segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Movidos pelo amor II

Neste sábado, a IMW Central de Porto Velho promoveu o o projeto denominado "Movidos pelo amor". Sua abertura se deu por volta das nove horas e seu encerramento foi feito depois das dezessete horas. O mega evento contou com a parceria de setores públicos e privados - tornando, deste modo, possível o atendimento médico, jurídico, nutricional, odontológico e psicosocial a mais de cinco mil pessoas.

Este projeto social, que já vai em sua segunda edição, envolveu cerca de trezentos irmãos voluntários da igreja central (juízes, advogados, médicos, enfermeiros, militares, psicólogos, pedagogos, nutricionistas, músicos, empresários e profissionais liberais das mais diversas áreas). Contou também com o efetivo apoio da Polícia Militar; da Polícia Civil; do Corpo de Bombeiros; da Defesa Civil; do Ministério Público; da Defensoria Pública; dos Tribunais Regionais; Do Tribunal de Contas; das Igrejas. Enfim... Um verdadeiro mutirão de solidariedade a serviço das comunidades carentes.

O evento foi realizado no "Acampamento Suzana Wesley", de propriedade da IMW Central de Porto Velho: Uma área urbana com mais de cinquenta mil metros quadrados - adquirida durante a minha gestão à frente da abençoada IV Região. Alguns caminhões-baú já estavam estacionados, defronte ao gigantesco trio elétrico gentilmente cedido pela empresa Rodão Motos - do empresário Carlinhos Camurça. Nos caminhões estavam armazenados mais de quatro mil peças de brinquedos e milhares de cestas básicas. Foi tão generosa a participação da sociedade, que ainda sobrou brinquedos e cestas básicas; que serão distribuídos no mês do natal.

O ato solene de abertura se deu, com o culto de lançamento da pedra fundamental do "Centro de Convenções Suzana Wesley". Após alguns cânticos entoados pelo Ministério de Louvor, o Cerimonial do evento apresentou as autoridades civis, militares e eclesiásticas presentes. Pude ver ali, além das ilustres figuras dos membros do Conselho Geral da IMW, diversos pastores nossos conhecidos. Não posso deixar de destacar a presença do Pastor Waldemar Marinho, SD do Distrito Norte de Porto Velho; e da irmã Áurea (sempre tratada carinhosamente por todos como "Missionária").

Representando o Conselho Geral da Igreja Metodista Wesleyana, estavam os Bispos: Jamir Fernandes Carvalho - Bispo da IV Região Eclesiástica; Sinvaldo Correia Coelho - Bispo da V Região Eclesiástica e Sebastião Calegari (este que vos escreve) - Bispo da II Região Eclesiástica. Também presente o Pastor Sebastião Calegari Filho - Secretário Geral de Ação Social. Os mesmos fizeram uso da palavra - tendo a oportunidade de lançar uma palavra profética escrita no interior da "Pedra Fundamental".

As equipes de cozinha e lancheteria não pararam um minuto sequer - tanto no pronto atendimento aos profissionais da saúde; da segurança; da defesa civil; da defensoria pública; do ministério público; e dos serviços gerais; como também aos membros da equipe coordenadora. Foram servidas também refeições à população necessitada de "pão e peixe". E lá estavam, sempre, os nossos queridos irmãos da cozinha e da cantina - cumprindo a sua missão de dar conforto aos que, de quando em vez, demonstravam sinais de "fome e sede".

Os ministérios: de louvor, de artes cênicas; de coreografia; e outros - demonstraram espírito incansável; procurando, ao mesmo tempo, distrair e edificar com as mensagens inseridas em suas apresentações. E foram muitos os que estavam sempre em volta do palco ou do trio elétrico - atraídos pelo brilho e entusiasmo destes incansáveis servos de Deus.

Tanto o Presbitério como a Junta Diaconal, demonstraram comprometimento e espírito serviçal no evento de tamanha magnitude. Louvo a Deus, pela capacidade de mobilização do Pastor Ricardo, SD do Distrito Central de Porto Velho e titular da "Central de Porto Velho" - seguindo pontualmente os passos de seu discipulador, Pastor Calegari Filho - liderando muito bem com o seu Conselho Local e sua equipe de trabalho. Parabéns, valorosos soldados!

Sei que corro o risco de ser injusto - sem pretender - ao narrar os fatos que foram por mim observados. Posso ter esquecido alguém; ou, alguma coisa ou detalhe. Todavia, tenho absoluta certeza de que o "Deus que tudo vê" já tem o galardão preparado até mesmo para aqueles que foram tão discretos em sua maneira de servir; que, acabaram por não ser notados.

À querida IMW Central de Porto Velho - minha sinceras homenagens! Ao Deus de toda a glória - meu tributo de louvor!

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 29 de outubro de 2011

Uma "guerreira da luz" mudou de endereço

Faleceu a irmã ÁDELA RUBIA JENNINGS

A irmã Ádela partiu para o Senhor, após prolongada enfermidade. Ao ser "promovida à glória", deixa enlutados: Seu esposo Wellington; seus filhos: Everton, Erica e Elaine; sua nora Marina; sua mãe Hermínia; seus irmãos: Alan Ricardo, Maria Auxiliadora, Abenathar Júnior e Álax Roberto; seus cunhados: Arilson e Carol. E, também de luto, uma legião de amigos e irmãos que com ela conviveram... Muitos deles por ela aconselhados e ajudados nas mais diversas ocasiões.

Durante cerca de onze anos, convivemos bem próximos - tendo, por diversas ocasiões, estado juntos - fosse em um templo; em uma varanda; em uma sala; em volta de uma mesa... Frequentemente nos convidavam para comer em sua casa, fosse por que motivo fosse.

Lembro-me do dia em que conversei com o Pastor Wellington - então Presbítero da IMW Central de Porto Velho - comunicando-lhe o meu desejo de nomeá-lo para a pequena IMW de Jardim Eldorado, com pouco mais de cem membros (hoje a grande IMW de Nova Floresta, com cerca de mil e quinhentos membros e congregados). Em meu íntimo, tinha a certeza de que ele iria primeiro conversar com sua querida Adela. E creio não ter me enganado naquilo que pensei!

Pois é... Durante os onze anos em que estivemos juntos - participando do projeto de expansão da IMW na cidade de Porto Velho/RO - pude testemunhar detalhes que me ajudaram a entender a natureza, sentimentos e experiência desta grande mulher de Deus. Passo aqui, então, alguns detalhes que pude perceber em sua vida:

Nunca percebi tristeza em seus olhos; ou mesmo um semblante abatido ou desanimado em meio as lutas - que não eram poucas nem pequenas - que enfrentava em seu dia-a-dia. Seus olhos mantinham sempre um brilho especial. O brilho no olhar de quem parecia saber como tudo terminaria.

Nunca notei a menor alteração no elevado nível de autoestima de que era dotada. Ela gostava de estar sempre muito bem produzida - observando os mínimos detalhes exigidos pela natureza feminina - ainda que atingida por tão arrasadora enfermidade; a qual jamais conseguiu arrefecer o seu ânimo.

Nunca a vi recuar ante algum desafio - por maior que fosse. Foi assim na igreja central... Foi assim ao partir para uma de suas mais importantes missões: O projeto da igreja de Nova Floresta... Foi assim ao substituir Maria Celia, na direção do ministério "Desperta Débora" no Estado de Rondônia - sua derradeira missão.

Nunca percebi o menor sinal de enfraquecimento, em sua dedicação e luta em favor da causa da família - uma de suas mais importantes bandeiras. Acredito eu que - mesmo não tendo tido sucesso absoluto em todos os casos que atendeu - muitos casamentos e famílias se mantiveram firmes, devido ao seu incansável trabalho.

Enfim... Louvo a Deus por alguém que, enquanto ser humano, chamou-se ADELA! Uma vida que deixou-se gastar em louvor do Deus eterno e em prol do seu semelhante! Descanse em paz, querida "guerreira da luz", em seu novo endereço - de onde nunca mais precisará se mudar! Pois, as promessas que Deus tinha pra si - todas já se cumpriram em tua vida!

Aproveito o ensejo desta, para externar ao Pastor Wellington e a todos os seus familiares; bem como a todos os membros da igreja de Nova Floresta - os meus pêsames, em momento de tão grande dor.

Com grande pesar;
Bispo Calegari & Maria Celia

P.S. Achei por bem terminar esta postagem, anexando a poesia com que o Pastor Wellington finalizou o e-mail; no qual nos comunicou sua dolorosa perda: "Quero deixar uma poesia para vocês, pois a vida depende como nós a encaramos."

