiência sobrenatural: 

1. A visão do Deus todo poderoso
"Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos. Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza" (Jó 42.5-6)

Se pretendemos ter uma visão clara a respeito de qualquer coisa, somente conseguiremos vê-la refletida em nossa visão de Deus. Na verdade, esta é a mais importante visão que alguém precisa ter; para as mais belas experiências com o Deus eterno.

A visão do Deus vivo levou Jó a compreender o seu verdadeiro estado - algo que não conseguira enxergar antes, mesmo com os elevados valores morais e espirituais que cultivava. A visão de Deus pode também revelar a  nossa real condição, trazendo discernimento para lidar com tudo aquilo que concerne a cada um de nós. 

2. A visão do mundo a nossa volta
"Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele" (I João 2:15)

Jamais compreenderemos o perigo do mundo que nos rodeia, com suas armadilhas e loucuras, regido por leis que não são as de Deus; se não o olharmos de esguelha - sem mirar direto - contemplando-o através dos olhos de Deus.

É fato notório que, quanto mais um homem - mesmo bom crente - deixa de olhar para o Senhor, tanto mais se deslumbra com este mundo e a ele se apega. Verdade é, que a visão apaixonada de Deus tanto nos aproxima do Criador; quanto a visão apaixonada do mundo nos aproxima da beira do inferno. 

3. A visão da família
"Vós sois os filhos dos profetas e da aliança que Deus fez com nossos pais, dizendo a Abraão: Na tua descendência serão benditas todas as famílias da terra" (Atos 3:25)

Este verdadeiro "organismo" - também conhecido como "célula mater" da sociedade humana - deve se constituir em realidade primeira é última do relacionamento interpessoal dos seres humanos. A família é projeto de Deus - sobre o qual toda a humanidade está assentada. Não se pode conceber um mundo povoado por humanos, cujo projeto de família nos moldes de Deus seja descartado.

E este projeto é único em sua modalidade - sem planos alternativos. Família foi; é; e sempre será uma relação monogâmica heterossexual entre dois seres que se amam e se unem em Deus - para a consumação do projeto de Deus, conforme o texto: "Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne" (Gênesis 2:24). 

4. A visão de si mesmo
"Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal" (I Timóteo 1:15)

Um dos efeitos mais importantes e imediatos, provocado por nossa visão de Deus - é a visão que passamos a ter de nós mesmos. Fato é, que, ao contemplarmos a beleza de Deus, nos damos conta da nossa fealdade. É que, sem nos darmos conta disso, tentamos as vezes disfarçar nossa feiura interior - camuflando-a com belos penteados; belas roupas, ou belas maquiagens.

É verdade! As vezes, a beleza física ou aparente pode nos impedir de perceber aquilo que somos por dentro. Daí a necessidade de uma visão de Deus. E então, ao nos mirarmos no espelho da santidade de Deus, percebemos o nosso nível de imperfeição.

Quando ficamos entretidos - nos admirando e nos deslumbrando com a nossa própria imagem aparente - corremos o risco de nos tornarmos narcisistas. Todavia, este risco não ameaça aqueles que mantém os seus olhos fitos em Deus e em Sua beleza sem máscara.

E, deste modo, quando um cristão consegue chegar as margens do "Quebar - o rio das visões de Deus"; ele acaba por encontrar o pleno conhecimento de si mesmo e de tudo aquilo que gira em torno de si. E ali - rendendo-se incondicionalmente ao Deus que tudo vê e que tudo revela - descobre o verdadeiro significado da existência humana. "Quebar" é um bom lugar para o cristão confrontar o seu próprio ser, mediante a visão do Deus que transforma.

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 13 de novembro de 2011

Fim da visita ao Distrito de Juiz de Fora

Culto Distrital ao ar-livre

A IMW II de Juiz de Fora, sob a liderança do Pastor Carlos Roberto Martins e sua esposa Ester, promoveu o culto distrital - na praça que fica em frente ao seu salão de cultos. Na praça em que o culto foi realizado, várias caravanas das igrejas do Distrito se apresentaram - com seus ministérios locais (Santana do Deserto, Pequeri, Conselheiro Lafaiete, Barbacena, além de um grande número de irmãos das igrejas I e II de Juiz de Fora).
 
Os filhos do Pastor Carlos Roberto e da irmã Ester, tem contribuído muito para o crescimento da "segunda igreja de Juiz de Fora". Tanto o Davi (participante da peça teatral), como o Reuel (tecladista), são seminaristas do CEFORTE. A Samara, filha mais nova, é baterista. Apenas Rebeca está fora; pois, casou-se e mora em Cabo Frio.

Após o culto na praça, a uma dedicada equipe da igreja, forneceu "cachorro-quente" com refrigerante, a todos os irmãos que estiveram no trabalho.

Visita a IMW de Santana do Deserto

No domingo pela manhã, saímos com o Pastor Edilton - para tomar café com o Pastor Lusmar e a sua esposa irmã Cirlene. Estavam também em sua casa, a nossa espera, o casal José Domingos Marques e sua esposa irmã Luiza Helena (sua filha Iracema não pode estar). Depois do delicioso café, saímos em direção ao terrena que a igreja pretende comprar. Fiquei impressionado com a topografia e a localização do terreno, no centro da cidade. O Prefeito Júlio Geraldo Fraga Granzinoli, que está vendendo o terreno de sua propriedade para a igreja, esteve conosco. Ali mesmo, unimos as mãos e fizemos oração. Em seguida, seguimos para Pequeri, cerca de trinta minutos de carro em estrada de terra. 

Visita a IMW de Pequeri

Chegamos em Pequeri, para o almoço de confraternização na residência pastoral, com vários irmãos da igreja - todos desejosos de saborear o delicioso churrasco preparado pelo Josias. Ali, fiquei conhecendo o simpático Pastor Jesé e esposa (ele é obreiro jubilado da Igreja Metodista). Depois do almoço, fomos descansar na Pousada em que sempre nos hospedamos quando vamos a Pequeri.

A noite, tivemos um grande culto de ação de graças. Foi um culto com várias apresentações; que culminou com a ministração da Ceia do Senhor. O Pastor Edilton teve participação; e, também a Missionária Lindinalva e a Diaconisa Soledade. Recebi a relação de obreiros desta igreja:

Presbíteros: Silvério Guedes, Eleandro Cruz, Michel Vargas. Diáconos(as) Adriana Vargas, João Carlos (Carlão), José Barbosa. Depto. De Jovens: Seminarista Sueleno Guedes. Diretor de Adolescentes Geovane Cruz.

Escola Bíblica Dominical:  Douglas Gama (Superintendente). Professores: Janine Vargas (Jovens); Tairine Menezes e Franciane (crianças); Elisangela Campos (Primário) e Christiane Campos (juniores); Silvério Guedes (Batizandos); Lindinalva Rosa (Adolescentes); Adriana Vargas (adultos) Professores substitutos: Soledade (Adultos e batizandos) Sueleno( Jovens) Claudimir Bertalia (adolescentes). Orientadora Pedagógica: Christiane Campos. Outros ministérios: Ministério de Louvor: Elias, Jucimar, Michel e Christiane Campos. Diplomacia: Pamela Sasso, e Tairine Menezes. Noticiarista: Junior Menezes.

Após o culto, fomos jantar em casa da irmã Soledade (frango assado no forno, com salada de palmito, alface e tomate). Durante a visita, tivemos a presença do SD Pastor Edilton, acompanhado de um casal da igreja central de Juiz de fora (Guilherme e Priscilla); ele fez todo o trabalho fotográfico desta visita distrital.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Dívida Impagável

Ainda a pouco, ao abrir minha página no facebook, encontrei uma solene advertência do querido Pastor Daniel Ferreira Lima - de S. Paulo: "Bispo... Você deve uma colaboração maior a missões transculturais"! suas palavras fizeram-me refletir sobre o tamanho de minha dívida - algo que ele nem imagina o quanto é assustador. E pus-me a pensar...

Sou um devedor a missões transculturais. Devo aos povos africanos - do "chifre da África" até o "cabo das tormentas". Devo aos povos indianos - de "Goa a Caxemira". Devo também aos povos tibetanos - encravados no sopé e nas montanhas do Himalaia. Sou devedor e reconheço isso!

Sou devedor também aos povos europeus - "de Gibraltaneses aos nórdicos", passando pelos "centro-europeus". Sou devedor também aos povos orientais - tanto os dos olhos amendoados como os de olhinhos bem redondos; ou fechadinhos". E não posso negar tamanha dívida!

Sou devedor aos povos americanos - dos "tupis/guaranis aos astecas, passando pelos maias". Devo muitos aos "povos indígenas e aos povos ribeirinhos" - ao sul e ao norte da América. Devo aos "povos do gelo - e também aos povos da floresta, passando pelo povo do lixão". Sim! Sou devedor de uma dívida impagável!

Ah... Devo ainda a todos aqueles que o Senhor coloca ao meu lado, em meu dia-a-dia; "do amigo ao vizinho e e até aos meus inimigos". Devo  também ao "contingente wesleyano da Segunda Região; e, também, aos wesleyanos de todo o Brasil e do mundo".

Na verdade, devo a cada morador do planeta Terra. Enfim... Sou devedor a Deus e aos homens! Reconheço esta dívida sobrenatural. No entanto, o que me conforta é que a maior dívida que já tive na vida - Jesus a pagou por mim, na cruz do Calvário. Dívida condenatória - eivada de pecado - fruto de uma natureza corrompida, que Jesus aniquilou em Sua dolorosa paixão.