O amor é uma escolha: depende da forma como você o lê...

"Não te amo mais.

Estarei mentindo se disser que

Ainda te quero como sempre te quis.

E tenho certeza de que

Nada foi em vão.

Mas sinto dentro de mim que

Você não significa nada.

Não poderia dizer jamais que

Alimento um grande amor.

Sinto cada vez mais que

Já te esqueci!

E jamais usarei a frase

EU TE AMO!

Sinto, mas tenho que dizer a verdade

É tarde demais..."

Leia agora debaixo para cima.

Congresso de Missões em Valadares

No último fim de semana, viajamos rumo a "Princesa do Vale" (é como a bela e importante cidade de governador Valadares também é conhecida). Fôramos convidados para participar do seu "III Congresso de Missões". E lá fomos nós, para a cidade que nos projetou no ministério. Ah... Desta vez a minha querida esposa Maria Celia pode viajar comigo; ainda que sob alguns cuidados especiais (está convalescendo de uma delicada cirurgia).

Ao chegarmos nesta querida cidade, fomos diretamente para o Bairro S. Pedro; onde nos aguardava o casal Rubens e Lila (ela é cunhada dos meus dois filhos - Pastor Calegari e Elizeu - ambos casados com irmãs suas). Então, fomos brindados com um duplo prazer: Estar com este querido casal e suas duas filhas ainda meninas - Emily e Giovana; encontramos também nossa filha Daniela e nosso genro Alessandro, com meus netos: Eduardo e Beatriz.

Tive que andar depressa; pois, teria que estar na segunda noite do Congresso de Missões - para ouvir a mensagem do Pastor Edimilson Araújo, nosso Secretário Regional de Missões. Embora estivesse chovendo bastante, o templo estava repleto. O púlpito estava "ornamentado" com a grande maioria dos pastores wesleyanos do Distrito de Governador Valadares.

Ao final do trabalho, após os cumprimentos e abraços, retornamos à casa de Lila; onde nos esperava um delicioso "empadão de frango" (as vezes penso que ninguém consegue superar a Lila, na confecção deste tipo de empadão). Enquanto comíamos fomos conversando. Em seguida, fomos descansar; pois, o dia seguinte seria repleto de compromissos agendados.

Na manhã de domingo, segui para o templo central. Um delicioso café da manhã e muitos irmãos reunidos, tentavam dar conta de uma mesa tão farta. Em meio as mais finas frutas e iguarias; fiquei pensando: "mesmo que tivéssemos um número três vezes maior de participantes, não daríamos conta de tantas coisas gostosas que nos foram servidas".

O Pastor Valdívio - SD e anfitrião - deu início ao culto matutino logo após o café. Fiz uma pequena introdução; discorrendo sobre o conceito missionário de "janela 10 40". A Missionária Viuza - Diretora da AGEMIW (Agência Missionária Wesleyana) com sede em Petrópolis - foi a preletora oficial desta manhã. Lamentei não ter podido ouvi-la; pois, tinha compromissos agendados desde a manhã deste dia.

Entre os inúmeros compromissos agendados, iniciamos uma entrevista com o Pastor José Menegheli. Dali, seguimos para casa de Lila - para buscar Maria Celia; pois, tínhamos um almoço a nossa espera, na casa do Pastor Eurico. Ele, sua esposa Cleusa e sua sogra Serafina, nos aguardavam com um verdadeiro banquete! Carne assada como prato principal... Que delícia! Logo após o almoço, conversamos um pouco e, depois, seguimos ao encontro do Aspirante Teodoro, que desejava conversar um pouco conosco.

No regresso à casa em que estávamos hospedados, só deu mesmo para um banho ligeiro. Seguimos rapidamente para o templo wesleyano central, para o último culto do Congresso de Missões. Em lá chegando, antes do culto, o Pastor Valdívio já estava a nossa espera - para uma entrevista com o Pastor Dheivid (este pastor vem fazendo um brilhante ministério a frente da igreja wesleyana de S. Rita.

Ao subirmos as escadas do templo central, já se iniciava um culto verdadeiramente marcado pelo poder de Deus. Alguns grupos tiveram oportunidade de apresentar números especiais. Em seguida, preguei a Palavra de Deus - dando ênfase ao tema de missões. Foi realmente uma feliz iniciativa da igreja central de Governador Valadares; ao promover este evento. Após o culto e os cumprimentos aos amados irmãos, nos dirigimos ao gabinete pastoral, para mais uma entrevista; desta vez com o Pastor Valdir, que vem fazendo um ministério de grande impacto no Bairro Santos Dumont - onde está situada uma das maiores wesleyanas do Distrito.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Precisa-se de um grão de Areia

A anos atrás, li em algum lugar que a ostra, para produzir sua pérola, passa por um grande sofrimento. Este molusco, de natureza estacionaria, depende da corrente marítima e do movimento dos pequenos crustáceos e peixes, para receber o seu alimento. E assim, para se alimentar, precisar manter suas conchas abertas ao sabor das correntes. Então, quando algo é levado ao seu interior, as conchas se fecham e se inicia o processo digestivo.

Entretanto, pode ser que, em dado momento, um inconveniente grão de areia se introduza em suas entranhas. Na tentativa da ostra em processá-lo como alimento, logo percebe que é um corpo estranho que lhe traz dor e sofrimento. Procura então expeli-lo. Mas, quando não é bem-sucedida, inicia o seu "plano B": o qual se constitui em envolver o incômodo grão de areia com uma secreção. A medida em que a secreção aumenta de volume em volta do grão, a dor vai gradativamente diminuindo.

E aquela minúscula bolinha, com o seu crescimento constante, vai se tornando em um glóbulo duro, brilhante e nacarado. Finalmente, com sua textura acetinada, elimina inteiramente a dor produzida pelo grão de areia que fazia a ostra "gemer" e "sangrar". Certa feita, ouvi alguém dizer que, se cortarmos uma pérola ao meio, encontraremos em seu núcleo um grão de areia.

Hoje pela manhã, refletindo sobre o modo como uma ostra produz sua mais bela pérola, senti-me tão enriquecido, que cheguei a desejar ser apedrejado... Para, a semelhança da ostra, também encontrar o meu "grão de areia". Portanto, se alguém me atira pedras ou me faz sofrer, tentarei vê-lo - não mais como inimigo; e sim como um parceiro na elaboração de uma jóia preciosa. Ele, sendo a parte que atira a pedra - que fere! E eu, sendo a parte que recebe a pedrada - que sofre!

Portanto, ao receber um "grão de areia" em meu interior - lançado por alguém que me inflige sofrimento - só terei duas alternativas no modo de lidar com isso: Ou me deixo dominar pelo ressentimento e pela amargura; lançando o meu azedume contra quem me fere, em uma espécie de "chumbo trocado"; correndo com isso o risco de ficar preso às feridas - transformando a dor produzida pela "pedrada" em doença ou em mal sem remédio. Ou então, assimilo o golpe recebido - buscando forças em Deus; procurando envolve-lo com minhas lágrimas e orações, até que surja dali uma bela e valiosa pérola.

Conclui então que o segredo é valorizar a importância do "grão de areia" - tanto na formação como no amadurecimento do meu caráter cristão. E que a lição mais importante deste processo é saber lidar com ele; sem ficar procurando os "culpados" pela a minha dor. Deste modo, não fará diferença alguma, se alguém me apedreja com o objetivo de me exterminar ou de me enriquecer.

É verdade! Cheguei a conclusão que a importância não está no fator que motiva sua agressividade contra mim.E então decidi que vou estar tão compenetrado em "trabalhar" este cascalho em mim lançado; que, talvez, nem me de conta de quem o tenha lançado - seja alguém próximo ou uma outra pessoa qualquer. Pode ser que se eu consiga envolver e trabalhar tão bem a minha dor; que venha a surgir daí a famosa "pérola de grande preço"!

Agora sim, posso finalmente afixar no "quintal" de minha vida, a minha bonita placa: "Precisa-se de um grão de areia".

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Final da visita ao Distrito de Cachoeiro do Itapemirim

Neste domingo - ultimo dia de nossa estada no Distrito de Cachoeiro - acordamos bem cedo; e fomos a caminha da igreja de Itaoca.

Culto Matutino na IMW de Itaoca

Foi muito bom ter retornado a igreja de Itaoca. Pude ver que esta igreja continua crescendo - cheia do Espírito de Deus. No culto matutino, repleto da bênção de Deus, ministrei para jovens e adultos. O Pastor Jorge Camargo, SD do Distrito de Cachoeiro, me conduziu nesta visita. Durante a mensagem, pude sentir em meu espírito, que o Senhor falou ao Seu povo ali reunido. Após o culto, o Pastor Edson nos levou a ver as obras em andamento; as quais está tornando aquele templo e seus anexos em um dos mais belos do lugar.