Enfim... Só mesmo um atestado de quitação do Supremo Senhor para me livrar de tamanho endividamento. Ajude-me em oração, meu amado irmão!


Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Quebar: Fronteira entre o natural e o sobrenatural

Nesta manhã, orando a Deus, veio ao meu espírito o livro de Ezequiel. Na verdade, já tenho pregado ultimamente, pelo menos umas duas vezes, sobre um assunto especial deste maravilhoso livro. E, no altar - enquanto orava - senti-me inspirado a escrever esta história que brotou em meu espírito. E, então, segue-se a história intitulada:

Quebar: Fronteira entre o natural e o sobrenatural

"Era uma vez... Um peregrino cansado e abatido, seguindo com outros peregrinos tão cansados e abatidos quanto ele. Caminhavam a passos lentos pela região desértica da Caldeia. Seus pés feridos caminhavam com dificuldade - tanto pelo calor provocado por aquelas areias quentes, como pelas inúmeras dunas que precisavam subir - em sua caminhada rumo a um destino incerto.

Todavia, o seu maior sofrimento não era produzido pela hostilidade do terreno em que caminhavam. Nem mesmo pela condição precária em que prosseguiam, em sua condição de exilados. Na verdade, o seu drama estava longe daquele deserto em brasas. Eles formavam um grupo de judeus cabisbaixos... Sua querida nação tombará vítima da loucura de seus reis e sacerdotes; os quais - ultrapassando o limite da insanidade - deixaram o Deus de seus pais. A consequência imediata desta loucura, foi um cativeiro humilhante deste povo amado de Deus - sob o jugo babilônico. E as consequências futuras... Incerteza e mais incerteza.

Entretanto, quando o seu abatimento e cansaço começava a se transformar em desespero pela própria vida, enxergaram - do alto de uma duna - um rio que serpenteava aquela região árida. "Um rio!" - alguém deve ter gritado entre eles. E assim, buscando forças em seu interior, correram para aquelas águas. Mergulharam... Beberam... E se divertiram - esquecendo por um pouco da sua humilhante condição e do motivo que os levara a tão grande sofrimento.

É que, sem que eles percebessem, Deus os levara por um caminho não traçado. Sua caminhada sem rumo, na verdade, tinha mesmo um rumo! Não aquele que eles pensavam ter escolhido ao acaso. Mas, o que Deus preparara para eles. Afinal, o Deus de Seus pais era ainda o seu Deus - mesmo com a decadência de sua querida nação. E assim, guiados pelo Espírito Santo, eles chegaram ao Rio Quebar - o rio das visões de Deus".

Esta experiência é muito importante para nós; que vivemos uma realidade não muito diferente daquela que eles viveram, em passado tão distante. Dentro de uns dois dias, postarei uma palavra pastoral sobre esta experiência. Pois, também vemos a decadência carcomer aos poucos a nossa nação. Injustiça, arrogância, imoralidade... E outros substantivos de semelhante significado - Consomem o que parece restar de nossas reservas morais e espirituais. Isso mesmo: Somos peregrinos caminhando em um deserto sem fim... Sem saber como terminará tudo isso.

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Ainda visitando o Distrito de Juiz de Fora

Nesta visita que fizemos ao Distrito de Juiz de Fora, contamos com a inestimável presença do Pastor Edilton de Souza Leão Flôres, SD do Distrito, e sua esposa Ingrid, que está desenvolvendo o seu talento de tecladista (vivendo também uma abençoada gravidez em sua fase final). Tanto eles como suas filhas - Natália, baterista; e Susana, violonista - nos deram um apoio maravilhoso.

Almoçamos em sua casa no sábado, antes da Reunião de Obreiros; uma carne assada deliciosa, com todos os acompanhamentos... Bênção purinha! Ali, fiquei conhecendo os pais de Ingrid, que são membros da IMW de IMW Guarapari - Presbítero Reinaldo e Alcinéia - nesta visita que fizeram à filha, genro e netas. Ah, almoçou também conosco, o Presbítero Elcimar; que é pedreiro e trabalha aos sábados no templo da igreja Central de Juiz de Fora.

Bodas de Ouro do Pastor José Bicalho

Na noite de sexta-feira, as portas do templo central se abriram, para o culto de celebração das "Bodas de Ouro" do Pastor José Pedro Bicalho e sua esposa Lezira José Bicalho. Sob a direção do Pastor Edilton. Os filhos e netos do casal renderam homenagens; e pude pregar a Palavra de Deus, revestido de unção e emoção. A bela solenidade contou com a presença dos familiares, amigos e irmãos do casal.

Filhas e genros: Dca. Regina e seu esposo Pb. Eden Sampaio; Dca. Claudia e seu esposo Pb. Paulo Mitterofhe; Jacinta e seu esposo Pb. José Carlos Barbosa; Dulcineia e Dr. Giovane Alves Monteiro; Cristina Maria Bicalho; e, Vera Lúcia e seu esposo Pr. José Domingos (Pastor de outra Igreja em Baependi). Eles tem seis filhas e um filho, também presente na celebração: Marcus Paulo Bicalho e sua esposa Cristiane.

Estavam também os netos: Micheli e seu esposo Edson Magno Pimenta Borges; Thuani; Diogo Bicalho Barbosa e sua esposa Flávia; Caroline; Samuel; e Giovana. E ainda os bisnetos: Lara e Pedro. Após o culto, houve uma bela recepção em um amplo salão de festas; com salgados e bolos, regados à refrigerante. Valeu a pena participar deste maravilhoso evento.

Reunião Distrital de Obreiros

No sábado a tarde, tivemos uma abençoada reunião com a Liderança do Distrito de Juiz de Fora. A reunião foi aberta e encerrada pelo SD Pastor Edilton; e eu preguei a Palavra de Deus. Em seguida, fui apresentado aos líderes do Distrito:

SD - Pr. Edilton de Souza Leão Flôres; Finanças Distrital - Pr. Carlos Roberto Martins; Cons. Pré-Adolesc. - Luíza Menezes Souza Marques; Sup. Adolescentes - Davi César de Souza Martins; Cons.Adolescentes - Lucimar Avelar Resende dos Santos e Mis. Lindinalva Cláudia Daniel Rosa; Sup. Jovens - Douglas José da Gama; Sup. Adultos - Sirlene de Souza Soares Faustino; Sup. Missões - Sulamita Saile de Jesus Oliveira; Sup. Ação Social - Pb. Hugo Eleutério da Silva; Sup . Min. Louvor - Reuel Martins e Mara Adriana Lucon Garcia; Sup. Ministério de Oração/Intercessão - Maria Soledade Santos de Oliveira; Sup. Informática - Pr. Isaque dos Santos e Pb. Michel Vargas; Noticiarista Distrital - Ingrid Guimarães Leão Flôres; Sup. E.B.D. - Ester César de Souza Martins.

Estavam presentes as igrejas do Distrito e seus respectivos Pastores: 1) Barbacena - Pr. Ramon Marcos; 2) Central de Juiz de Fora - Pr. Edilton; 3) Conselheiro Lafaiete - Pr. Isaque; 4) II de Juiz de Fora - Pr. Carlos Roberto; 5) Pequeri - Pr. Edilton, Mis. Lindinalva e Dca. Soledade; 6) Santana do Deserto - Pr. Lusmar.

No Relatório Parcial do Crescimento das Igrejas do Distrito de Juiz de Fora, conforme dados retirados do wesleyanahost, temos os seguintes percentuais de crescimento entre 2010 e 2011: 1. Barbacena - 16,7%; 2. Central de Juiz de Fora - 80,0%; 3. Conselheiro Lafaiete - 1400,0%; 4. II de Juiz de Fora - 292,9%; 5. Pequeri - 80,0%; 6. Santana do Deserto - 133,3%. Neste período, o Crescimento do Distrito de Juiz de Fora, foi de 113,5%. Portanto, mais que dobrou o seu número de membros!

Os Alvos Distritais a serem perseguidos pelas igrejas são: 1) Implantar congregação/igreja Centro de Juiz de Fora (já estão sendo levantados mantenedores para este projeto) - sob a responsabilidade da igreja Central de Juiz de Fora e com apoio da II de Juiz de Fora. 2) Implantar GCEU/congregação/igreja em Bicas - sob a responsabilidade da igreja de Pequeri. 3) Implantar GCEU/congregação/igreja em Serraria e Matias Barbosa - sob a responsabilidade da igreja de Santana do Deserto.

Na próxima postagem sobre o nosso "giro episcopal", falaremos sobre o culto distrital e a visita as igrejas de Santana do Deserto e Pequeri.

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Ciranda do Inferno

O famoso dicionário "Aurélio" define ciranda, como substantivo feminino - cujo significado é:
1.Peneira grossa.
2.Dança de roda infantil; cirandinha.
3.Fig. Turbilhão, voragem.

"Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos. E ele lhe disse: Senhor, estou pronto a ir contigo até à prisão e à morte. Mas ele disse: Digo-te, Pedro, que não cantará hoje o galo antes que três vezes negues que me conheces" (Mateus 26.31-34).

Quando Jesus se dirige a Pedro, para alertar quanto ao fato de que Satanás pediu para cirandar os discípulos como o trigo - Ele deixou bem claro que esta ciranda é um enorme perigo para os que por ela são envolvidos. Se considerarmos as definições do "Aurélio" para o verbo utilizado por Jesus, percebemos que as três figuras podem ser aplicadas ao contexto desta advertência:

1. "Cirandar como trigo" tem tudo a ver com passar o trigo pela peneira. Sabemos que quando o trigo é cirandado, só permanecem na peneira aqueles grãos que tem consistência suficiente para permanecer no conjunto "trigo". Qualquer grão defeituoso ou enfraquecido, acaba por ser lançado fora - amontoado junto a palha que vai ficando pelo caminho.