Após o culto matutino, fomos a caminho da residência pastoral, onde nos esperava um delicioso almoço preparado pela esposa do Pastor Edson (arroz, feijão tropeiro, costelinha de porco e salada). Durante o almoço, ouvimos o casal falar sobre sua nomeação para Itaoca. Na época isso trouxe muita tristeza. Mas a Palavra de Deus se cumpriu: "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Romanos 8:28). E hoje, a IMW de Itaoca é a maior igreja daquele lugar.

Culto Vespertino na IMW II de Cachoeiro

Após descansar um pouco em casa do Pastor Jorge Camargo, onde fiquei hospedado, fomos a caminho da Segunda IMW de Cachoeiro do Itapemirim. Foi minha primeira visita a esta igreja, nestes três anos em que estou presidindo a Segunda Região Eclesiástica. Louvo a Deus pela vida e pela dedicação do Pastor José Everaldo - o qual vem pastoreando a segunda igreja desde o concílio de janeiro de 2009; e também pela dedicada membresia desta querida igreja.

Após o culto, fomos visitar a casa da família pastoral; onde participamos de um delicioso lanche. Foram momentos abençoados que passamos ali. Em seguida, o Pastor Jorge Camargo me levou para a casa do diácono Wesley - da igreja central; o qual, juntamente com sua esposa, nos esperava para um jantar (muqueca de traíra, com salada mesclada de verduras e frutas).

No dia seguinte bem cedo, o Pastor Jorge Camargo me conduziu até Safra; onde ficamos aguardando a passagem do Pastor Geraldo Lúcio Rodrigues e sua esposa irmã Marleide. Dali, seguimos para Petrópolis; onde teríamos uma reunião com o bispo Elisiário Alves dos Santos.

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Um vaso que anda

Comentando em minha página no facebook, sobre um determinado assunto, o meu espírito foi iluminado por um sentimento que me fez constatar - sobre mim mesmo - que sou apenas... Um vaso que anda. Naquele comentário postado, declarei que o meu desejo é que minha jornada seja capaz de auxiliar aqueles que vou encontrando ao longo do caminho. E também aqueles que Deus tem colocado como parte integrante da minha vida e do meu ministério.

Então, me dei conta de que, ao longo de minha vida, venho tentando definir aquilo que sou, à luz da Palavra de Deus. E, nesta tentativa, já apliquei a mim mesmo alguns termos; tais como: Homem de Deus... Servo do Senhor... Ungido de Deus... E assim por diante. Todavia, neste comentário que fiz, fluiu em mim o adjetivo que procurava: Sou um vaso que anda! Isso mesmo! Um vaso que anda, usado por Deus, para abençoar vidas.

E sinto um profundo sentimento de gratidão a Deus; pois, me fez saber duas coisas - pelo Seu Espírito - nesta minha condição de "vaso que anda":

A primeira destas coisas; é que, como vaso de Deus, preciso manter-me sempre com a boca voltada para o alto - de onde vem a unção que me revigora e que me torna útil e capaz de cumprir a minha missão. Pelo Espírito de Deus, tenho entendido perfeitamente que cada gota deste precioso óleo será de inestimável valor no cumprimento do meu ministério; o qual deverá ser pautado por submissão, humildade e generosidade.

A segunda coisa que o Senhor me fez saber; é que, sendo um vaso que anda, preciso estar sempre pronto a me curvar em direção ao meu próximo; para que, à semelhança daquele vaso de azeite na casa da viúva (II Reis 4.1-7), possa dele jorrar a unção que levará saúde, alegria e prosperidade aos que por ele forem ungidos - não somente aqueles a quem eu procurar; mas, sobretudo, aqueles a quem Deus enviar ao meu encontro.

E esta missão é tão importante para o bem daqueles que Deus me confia; que não posso, sob pretexto algum, negar-me a cumpri-la integralmente - sob o risco de comprometer seriamente o propósito de Deus para minha vida. E assim, louvo a Deus por tamanha honra e privilégio!

Cordialmente;
Bispo Calegari


sábado, 22 de outubro de 2011

Ainda o Distrito de Cachoeiro do Itapemirim

Geralmente, divido o "giro episcopal" a um Distrito em duas ou três postagens. E faço assim, para não "esticar" muito o relato do "giro" - nem deixando algumas visitas fora do relato. E é mantendo este procedimento, que continuo a relatar minha viagem ao Distrito de Cachoeiro.

Reunião Distrital de Obreiros

A reunião foi realizada no templo da igreja central, com a presença de todos os obreiros do Distrito; e sob a direção do SD Pastor Jorge Camargo. Na abertura, foram entoados cânticos pelo Pastor José Everaldo. Logo após o louvor, o SD me passou a palavra, para a ministração. Ao final, depois de dar algumas informações sobre o estado da II Região, foi feito o encerramento da reunião. Após os abraços e cumprimentos; fomos todos conduzidos à cantina, para saborear um delicioso "cachorro-quente" com refrigerante - preparado pela diaconisa Lúcia e servido pela Missionária Vera.

Culto de Jovens na IMW Central de Cachoeiro

Nem bem havíamos terminado de lanchar, foi iniciado o culto da mocidade - pouco depois da reunião dos obreiros do Distrito. Tenho percebido que o templo da IMW Central de Cachoeiro se torna cada vez menor - face ao número crescente de frequentadores. O espaço não atende sequer a membresia da igreja. E o culto da juventude foi realmente um "aperto". O bom em tudo isso, é que a unção de Deus envolvia a todos nós ali reunidos. Alguns pastores estavam no púlpito. As participações foram de uma graça admirável. E, após a mensagem, foi ministrada a "Ceia do Senhor". Ao final do culto, oramos por muitos que ali estavam.

Após os abraços e despedidas, fui convidado pela família pastoral para um Jantar na churrascaria de uma família que está vindo para a igreja (arroz, feijão tropeiro, batata frita e churrasco misto). Foi muito interessante notarmos que - assim que alguma coisa terminava - o garçon que nos atendia trazia algo mais, dizendo ser "cortesia do proprietário". Louvo a Deus por aquela família empreendedora - que administra aquela churrascaria com dedicação e eficiência. Minha oração é que o Senhor prospere aquele negócio a cada dia. Sobre o culto em Itaoca e na II de Cachoeiro, falaremos no próximo "giro".

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Guerra Espiritual

Como sempre faço, quase que diariamente, postei ontem - em minha página no facebook - uma nota cuja finalidade foi alertar para a realidade da guerra espiritual. Entretanto, diante dos comentários feitos em torno da mesma; resolvi estender este importante assunto ao meu blog - ampliando um pouco mais o conteúdo da reflexão ali postada. É é exatamente isto que passo a fazer agora - definindo algumas questões essenciais:

Definindo as armas apropriadas para esta guerra

Ao longo dos anos de batalha, tenho me convencido de que no arsenal dos homens, não existe arma capaz de combater Satanás. Em primeiro lugar, porque ele conhece cada uma das armas que ali se encontram; lançando contraofensivas apropriadas para cada uma delas. Em segundo lugar, porque ele tem sido o mentor da indústria da guerra no mundo dos homens - condicionando tanto os que fabricam, como os que comercializam estas armas. E deste modo, não há como vence-lo com este tipo de armamento. Se queremos mesmo vencer esta batalha, precisamos recorrer ao arsenal de Deus.

É que, somente no arsenal de Deus podemos encontrar as armas apropriadas para esta luta. Equipando-nos com as armas sobrenaturais nela disponíveis (Ef. 6.13-17). Na verdade, esta armadura especial é constituída por seis peças. 1. Verdade: "Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade" (Ef. 6.14); ; 2. Justiça: "e vestida a couraça da justiça" (Ef. 6.14); 3. Evangelho da paz: "E calçados os pés na preparação do evangelho da paz" (Ef. 6.15); 4. Escudo da fé: "Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno" (Ef. 6.16); 5. Capacete da salvação: "Tomai também o capacete da salvação" (Ef. 6.17); 6. Espada do Espírito: "e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus" (Ef. 6.17).

Todavia, todo este armamento de guerra espiritual não dispensa um ato bíblico e cristão fundamental, para vivermos uma vida vitoriosa: "Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica" (Ef. 6.18").

Definindo o inimigo nesta guerra

A Palavra de Deus declara que "não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais" (Efesios 6.12). É por causa da natureza do adversário a quem combatemos, que não podemos usar outras armas que não sejam as armas espirituais.

E ao observarmos este texto, a primeira coisa que aprendemos é "contra quem não lutamos". Isso mesmo! Não lutamos contra o ser humano - seja ele amigo, irmão ou desafeto. Antes, pelo contrário: Se temos inimigos humanos, a Palavra de Deus demonstra que devemos ajudá-lo sempre que precisar: "Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça" (Romanos 12:20).

Entristeço-me, quando vejo irmão perseguindo e atacando irmão - seja difamando-o com outras pessoas, movido por vingança ou por inveja, procurando destruir a sua reputação; seja tratando-o com desonestidade e hipocrisia, agindo com ele de modo dúbio. Na medida em que entendemos que nossa luta não é contra o nosso irmão; ou mesmo nosso desafeto - devemos então apontar nossas armas para o alvo certo: O inimigo das nossas almas.

A segunda coisa que o texto nos ensina; é que lutamos contra: Principados; potestades; príncipes das travas; e hostes espirituais da maldade. A guerra espiritual está presente em nossa vida - desde o nosso nascimento até a nossa morte. E ela não admite neutralidade! Nela; ou, somos guerreiros combatentes; ou, somos soldados feridos; ou, somos prisioneiros. E quando chegar a hora da nossa partida, haverá recompensa e castigo - dependendo do modo como nos conduzimos nesta luta. O estado ideal, é combatermos sempre; chegando ao fim da jornada, com as palavras do grande Apóstolo em nossos lábios: "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé." (II Timóteo 4:7).

Concluindo

Finalizo esta reflexão insistindo no ponto em que - se queremos combater e vencer Satanás - só teremos possibilidade de sucesso; se nos revestirmos de toda a armadura de Deus (Efésios 6.11). E, ainda assim, esta vitória só será garantida e completa; se nos fortalecermos no Senhor (Ef. 6.10), orando em todo o tempo e vigiando nisto com toda a perseverança (Ef. 6.18).

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 18 de outubro de 2011

A vida não é brincadeira

Gosto muito de pensar naquelas histórias cheias de aventura e de algum mistério. Talvez tenha sido por isso que sempre apreciei aqueles filmes de suspense. Sei que não sou um grande contador de história; mas, gosto de contá-las. Hoje, resolvi contar uma história que sempre me impressionou. Uma história cheia de força e de um enredo incomum. Uma história, cuja finalidade é nos transmitir lições que jamais devem ser esquecidas.

O preço da inconsequência

Era uma vez... Um homem que terminou os seus dias andando em círculo. Todavia, necessário se faz dizer que seu futuro se afigurava promissor. O seu nascimento foi precedido por uma palavra profética que conferia "ao menino que iria nascer" uma força descomunal. Inclusive, segundo a mesma palavra profética, sua mãe precisaria tomar alguns cuidados especiais durante a sua gravidez - para que não houvesse o menor risco capaz de comprometer a saúde e o destino daquele menino.

A criação de um menino especial como aquele, iria também exigir medidas e ensinamentos especiais. Uma das medidas a serem tomadas, seria a de manter os seus cabelos crescidos - sobre os quais jamais deveria passar o fio da navalha. Sua comida e bebida também deveriam ser destituídas de qualquer componente alcoólico. E os ensinamentos sobre o Deus de seus pais, bem como sobre a história do seu povo, deveriam ser-lhes sempre ministrados.

E assim, ao nascer, recebeu de sua mãe "o nome de Sansão". E, cercado de cuidado e instruções, "o menino cresceu, e o SENHOR o abençoou". Segundo o registro de sua história, "o Espírito do SENHOR começou a incitá-lo de quando em quando" ao encontro dos filisteus - povo cujo destino estava de algum modo ligado ao seu - a missão de sua vida. E assim, as pequenas rusgas iam se tornando cada dia mais intensas; até que passou a ser o homem mais temido e odiado por este povo pagão.

Entretanto, juntamente com sua força e fama, algo crescia com ele: Uma ingenuidade mesclada com irreverência o fazia viver uma vida superficial e marcada pelo improviso. Na verdade, ele não se dava conta do perigo que o rondava; e seguia - tomando atitudes impróprias para um nazireu de Deus. Aquele jovem tinha uma natureza brincalhona; e gostava de contar suas façanhas. As vezes se exibia - até mesmo quando precisava utilizar sua força física, em situações de perigo real.

Lamentavelmente, uniu sua vida a uma mulher frívola; leviana. E, deste modo, sua paixão inconsequente viria a se tornar em sua ruína. E o homem Sansão, separado por Deus para uma grande obra, caminhava com os seus próprios pés em direção a sua humilhante prisão. Suas brincadeiras foram enfraquecendo suas defesas morais e sobrenaturais. Mas ele, indiferente a tudo isso, continuava brincando. Finalmente, a força que Deus lhe tinha dado, estava sob o controle de uma mulher sem Deus.

Naquele dia, ele perdeu os seus cabelos; perdeu a sua honra; perdeu os seus olhos; perdeu a sua liberdade. E assim, devido a brincadeiras irresponsáveis - em meio a um relacionamento errado - acabou por tornar-se em uma espécie de "bobo da corte"; alguém sem honra e sem dignidade. O homem desceu ao mais profundo calabouço! Em regime de prisão perpétua, passou a viver a vida andando em círculo - preso a uma corrente, em uma masmorra - fazendo o trabalho de um animal. Triste fim para um escolhido de Deus!

Por misericórdia, Deus se compadeceu dele e foi lhe devolvendo a força aos poucos até que - com os cabelos inteiramente crescidos - percebeu que Deus o levantara de novo. Este ato misericordioso de Deus não iria ajudá-lo a ter uma vida melhor; mas... O ajudaria a ter uma morte honrosa - cumprindo em sua morte, a missão que não conseguira cumprir em vida.

Uma lição para não ser esquecida

E esta lição está registrada no Livro Sagrado, como um sinal de alerta a todos aqueles que tratam com leviandade os dons e ministério que receberam do Senhor. Homem de Deus algum está livre de sofrer as mesmas penas, caso entregue sua alma à vaidade e sua força a serviço do inimigo - seja envolvendo-se em relacionamentos errados; seja transformando seus dons e talentos dados por Deus em motivo de brincadeira - utilizando-os com futilidade; ou, para sua glória pessoal.

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Visita ao Distrito de Cachoeiro do Itapemirim

Precisei levantar bem cedo, para iniciar minha viagem ao Espírito Santo. Foram dois ônibus, até chegar a Cachoeiro do Itapemirirm. Chegando na Rodoviária, por volta das duas da tarde, já encontrei o Pastor Jorge Camargo a minha espera. Dali, fomos para sua casa, onde a irmã Sandra já nos esperava com a mesa pronta. Almoçamos juntos - uma comida bem caseirinha (bife acebolado, enfeitado por pequenas folhas de salsa, batatas douradas cortadas em cruz, feijão com arroz). Logo após o almoço, fui descansar um pouco.

Visita a IMW de Jerônimo Monteiro

As dezoito horas; saímos para Jerônimo Monteiro, cerca de trinta minutos de viagem. Mesmo sendo sexta-feira, encontramos a igreja tão alegre como da primeira vez - sempre chegando gente, até o início do culto. Pude, então, abraçar o Pastor Gerson e sua esposa irmã Creuza. O culto foi iniciado pelo Ministério de Louvor, que distribuiu algumas oportunidades. A irmã Alice, que é deficiente visual, entoou um belo hino - "remove a minha pedra, me chama pelo nome; muda minha história, ressuscita os meus sonhos" - que edificou a todos nós; tanto pela mensagem da letra e beleza da música (do Andersom Freire; consagrado compositor e membro da IMW de Cachoeiro do Itapemirim); como também pela doce interpretação da querida irmã Alice. O Pastor Jorge Camargo, antes de me passar a palavra, entoou dois de seus hinos, trazendo avivamento e alegria a todos nós.

Em seguida, preguei sobre o texto de Mateus 17.14-2i; chamando a atenção da igreja para as quatro constatações de Jesus - ao descer do Monte da Transfiguração: 1. Os problemas que uma família, as vezes, enfrenta - precisando de libertação. 2. A existência de uma geração incrédula e perversa - em meio a qual vivemos. 3. A ação de Satanás, transformando pessoas normais em lunáticas - enlouquecidas pela opressão. 4. A necessidade que temos, de fé e consagração - na luta contra os demônios e seus ardis. Ao final da mensagem, ungimos os líderes de ministério da igreja; estendendo a unção aos demais membros que também quiseram ser ungidos. Foi maravilhoso!