2. "Cirandar como trigo" também pode ser comparado a dança de roda infantil; em que as crianças nela envolvidas vão girando, girando, girando... Em um giro sem fim - sem sair do lugar. Algumas completamente zonzas, sem ter condição de brincar mais, estonteadas pelo giro ininterrupto da ciranda.

3. "Cirandar como trigo" pode também ser visto como um giro louco e voraz - que vai devorando, consumindo, corroendo, destruindo. É a "ciranda do inferno", em sua voracidade - procurando roubar, matar e destruir todos aqueles que consegue envolver em seu giro infernal.

Pedro é avisado

A solene advertência do Senhor Jesus a Pedro, revela o cuidado de Deus por aqueles a quem Ele chama. O girar enlouquecedor da "ciranda do inferno" iria se abater sobre um obreiro do Senhor que se julgava capaz de vencer por si mesmo. Entretanto, logo iria descobrir que não é bem assim. Na verdade, todos nós somos vulneráveis em meio a este terrível turbilhão. Valentia, dedicação e fé - não são suficientes para nos fazer sair ilesos desta ciranda.

Mediante a palavra de Jesus, vemos que a única chance que temos de escapar é por meio da oração. Ao dizer a Pedro: "Eu roguei por ti" - Jesus deixa claro que não é possível escapar sem a ajuda de Deus. Não existem heróis neste confronto. Dois sentimentos são comuns em meio a esta "ciranda": O sentimento de autosuficiencia e de capacidade própria, que ocorre antes do ataque. E o sentimento de desânimo e de impotência, que surge no interior da peneira. E a "ciranda do inferno" traz em seu giro, dois tipos de ataque:

Provação dolorosa

Provação é a palavra-chave neste tipo de ataque. São aquelas lutas e provas que produzem grande sofrimento. Este ataque se manifesta sob as seguintes formas: Perseguições sofridas, até mesmo de pessoas próximas; ataques do inferno contra a família; opressões que atacam a mente e a saúde; e outros parecidos.

Em meio a este turbilhão, o filho de Deus precisa se refugiar em Deus; buscando nEle forças para prosseguir. Em caso contrário, pode ser levado ao enfraquecimento e desânimo - sem condições para combater "o bom combate da fé". Muitas vezes, sem forças para reagir à fúria de Satã, o crente afligido chega até a pensar em desistir de tudo.

Turbilhão das tentações

Este tipo de ataque é mais sutil e perigoso. Ele se aproveita do sucesso do crente; vindo sob a forma de propostas indecorosas; jogo de sedução; infidelidade conjugal; envolvimento com pornografia; etc. Aqueles que vivem em oração e na presença de Deus, geralmente, conseguem escapar. Mas, quem vive de modo descuidado e negligente pode estar a um passo do abismo.

Alguns grandes homens de Deus do nosso tempo, acabaram por ser vencidos e dominados por Satanás. E o mais triste, nestes casos, é que estes obreiros continuam agindo como se ainda estivessem sob a unção de Deus - "expulsando demônios e curando enfermos". Parecem viver um "faz de conta" ministerial. Pregam as mesmas mensagens... Todavia, sem a unção do Espírito. Tornam-se semelhantes ao "anjo da igreja de Sardes"; o qual vivia apenas do nome... E nada mais.

Rendição completa a Deus é a única hipótese de vitória

A palavra de Deus tem uma promessa de proteção para todos nós: "Então temerão o nome do SENHOR desde o poente, e a sua glória desde o nascente do sol; vindo o inimigo como uma corrente de águas, o Espírito do SENHOR arvorará contra ele a sua bandeira" (Isaías 59:19).

Portanto, ao deparar com a "ciranda do inferno", devemos nos apegar a Palavra de Deus - tendo na lembrança as palavras de Jesus aos seus discípulos sonolentos: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca" (Mateus 26:41).

É necessário guardarmos Sua Palavra, para recebermos dEle imunidade e proteção: "Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra" (Apocalipse 3:10).

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 5 de novembro de 2011

Visita ao Distrito de Juiz de Fora

Retornei de Rondônia, chegando em Belo Horizonte em pleno feriado do dia 2. Depois de passar em casa, fui até a Sede Regional, para dar uma olhada no trabalho que estava sendo feito pela Comissão de Exame de Livros e Contas. No dia seguinte; depois de dar expediente em meu gabinete, almocei com Maria Celia; e, saímos em direção ao Distrito de Juiz de Fora - iniciando este nosso "giro episcopal" na cidade de Barbacena.