Após os cumprimentos de praxe; fomos convidados pela família pastoral, a lanchar em sua casa. Logo na chegada fiquei impressionado com a quantidade de gatinhos que a Priscila, filha do casal, cria em sua varanda; tratando com carinho os bichanos. Da varanda, fomos para a ampla cozinha onde o lanche foi servido. Gostei muito do sanduiche de creme de milho caseiro e do de pasta de atum. Havia também biscoitos, em forma de palito, mergulhados no creme de milho. Foi tudo muito bom mesmo! Não faltou nem uma deliciosa água de coco do quintal, colhido pelo Romário - namorado da Priscila. Saímos dali com vontade de ficar. Louvo a Deus por termos estado com esta abençoada família.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 15 de outubro de 2011

O dragão "cospe-fogo"

No mundo em que vivemos, existe um dragão voraz que não cessa de nos atacar. Ele tem grande mobilidade e também muitos agentes a seu serviço. Seu "modus operandi" pode tornar a vida de qualquer um em um verdadeiro inferno. Ele tanto é capaz de "cuspir fogo", como de "vomitar água" - utilizando até os elementos da natureza para tentar nos assustar. E ele tem a vantagem da invisibilidade!

A água por ele lançada - é a crescente perseguição que move contra aqueles que são do Senhor. E o fogo a que me refiro, está relacionado com o calor das paixões mundanas por ele provocado. É o fogo da tentação! Ele é tão ardente e envolvente, que é capaz de aprisionar o cristão mais puro. Na verdade, suas armas mais eficazes contra nós, podem ser resumidas em três: Sexo, dinheiro e poder. É assustador ver como muitos líderes de renome, tanto na esfera da política como da religião, tem sido seduzidos - até perderem completamente valores arduamente conquistados.

O fogo da tentação

"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca".
(Mateus 26:41)

Na esfera do sexo, ele pode transformar amor fraternal e despretensioso entre homem e mulher, em avassaladora paixão. Suas chamas alimentadas pela paixão carnal, são capazes de transformar em cinzas, lares estabelecidos e mantidos sob as promessas de Deus. Devido a isso, tornou-se algo comum em nossos dias; ver uma amizade inocente se transformar em relação extraconjugal. E, algumas delas, chegando ao perigoso limite da tragédia passional. Misericórdia, Senhor!

Na esfera financeira, este fogo pode provocar o "amor ao dinheiro"; sentimento que vai além do amor à Deus e ao próximo - mesmo que este próximo seja o próprio cônjuge; ou mesmo um filho saído de suas entranhas. E o amor saído deste fogo infernal, à medida em que cresce, vai se transformando em apego doentio - uma verdadeira obsessão - podendo transformar quem por ele dominado em uma besta destituída de qualquer sentimento de nobreza. Um louco assassino!

Já no âmbito do poder; o fogo da tentação tece uma rede em volta de suas vítimas. E esta rede possui cinco malhas interligadas: Primeiro, o poder DESLUMBRA; despertando crescente interesse. Depois PREMIA, concedendo sucesso. Em seguida EMBRIAGA, a ponto de levar o embriagado pelo poder a perder a noção de perda e de ridículo. Nesse estágio, ele ESCRAVIZA completamente sua vítima. Finalmente, após tirar de sua infeliz vítima tudo aquilo que a mesma tinha de bom - destruindo sua dignidade, honra e até família - ele a DESCARTA; amassando-a e jogando-a fora, como se fora um copinho descartável sem utilidade.

Um alerta para todos nós

"Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele".
(I João 2:15)

Creio não haver a menor dúvida quanto ao fato de que suas suas armas mais eficazes contra nós, são mesmo: Sexo, dinheiro e poder. E, ao ver como muitos líderes cristãos mudaram o seu comportamento, percebo que não são poucos os que tem sucumbido - esmagados por este "rolo compressor". Escândalos sexuais; nítida obsessão pelo poder; desejo insano por dinheiro... Vejo que estas coisas não vão ter um final feliz. Livrai-nos do mal, ó Deus!!!

Para concluir, deixo estes dois textos da Escrituras Sagradas

"Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dá hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; e não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém".
(Mateus 6.9-13)

"Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam. Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas".
(Mateus 6.19-23)

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Final da visita ao Distrito de Caxambu

Na manhã do domingo passado, o Pastor Natanael conduziu-me em seu carro, para S. Lourenço. No caminho, demos uma paradinha na Rodoviária de Caxambu, para comprar minha passagem para o Rio - em ônibus que iria sair a meia-noite. Após a compra da passagem, seguimos para S. Lourenço, a pouco mais de 25 km de distância.

Culto matutino na IMW de S. Lourenço

Chegamos na igreja de S. Lourenço, com o culto já iniciado. O Pastor Camilo estava à porta, a nossa espera. No púlpito já estavam, o Pastor Sabatini e o Pastor Lourenço (dirigente da congregação em Sengó). Com o andamento do culto, chegou também o Pastor Couto e sua esposa Monica (da IMW de Caxambu). Após um abençoado período de louvor; o Pastor Camilo fez minha apresentação - passando-me a palavra para a pregação.

Após o final do culto, fiquei conversando um pouco com o Pastor Lourenço e sua esposa Cecília. Depois, fomos dar uma olhada nas obras de ampliação das dependências da igreja. Algumas salas já estão na fase final de acabamento. Também estão fazendo uma nova cozinha e novos banheiros. Percebi muita dedicação e esmero em tudo o que ali está sendo feito.

Em seguida, fomos para a casa da irmã Áurea, mãe do Pastor Camilo, onde um delicioso almoço nos esperava (Arroz e feijão a moda mineira, frango assado, pernil ao molho e maionese). Foi muito bom termos estado mais uma vez naquela casa e ver a irmã Áurea juntamente com alguns de seus filhos e netos. Após a sobremesa e o café, conversamos um pouco com o Pastor Camilo e sua esposa Marilena (a filha mais nova deles está completando um ano - uma gracinha).

Dali, o Pastor Camilo levou-me para fazer uma visita ao Pastor Sabatini e a irmã Maria, em sua nova casa. Fomos para a sala e, enquanto conversávamos, ouvimos barulho no quintal; fomos até lá. Era um visitante intruso no galinheiro, agitando as galinhas: Um enorme lagarto tentava devorar alguns pintos; mas, foi posto pra correr por uma galinha choca enfurecida. Passado o susto, fomos lanchar na copa. (o lagarto não teve como devorar os pintainhos, mas nós conseguimos devorar um delicioso bolo com refrigerante que a irmã Maria nos ofereceu).

Culto na IMW de Baependi

Chegamos na igreja de Baependi um pouco antes do culto. O Pastor Natanael aproveitou para mostrar-me as instalações e falar sobre alguns projetos. O culto teve o seu início no horário previsto, com o Ministério de Louvor dando abertura ao mesmo. Achei interessante, que os irmãos envolvidos com a música e o louvor realizam uma reunião preliminar de edificação. Cheguei a pegar o finalzinho dela. Uma bênção!

Durante o culto, o Pastor Natanael distribuiu algumas oportunidades. Logo em seguida, deu-e a oportunidade para pregar a palavra de Deus. Percebi um clima de reverência e alegria. Sinto que Deus falou aos irmãos. Fizemos um convite para que viessem receber oração; e várias famílias se encaminharam ao altar. Convidei os pastores e presbíteros, a que me ajudassem na oração pelo povo. Creio que todos sentiram a unção de Deus derramada sobre nós.

Ao final, depois dos cumprimentos, fomos para a residência pastoral. Enquanto eu preparava minha mala, o entregador de pizza chegou. Enquanto comíamos uma saborosa pizza portuguesa, íamos conversando sobre a obra wesleyana no Distrito de Caxambu. É notório o mover de Deus neste Distrito, que está experimentando um bom nível de crescimento.

Após o lanche, o Pastor Natanael e a irmã Meire me conduziram para a Rodoviária; pois o ônibus sairia a meia-noite - faltando pouco mais de vinte minutos para a partida. Mas, conseguimos chegar em tempo! Na despedida, pensei nas alegrias que tenho tido com este Distrito - desde que assumimos a II Região, a três anos atrás. Louvo a Deus por tudo!

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Uma agradável viagem ao passado

Quem dentre nós não sente - ao menos de quando em vez - um forte desejo de encontrar o seu passado? E não estou me referindo a um mergulho nas águas turvas de uma história sombria. Também não tem nada a ver com algum tipo de lembrança dolorosa; produzida por fatos que nos tenham magoado - ou mesmo nos apequenado - em algum lugar do passado. Não é isso!

O que desejo aqui transmitir - é aquele sentimento de definição imprecisa; de que precisamos novamente contemplar, ainda que seja com os olhos da imaginação, "algo bom aconteceu lá atrás". E, na medida em que este sentimento evolui, sentimos o desejo de viajar - seja nas asas do vento, seja nas asas do tempo - indo ao encontro do nosso venturoso passado.

Encontro com o passado

E hoje encontrei o meu passado; ou, pelo menos, parte dele. É verdade! Isso aconteceu, em uma visita que fiz a um grande amigo de outrora. Na verdade - muito mais do que amigo - um verdadeiro pai espiritual. Estivemos - Celia e eu - no Bairro S. Francisco, em Niteroi; na casa de Custódio Miranda. Ele fez oitenta e um anos no dia 8 deste mês. Na ocasião, segundo o seu filho primogênito - Dr. Edison Miranda - manifestou o desejo de nos rever "antes de ser promovido à glória". E assim, viajamos com o firme propósito de ver o irmão e amigo Custódio!

Custódio me ajudou muito em minha juventude. Assim como eu - sempre foi apaixonado por pássaros. Este prazer nos aproximou e nos tornou amigos. E foi assim, que acabou me conduzindo a Cristo. São seus filhos: Edison Miranda (seu filho médico); Edilson Miranda (seu filho pastor); Edna; Edilma; Miriam e Rebeca. Destes seus queridos filhos, só não conheci a Rebeca, por ser filha do seu segundo casamento. A saudosa irmã Nair faleceu alguns anos depois da minha conversão; em um tempo que já não tinhamos mais contato, devido as minhas viagens missionárias - levando-me cada vez mais distante de muitos daqueles que amo.

Enquanto rebuscávamos em nossa memória, alguns recortes do passado; sua esposa Deiva, preparava um café de agradavel aroma - aquele tipo de café que costumo chamar de "café medroso", por vir sempre muito bem acompanhado e guarnecido. Conversamos muito - sobre muitas coisas. Em dado momento, dos bastidores da memória, tentei reproduzir algumas cena muito especiais.

Visita dos seminaristas empolgados

Lembramos juntos, do dia em que nós dois estávamos no telhado de sua casa (sempre em "interminável construção), em um domingo, colocando telhas no telhado novo. Em dado momento, entraram alguns cadetes do Exército de Salvação, muito animados e ruidosos, pelo corredor lateral esquerdo da casa. Sua alegria devia ter pelo menos um motivo: Eles estavam chegando para almoçar com a irmã Nair (mulher alguma conseguia transformar um guisado de carne moída com batata inglesa cortada em cruz, em uma iguaria tão deliciosa, como a irmã Nair era capaz de fazer... Que saudade!). Ali, naquele exato momento - sem que eu soubesse - foi definido o meu futuro!

No dia seguinte, 26 de outubro de 1964 - uma segunda-feira fria (lembro-me que estava vestido com uma japona de lã de, cor cinza xadrez); estes jovens seminaristas realizaram um culto na Igreja Congregacional; cujo templo fica quase em frente ao ponto das barcas, em Niterói. Acompanhei o casal Custódio e Nair até este culto especial promovido pelo Colégio de Cadetes do Exército de Salvação. E lá, após a mensagem, entreguei minha vida a Cristo (uma das poucas coisas que me lembro, daquele culto, é que a pregação foi feita por um jovem muito alto, conhecido como "Cadete Frechou" (não sei se é assim que se escreve); o qual também orou por mim, enquanto eu me ajoelhava no "banco dos penitentes".

O caso da mulher endemoninhada

Lembramos também, juntos, do dia em que expulsei o primeiro demônio. Eu tinha me convertido a poucos dias. Naqueles dias, os cultos do Exército de Salvação em Niterói eram realizados no terreiro dos pais do Custódio, com alguns bicos de luz, sob uma árvore ali plantada (o Corpo Salvacionista da Rua Visconde do Itaboraí estava em construção).

Lembro-me perfeitamente que a irmã Nair teve uma participação nesse culto. Em dado momento, uma mulher gritou, assustadoramente endemoninhada. Houve então um início de tumulto; pois, ninguém sabia exatamente o que fazer. Comecei então a sentir uma espécie de estremecimento nas pernas, como se algo ou alguém tentasse me levantar.

Logo em seguida, sem que eu pudesse me conter, levantei-me e me dirigi à mulher possessa, bradando: "espírito maligno, eu te ordeno que deixe este corpo". Ela estremeceu, demonstrando espanto mesclado de alegria! Estava finalmente livre, graças a Deus! Desde aquele dia, perdi a conta das inúmeras vezes em que expulsei demônios. Todavia, jamais me esqueci daquele primeiro caso - no terreiro dos pais do Custódio.

O tempo não para

Outras lembranças afloraram. todavia, o tempo que passamos juntos, já estava de bom tamanho (passamos cerca de duas horas conversando); especialmente, para quem teria que se submeter a uma hemodiálise no dia seguinte e para quem teria que viajar logo após este abençoado encontro. Todavia, não sem antes saborear o café da irmã Deiva, que revelou-se não apenas aromático; mas também delicioso!

Ao final, oramos e choramos juntos - de mãos dadas - em profunda comunhão com o Pai! É notório que Custódio vive um tempo de saúde debilitada. No entanto, continua sendo o mesmo Custódio de sempre - exibindo, do alto dos seus 81 anos de existência (ou será 82 ou mais? Não sei) o mesmo vigor espiritual de antigamente; e uma mente admiravelmente lúcida e interativa. Obrigado Senhor!

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Visita ao Distrito de Caxambu

Deus me deu a oportunidade de fazer mais uma visita ao Distrito de Caxambu, após a posse do Pastor Natanael João de Oliveira como Superintendente Distrital do mesmo (eu havia estado lá a alguns meses atrás; mas, em visita as igrejas de Alagoa e Itamonte). Agora, nosso itinerário incluía visita às igrejas de Caxambu, S. Lourenço e Baependi. Ainda desta vez - não pude contar com a companhia de Maria Celia, devido a uma cirurgia da qual está convalescendo.

Nossa chegada na casa do SD Pastor Natanael, em ônibus que liga Juiz de Fora a Baependi, se deu na hora do almoço. Tive três grandes alegrias na ocasião: Visitar pela primeira vez a casa do casal; saborear a deliciosa comida preparada pela irmã Meire, sua esposa (arroz e feijão acompanhado de uma carne assada feita com perfeição e salada especial). E também a alegria de conhecer a Joice, filha do casal, que estava retornando a Curitiba.

Reunião de Obreiros do Distrito

As 15 horas, foi realizada uma reunião de obreiros no templo de Baependi. Após a abertura feita pelo SD Pastor Natanael, ministrei uma palavra da parte do Senhor; e, em seguida, respondi a algumas perguntas e dei algumas instruções sobre o modo de preenchimento do cadastro de pastores no "wesleyanahost".

Foi bom rever ali os pastores: Natanael e João Santana - de Baependi; Couto - de Caxambu; Darci Sabatini e Camilo - de S. Lourenço; Odilon - de Cruzilha; Lourenço - de Sengó; Gilberto - de Itamonte; e Jair - de Alagoa. Estavam também presentes: o Aspirante Alexandre, alguns obreiros locais e algumas esposas de pastores.

Após o encerramento da reunião, foi-nos servido um lanche de confraternização. Enquanto lanchávamos, íamos conversando sobre os mais diversos assuntos. Um assunto em especial - foi a realização do nosso "mini-concílio; marcado para o início de dezembro, no Acampamento da MPC, em S. Sebastião das Águas Claras, próximo a Belo Horizonte.

Culto Distrital na IMW de Caxambu

Ao chegarmos em Caxambú, para o culto distrital, gostei muito do novo salão de cultos da igreja - bem no centro da cidade - em uma rua que fica defronte ao Parque das Águas. O culto foi iniciado pelo Pastor Couto. Além de quase todos os pastores do Distrito; estavam também presentes, irmãos da maioria das igrejas.

Durante o culto, tivemos a participação do Ministério de Louvor; conduzindo o povo em adoração ao Senhor. Em seguida, dois grupos de crianças de duas congregações da IMW de Caxambú participaram do culto, com duas belas coreografias. Houve também a participação especial dos jovens da igreja local - sob a direção da irmã Monica, esposa do Pastor Couto - que comoveu de modo especial a todos os que ali estavam. Logo após esta apresentação, foi-me dada a palavra para a pregação. Após a mesma, chamei os pastores para orarem comigo em favor do povo. Após o culto, a igreja local serviu a todos um delicioso "cachorro-quente".