Culto na IMW de Barbacena

Iniciamos o "giro" com a visita à igreja de Barbacena. Chegamos um pouco antes do culto iniciar. O casal, Pastor Ramon Marcos e Regina, estava conversando com alguns irmãos. O Presbítero Hugo também estava conversando com o Pastor Ramon. Enquanto o culto não se iniciava, o Pastor aproveitou para mostrar-me as obras que foram feitas na gestão do pastor Antonio Carlos Campos - que o antecedeu no pastorado desta igreja.

Logo em seguida, o Pastor deu inicio ao culto, passando o microfone ao Ministério de Louvor. Após o ofertório, fui apresentado à igreja e passei a pregar a Palavra de Deus. Enquanto pregava, percebi a presença das filhas do Pastor Alberto José Salvino - pioneiro deste trabalho, hoje jubilado - juntamente com suas filhas. Lembrei que sua filha Mirian saiu, recentemente, de grave cirurgia na cabeça. E la estava ela - louvando a Deus, cheia de alegria. No encerramento do culto, repleto da graça de Deus, fizemos um período de oração em favor do povo.

Ao final, nos dirigimos para a porta, cumprimentando os irmãos. Conversamos com Eunice e Mirian; e também com uma irmã que tem frequentado a igreja - cujo nome esqueci de anotar. Como a noite estava muito fria, fomos logo para a casa pastoral. Regina nos serviu um saboroso jantar (carne ao forno, com cobertura de queijo, arroz branco e salada de alface e tomate). Celia e Regina foram logo dormir; mas, eu e o Pastor Ramon Marcos ficamos conversando na sala até as duas horas da manhã. No dia seguinte, ele viajaria bem cedo para BH, com seu filho estudante de medicina. E nós, nem tão cedo assim, continuaríamos com nossa visita ao Distrito de Juiz de Fora - após tomarmos um belo café da manhã com a irmã Regina.

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Tampão ou Canal - O que sou?

Eu estava orando a Deus. E, como sempre faço quando oro, prostrei-me sem reservas aos pés do meu Senhor. Tudo como sempre (louvor... Adoração... Gemidos... Intercessão... Lágrimas...). Enfim... Quebrantamento incontido. Eu sou assim mesmo! Não sei se saberia proceder de outro modo. Nada de ocultação! Nada de encenação! Sim, sim; não, não. Pelo menos é o que penso em meu íntimo. E me sinto bem assim.

Enquanto orava, tentava compreender melhor o meu papel no "Corpo de Cristo". Em dado momento (não sei se da boca-pra-fora ou se da boca-pra-dentro) tive a nítida impressão que frases entrecortadas fluiam como filete de água, serpenteando no leito sinuoso de uma nascente; seguindo em direção à profundeza do meu ser.

"Senhor, o que sou eu na vida cristã? Sou canal ou sou tampão? Serei eu um canal que conduz o fluxo de óleo da alegria e da cura aos que me rodeiam. Ou, serei eu um tampão obstrutor de sonhos e anseios - existentes no íntimo daquele irmão que Tu confiaste a minha guarda"?

Não quero me omitir, como fez Caim, quanto a minha condição de "guardador do meu irmão". Todavia, não quero exagerar na missão de guardá-lo - a ponto de tentar condicionar sua vida - me tornando uma espécie de "senhor do seu destino". Desejo realmente guardá-lo; todavia, sem exagerar no cumprimento desta missão.

Não quero ser tampão - interferindo na medida de unção que o meu irmão precisa receber do Senhor - tentando dosar a porção de óleo sobre sua vida. Longe de mim tamanho desatino! Tenho plena consciência de que não sou o aferidor da medida de fé, nem da dose de unção de quem quer que seja. Nem desejo isso Senhor!

O que eu quero mesmo é ser canal: Um canal desimpedido e limpo! Sempre ungido com o óleo que por mim circula, em direção ao ponto para onde me inclino. E minha maior sorte nesta missão, será conseguir chegar aos que me rodeiam; conduzindo óleo sempre fluente, derramado pelo Espírito - canalizado em direção aos que dele necessitam.

Sei que não sou fonte! Nem pretendo ser. Também não quero ser tampão! Não é esta a minha vocação. Contento-me em ser um canal, mesmo inexpressivo - daqueles bem fininhos. E digo isso, porque sei que - se conseguir cumprir bem a minha missão - posso até não ter óleo em abundância. Mas... Nem precisarei! Pois, estarei sempre encharcado dele".

Quando me levantei da oração, senti-me muito bem - imaginando que, caso estivesse sobre um piso liso, poderia ter escorregado. É que fiquei com a sensação de que havia algo pegajoso sob os meus pés.