Dali, fomos levados pela família pastoral até sua casa, em um bairro próximo. Então, a irmã Monica nos serviu um jantar muito especial (arroz, acompanhado de um galo ensopado, peixe frito e torresmo feito pelo Pastor Couto). Achei interessante, que a senhora dona do restaurante que fica em baixo do apartamento em que reside a família, mandou um rapaz levar fatias de um delicioso pernil assado.

Após o lauto jantar, retornamos a Baependi; pois, no dia seguinte, teríamos que continuar a missão. No próximo "giro" falaremos sobre a visita as igrejas de S. Lourenço e Baependi.

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Mundos paralelos

Vivemos a realidade de dois mundos paralelos. E esta é uma verdade bíblica de fácil comprovação. Um dos mundos deste paralelo é o mundo natural. O outro mundo é sobrenatural. Eles existem em simultâneo - porem, em dimensões distintas.

O mundo natural é este mundo em que nós vivemos

Nele, a relação com Deus é sempre conflituosa - marcada por constante incredulidade e incurável rebelião. As profecias bíblicas referentes a ele, são as mais sombrias. É um mundo no qual os santos necessitam esconder-se de quando em vez. E esta perseguição nada tem a ver algum tipo de mal que os filhos de Deus lhe façam. Ela tem tudo a ver com nossa posição em Deus. "Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo." (João 17:14).

Ao olhar este mundo natural, sob a ótica das Escrituras, fica em mim a impressão de que o propósito de Deus não é a sua restauração; e sim, retirar dele todo aquele que foi "comprado por bom preço". Examinando algumas ocasiões, em que Deus precisou agir em defesa dos Seus eleitos, percebemos que Suas medidas foram de proteção aos seus e de juízo a este mundo tenebroso. "Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre" (I João 2:16-17).

A Palavra de Deus registra duas ocasiões distintas, em que Deus sentenciou este mundo e toda aquela geração contaminada por ele. Uma delas, confirmada pelo próprio Jesus, foi no período conhecido como "dias de Noé". Nele, a humanidade vivia sua rotina de sempre - comprando e vendendo; matando e morrendo; satisfazendo os seus mais ardentes desejos - até o dia em Deus resolveu lavar este mundo sujo. E usou o maior dilúvio de que se tem notícia na história da humanidade. "Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem" (Mateus 24:38-39).

A outra ocasião, também confirmada por Jesus, que podemos identificar como a "maldição de Sodoma e Gomorra" - foi também marcada por severo juízo divino. Assim como nos dias de Noé, estas duas cidades viviam uma rotina fatal. Sua atividade aparentemente normal durante o dia, encobria o terrível estado de trevas e maldade extrema que se instalava ao cair da noite. E Deus, em resposta a sua impiedade, despejou fogo e enxofre sobre elas; consumindo estas cidades e seus habitantes. "Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos" (Lucas 17:29). "E condenou à destruição as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza, e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente" (II Pedro 2:6). "Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno" (Judas 1:7).

O mundo sobrenatural - tão real quanto este mundo físico

Pois é... As gerações que ocupavam este mundo natural - tanto nos dias de Noé como nos dias de Sodoma - não tinham a menor ideia quanto a existência de um mundo paralelo tão próximo. Um mundo de unção e poder! Mundo glorioso, no qual Deus governa de direito e de fato. Nesse mundo, os elementos da natureza podem ser direcionados ou contidos. É o mundo sobrenatural, no qual a glória de Deus dispensa iluminação artificial. Nele, as trevas não tem a menor chance de acobertar algo impuro; pois a santidade de Deus se manifesta em toda a sua extensão.

Neste mundo paralelo, existente na dimensão de Deus, os santos de Deus serão benditos e aclamados - com a mesma intensidade com que são hoje perseguidos e martirizados no mundo natural. Nele, as palavras e ações são pautadas no "sagrado"; e convergem para o altar de Deus - lugar onde anjos e homens se misturam; curvando-se em plena submissão perante o Rei dos reis e Senhor dos senhores - dando sempre glória e louvor ao Deus eterno.

Ao longo da história humana, todos aqueles que conhecem as Escrituras sagradas sabem que é no mundo sobrenatural que se decide o destino deste mundo natural envolto em trevas e horror.

Devemos aprender com as lições do passado

E, em minha condição de servo de Deus, trago comigo a firme convicção de que os dias sombrios em que vivemos nesta geração, sinaliza para dias de dor e angustia. É que, neste mundo natural em decadência, recrudesce a opressão e a maldade de uma geração corrompida e perversa - em condições bem piores e mais degradantes do que as duas gerações aqui citadas: Tanto a de Noé como a de Sodoma. E a sentença deste mundo natural é agravada pelo fato de que Deus não o tem deixado sem testemunho.

A bíblia ensina claramente que Cristo morreu por nós, para que nele tenhamos vida. A Palavra de Deus proclama, que o pecador perdido pode ser salvo "Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido" (Lucas 19:10). Deste modo, qualquer tentativa do homem - de procurar salvar-se a si mesmo; ou, de procurar um salvador alternativo - afigura-se como ato de insanidade. E digo isso, porque o próprio apóstolo Pedro assim se pronunciou: "E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos" (Atos 4:12).

Tenho percebido que em nenhum momento da história humana, os homens tiveram acesso ao conhecimento de Deus, como tem tido em nossos dias. E, mesmo com toda esta manifestação do amor e da graça de Deus, a decadência moral e espiritual tem envolvido e dominado governos, instituições, famílias e pessoas neste mundo natural; no qual, leis injustas protegem e promovem práticas condenadas pela Palavra de Deus. Todavia, a sentença já está decretada: "E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim" (Mateus 24:14)

Deus preparou um caminho para aqueles que querem escapar

Antes de encerrar esta parte, preciso dizer que posso até concordar com a afirmação de muitos - de que somos a geração do avivamento. Todavia, estou plenamente convencido de que somos também a geração do fim! Creio que, a semelhança de Noé e Ló, Deus já providenciou um caminho para os que desejam ser salvos. Um caminho que é vivo: "Pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne" (Hebreus 10:20); e que tem uma identidade: "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim" (João 14:6). Este Caminho liga temporariamente - em mão única e até que o último salvo atravesse - estes dois mundos paralelos. Um deles, prestes a ser consumido pelo juízo de Deus. O outro, ao qual os filhos de Deus se dirigem, prosseguindo em sua glória e existência eterna.

"Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia" (João 15:19). "Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele" (I João 2:15).

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

In memorian

Ainda com referência ao funeral do saudoso Pastor Gervaldo Gomes Rebouças: Como não tive condições de continuar até o final, para o sepultamento; encarreguei ao Pastor Valdívio - SD do Distrito de Governador Valadares, ao qual a IMW do Bairro de Lurdes está ligada - que me representasse na ocasião.

E não posso deixar de registrar nesta postagem, uma importante informação recebida do próprio Pastor Valdívio: A simpatia e respeito de que o Pastor Gervaldo gozava - mesmo fora do contexto wesleyano - foi tremendamente sentida durante o cortejo do seu féretro rumo ao cemitério. Mais de mil pessoas manifestaram sua derradeira homenagem, carregada de pesar, nos momentos que antecederam o funeral.

Não há como negar que o Pastor Gervaldo era um líder evangélico muito amado e influente em Governador Valadares - a ponto de receber honras raramente concedidas a um pastor evangélico: Um carro do Corpo de Bombeiros, seguido de muitos carros, conduziu o seu corpo por diversas ruas da cidade; em clara demonstração à população desta importante cidade do "Vale do Rio Doce"; do quanto ele era amado - tanto por Deus como pelos homens.

"E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem" (Apocalipse 14:13).

In memorian;
Bispo Calegari

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Inauguração da IMW de Colatina

Saindo de Valadares, após o almoço com o Pastor Valdívio, viajamos para Colatina. Fui abençoado com a disposição do Presbítero Elias Leal (da IMW Central de Valadares); que me levou em seu carro - de Valadares a Colatina - em um percurso de aproximadamente três horas de viagem. Mesmo nos perdendo na chegada a Colatina (a cidade cresceu muito nos últimos anos), chegamos a tempo de participar do culto de inauguração do salão da igreja wesleyana - no Bairro Colúmbia.