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Os dias passados em Porto Velho

Durante os três dias em Porto Velho, almoçamos na casa da irmã Edna, onde eu e os pastores: Romeu - da IMW de Vista Alegre do Abunã; e Ronaldo - da IMW do Cuniã (aquele frango fritinho com arroz, feijão e jiló ela faz tão bem). Almoçamos também na casa da irmã Xiquita; onde eu, o Bispo Sinvaldo e o Pastor Ricardo - com suas respectivas esposas - um delicioso dourado à escabeche e um peixe assado, com pirão e uma salada deliciosa; acompanhados de um delicioso pudim. Houve ainda um jantar de confraternização na casa do casal Gerardo e Joana; onde comemos iguarias tão variadas, que nem dá pra falar aqui. Lá estavam os Bispos Sinvaldo e Jamir, com suas respectivas esposas; o Pastor Calegari e esposa; os irmãos Garbim, Ranilson e Jacó com suas respectivas esposas; e também as irmãs Xiquita e Claudia.

Culto fúnebre na IMW de Nova Floresta

No domingo pela manhã, a igreja de Nova Floresta se abriu, para o ofício fúnebre da saudosa irmã Ádela. O grande templo da Nova Floresta tornou-se pequeno para a grande multidão ali presente. Os membros do Conselho Geral presentes em Porto Velho foram prestar suas últimas homenagens a dedicada serva do Senhor. O Pastor Arilson, responsável pela direção do culto, deu oportunidade à Doutora Simone - Coordenadora do "Desperta Débora" para a Região Norte; do qual a irmã Ádela era a atual coordenadora em Rondônia.

Em seguida, os quatro membros do Conselho Geral tiveram a oportunidade de falar: Bispo Sinvaldo; Bispo Jamir; este que faz este registro; e o Pastor Calegari - SRAS). E Deus deu a todos nós, uma dose de unção que confortou a família enlutada e edificou a todos os presentes. Ao final, o Pastor Wellington - com voz embargada pela dor e emoção - se dirigiu a todos, com uma palavra confortadora.

Culto na IMW Av. Calama

No domingo a noite, tive a oportunidade de pregar na igreja da Av. Calama. O Pastor Waldemar Marinho, titular da igreja, foi buscar-me em seu hotel. Ao chegarmos, o culto já estava iniciado. Enquanto adentrava o grande templo da Av. Calama - em frente ao Shoping de Porto Velho; fiquei a pensar na primeira vez em que ali estive; quando esta igreja ainda era congregação da igreja central de Porto Velho - em outubro de 1997.

Ao ouvir o povo cantando com o Ministério de Louvor, não pude deixar de fazer comparação entre os cerca de sessenta membros que se reuniam no primeiro templo, naquela ocasião; e os cerca de mil membros que se reunem no templo atual. O agir de Deus, tanto através do Ministério de Louvor como através do Grupo Coral, foi magnificamente sentido em nosso meio. Logo após o coral, o Pastor Waldemar me passou a palavra. Preguei sobre um tema que Deus me deu um ou dois dias antes: "Promessa Distante". Devo postar esta mensagem no blog.

Após o culto, fui conduzido pela família pastoral, para um jantar especial, na Pizzaria Don Giovanni. Juntaram-se a nós, outros obreiros que foram chegando: Bispos: Jamir e esposa; Sinvaldo e esposa. Pastores: Calegari e esposa; Ricardo e esposa; e Marcelo e esposa. Foi, realmente um jantar regado a emoção e conversa descontraída. Os pratos principais foram: "Peixe na telha" e "filé grelhado com arroz a piamontese". Realmente, foi uma agradável maneira de terminar a noite de domingo.

Culto na IMW Central

Ontem a noite, o Pastor Ricardo me pegou no hotel e me conduziu para o culto de terça-feira na igreja central. Chegamos um pouquinho antes do culto, ainda a tempo de cumprimentar vários irmãos que já estavam - e outros que iam chegando. Vejo que o Pastor Ricardo substituiu muito bem o Pastor Calegari à frente desta abençoada igreja, desenvolvendo um perfil de ministério que está mantendo aquela igreja em ritmo de avivamento.

O Ministério de Louvor, sob a direção do Pastor Ricardo, fez a abertura da culto. Em seguida, me passou a palavra. Preguei sobre "Quebar - lugar de visões de Deus". Sinto que Deus falou e agiu na vida de todos os que estavam no templo. Logo após o Presbitério orar pelo povo, o culto foi encerrado. As despedidas foram demoradas. Retornei rapidamente ao hotel, pois teria que viajar de regresso a BH.

Verdadeiramente, o projeto de expansão da Igreja Metodista Wesleyana em Porto Velho conseguiu estabelecer um importante marco de crescimento, que ainda hoje tem tornado a IMW naquela cidade - uma das mais influentes Igrejas Evangélicas do Estado de Rondonia. Louvo a Deus por tudo isso!

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Um filho retorna à casa do Pai

No último fim-de-semana, partiu para o Senhor o servo de Deus Juás Corrêa - nascido em 12/10/1921, falecido em 27/10/2011. Com o seu falecimento, deixa enlutados: Quatro filhos, treze netos e dezoito bisnetos; e um número incontável de vidas que foram abençoadas ao longo de sua vida.

Filhos e Netos:

Gladicélio Corrêa (filho): Gladicélio Jr., Gisele e Gedson (netos).
Hercidéia Corrêa (filha): Anderson, Alex, Zulieca e Zuleide (netos).
Maraci Corrêa (filha): Carlos Augusto, Liene e Cleiton (netos).
Ilma Corrêa (filha): Rafael, Michele e Milena (netos).

Acrescento nesta nota, a informação de um dos seus netos - o Pastor Gedson, que pastoreia a IMW de Nova Carapina, no Espírito Santo:

"Os bons também morrem... estas foram as palavras do Pastor Joedir Fernandes de Carvalho, SD do distrito de Itamarati, no culto fúnebre do meu avô, na capela mortuária do cemitério municipal de Petrópolis/RJ. Ele falou do privilégio de ter conhecido a nossa família em 1965 quando o então Pr. Jessé Teixeira de Carvalho - ainda pastoreando na Igreja Metodista do Brasil - fora nomeado para a Igreja Metodista de Cascatinha, onde o meu avô já se reunia juntamente com toda a sua família. Logo que nasceu a IMW, meu avô aderiu ao movimento do coração abrasado e passou a reunir-se na IMW, sendo um dos primeiros membros da Igreja Metodista Wesleyana, até o momento de sua partida para o lar celestial.

Reuniu-se na IMW do Itamarati; na IMW Betel - pastoreada pelo Pastor Paulo Dias, que esteve presente no culto fúnebre; e, ultimamente, estava se congregando na IMW da Estrada da Saudade, pastoreada pelo Pastor Claudinei Rento; o qual também falou no culto fúnebre, do zelo do meu avô pela obra do Senhor - ressaltando que mesmo aos 90 anos de idade, não faltava nenhum culto - mesmo que estivesse chovendo - e ainda ensaiava e regia um coral na IMW em Fragoso toda a semana. Disse também que ele não parava nem por um instante.

E ele morreu trabalhando. Pois, no dia 10 de outubro pp - dois dias antes de completar os 90 anos - a família já se preparava para dar uma grande festa pelo seu aniversário, quando o meu avô foi entregar um serviço a um de seus clientes (pois ainda trabalhava para fora como tintureiro). Estava muito calor no dia; meu avô, então, comprou um picolé para se refrescar e começou a sentir-se mal naquele dia (estava tendo um derrame cerebral).

Foi nesse momento que o Senhor enviou um "anjo", na pessoa de um membro da IMW; o qual o reconheceu - providenciando socorro imediato para o meu avô. Em conseqüência do derrame, ele perdeu os movimentos do seu lado direito e comprometeu a sua fala, causando uma grande aflição para ele; pois, não podia mais reger e nem cantar, que era o que ele mais gostava de fazer. Mesmo com a sua aparente melhora depois do "susto" imediato, no dia 27/10/2011 sofreu um enfarto e nos deixou para "louvar com os anjos".

Parece que ele estava sentindo que não teria mais muito tempo conosco. Nos últimos 06 meses começou a fazer algo que todos estranharam: Resolveu visitar todos os filhos, netos e bisnetos - dizendo que estava com muita saudade de todos nós. E ele cumpriu a missão de visitar a todos. Conheceu os bisnetos que ainda não conhecia e partiu com a certeza da missão cumprida. Verdadeiramente, o meu avô "combateu o bom combate, acabou a carreira e guardou a fé"! Pois todos os filhos estão na presença do Senhor; e todos os netos foram criados no caminho do Senhor. Ele foi um verdadeiro valente de Deus.

Em Cristo;
Pastor Gedson Alves Corrêa"

Antes de finalizar, preciso também dizer que conheci o Presbítero Juás, quando fui pastor da IMW Betel - em Petrópolis - nos anos de 1971 e 1972. Embora ele não fosse membro da igreja que pastoreei, sempre o vi se movimentando com grupos de canto e louvor. Era um entusiasta da música e da regência. Seu mano Joel de saudosa memória; assim como ele - também presbítero e regente de coral - foi meu vice-presidente na querida "igreja Betel"; era um pouco mais velho do que ele. De quando em vez, conversávamos sobre o Juás (o Joel era um admirador das qualidades do Juás como regente e motivador dos coristas). Bons tempos...

Descanse em paz, guerreiro-cantor! Creio que o texto da Palavra de Deus, referente ao filhos de Deus que partem, tem tudo a ver contigo: "E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem" (Apocalipse 14:13). Aos seus familiares e amigos expresso os meus pêsames.

Com grande pesar;
Bispo Calegari & Maria Celia