A IMW de Colatina é uma igreja que já nasceu de bom tamanho, para a glória de Deus! Fiquei impressionado com o "Ministério Kadosh de Louvor e Adoração"; o qual deu início ao culto, com um maravilhoso período de louvor sob a direção do Pastor Jeferson - líder do "Kadosh" - que aderiu à IMW. Em seguida, foi dada a palavra ao Pastor Hermes - responsável pela instalação da IMW em Colatina. Houve também a participação do Ministério de Louvor da igreja do Maracanã ("igreja mãe" da IMW de Colatina), pastoreada pelo Pastor Hermes. Os três SD da "Grande Vitória" fizeram uso da palavra; edificando a multidão que transbordava o salão de culto. O Pastor Geraldo Lucio fez também a minha apresentação, passando-me a palavra para a mensagem de Deus.

Após a mensagem, foi apresentado um histórico do trabalho pelo Pastor Hermes, auxiliado pelo Pastor Marcus Ely - SD do Distrito de Guarapari, ao qual a igreja de Colatina ficará ligada. Após o relatório, foi feita uma declaração de dedicação do lugar à obra do Senhor - seguida de uma oração de dedicação (não foi feita a consagração do lugar, por ser um salão alugado).

Foi então empossado o pastor da nova igreja: Pastor Celso Fabiano da Silva Faria, acompanhado de sua esposa, irmã Renata (seu filho Lucas permaneceu em Uberlândia, devido ao ano letivo). O casal se ajoelhou no altar e recebeu a imposição de mãos do CMR, representado pelo Bispo e pelos três Superintendentes Distritais.

Como último ato profético da noite, foi passada a palavra ao Pastor Celso; o qual se dirigiu aos irmãos, dizendo da sua alegria em ter sido transferido de Uberlândia para Colatina. Sua esposa Renata também fez uso da palavra, falando sobre uma revelação que Deus lhe dera a alguns anos, sobre esta nova missão. Concluído o culto, coube a mim a impetração da Bênção Apostólica.

Os três Distritos da Grande Vitória (Vitória, Vila Velha e Guarapari), se fizeram representar por alguns pastores e obreiros:

1. Distrito de Vila Velha: SD Pr Geraldo lucio (IMW Central de vila velha) e Pb Mario Ferrari; Pr Abdruchim Shaeffer (IMW de Boa vista), sua esposa Maruzia e sua filha Larissa; Pr Sidenilson Pereira (IMW de Colorado), sua esposa Marcia Suzuki e sua filha, bem como o Pb Gilson, Dc Fátima, seu filho Eliseu e esposa; Pr Wesley Oliveira Souza (IMW cidade da Barra) sua esposa Margarete; Pr Anacleto Ítalo Regiani (IMW do Aribiri) e seu filho Fabricio.

2. Distrito de Vitoria: SD Pr Jorge Perim (IMW de S. André) e sua esposa Eunice; Pr Pedro Feliciano; Pr Luis Carlos da Silva (IMW de Barcelona); Nery Gonçalves da Silva; e os Aspirantes, Zeferino e Jairo Dias Júnior.

3. Distrito de Guarapari: SD Pr Marcus Ely (IMW de Guarapari) e sua esposa Mel; Pr Alvino Pereira (IMW do Oriente) e sua esposa Elida, juntamente com seu filho Beusley (diretor regional de adolescentes); Pr Moacir da Silva Lima Filho (IMW de Piuma); Pr Hermes de Oliveira Souza (IMW de Maracanã) e sua esposa Giovanna.

Além dos obreiros mencionados, vários irmãos das igrejas da "Grande Vitória" compareceram ao evento - tanto em carros próprios, como em um onibus da igreja de Maracanã e uma van da igreja de Guarapari.

Ao final, houve uma animada confraternização entre todos os irmãos. Enquanto isso, uma equipe da IMW de Colatina oferecia um lanche completo (frutas, sucos, "cachorro quente", refrigerantes, etc). Louvo a Deus pelo eficiente trabalho da liderança da "Grande Vitória"; bem como a atuação do Pastor Geraldo Lucio, como Coordenador de Crescimento para o Estado do Espírito Santo. Graças a esta interação dos Distritos, tem se tornado possível o avanço da obra wesleyana no norte do Espírito Santo.

Ao final, saímos em viagem de retorno a Governador Valadares - gratos a Deus por tudo o que fizera em nosso meio. Glória a Ele por tudo!

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

O vale escuro

Salmo de Davi

"1 O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. 2 Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas. 3 Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome. 4 Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam. 5 Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda. 6 Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do SENHOR por longos dias" (Salmo 23)

Era uma vez... Um vale muito escuro

Este vale era tão escuro, que chegava até mesmo a assustar os mais intrépidos e corajosos guerreiros. Segundo as histórias escritas acerca desse vale sombrio - não foram poucos os que perderam sua pureza e saúde, ao passarem pelo mesmo. Alguns chegaram a pagar com a própria vida, ao resolverem transitar descuidadamente e por sua própria conta - por este perigoso vale.

No entanto, a muito tempo atrás, um jovem humilde e idealista, acabou sendo "empurrado" para este vale escuro; devido ao ciume e inveja de quem não se alegrava nem um pouquinho com o seu talento e simplicidade. É que circulava uma profecia. E nela constava que Deus levantaria um novo rei, que governaria com justiça e paz aquele pobre povo. Mas aquele jovem, alheio a tudo isso, ocupava o seu tempo entre o cuidado de um pequeno rebanho de ovelhas de seu pai e a missão de compor e cantar. É verdade! Ele era dotado de rara habilidade para compor belos e eternos poemas e dedilhar sua harpa, tirando dela o mavioso som produzido por seu dom divino. Segundo narrativas feitas a seu respeito; até mesmo as criaturas malignas - habitantes do vale escuro - temiam e se aplacavam, quando ele tangia sua harpa e cantava os seus suaves salmos.

E assim, perseguido pela inveja de quem não lhe queria bem - empurrado em direção ao vale escuro - foi obrigado a enveredar por suas trilhas sombrias. Ele não diz isso claramente... Todavia, ao examinarmos o "diário de sua vida", somos levados a crer que ele atravessou todo esse vale assustador, movido tão somente por sua fé no Deus de seus pais. E, nesta perigosa travessia; teve o cuidado de usar como referência, a poesia e o som dos mais belos salmos que conduziam os seus passos pelo vale da sombra da morte.

E assim, ele - mesmo ferido e quase destruído - conseguiu sobreviver e reencontrar o caminho do seu destino em Deus. Tornou-se um grande guerreiro e um monarca justo e piedoso, que procurou sempre o bem do povo por ele governado. Durante o seu reinado, tornou aquela terra tão prospera; que causava inveja até mesmo em nações longínquas. E, ao mesmo tempo, tão temida por seus adversários, que ninguém ousava intentar contra ela. Finalmente, ao terminar os seus longos dias, cercado do respeito e do amor de seus súditos; deixou ao seu sucessor uma herança de valor incalculável.

E assim termina esta história. O vale escuro não conseguiu destruir sua vida; nem impedir sua missão. E as profecias a seu respeito? Todas se cumpriram! O seu nome ainda se propaga por aquelas terras - registrado na história de sua nação - como um dos mais brilhantes governantes que este mundo já conheceu. E tudo isso, tão somente porque crera no Deus de seus pais e a Ele se apegara com amor e paixão.

É sabido por muitos, que este vale escuro ainda está por aí - assustando os viajantes sem rumo e, também, aqueles peregrinos com destino certo. As feras e seres da noite que nele se encontram, continuam a ameaçar e assustar - tanto os que são para este vale empurrados, como também os que resolvem nele perambular por vontade própria. Todavia... Aqueles que neste vale se encontram, só poderão sobreviver se forem guardados pelo Deus deste glorioso rei.

Ao resolver escrever esta história verdadeira, me recordei que fui obrigado a percorrer este vale algumas vezes - desde os meus dias de jovem pastor. Me lembro então de um cântico que tem tudo a ver com ela! Um cântico que cantei muitas vezes - a frente da pequena igreja sob meus cuidados pastorais, no tempo da minha juventude. Medite em sua letra:

"Pelo vale escuro, seguirei Jesus.
Mas por ti seguro, vendo a tua luz;
O meu passo incerto tu dirigirás.
Ao sentir-te perto, nunca perco a paz!

Breve a noite desce, noite de Emaús;
E meu ser carece de te ver Jesus.
Companheiro amigo, ao meu lado vem.
Fica ó Deus comigo - infinito bem!

Os espinhos tantos que me vem sangrar;
São remédio santo para me curar.
Onde existe a graça do bondoso Deus,
Tudo o que se passa me conduz ao céu!

Não há dor que seja sem divino fim.
Faze, ó Deus, que a Igreja compreenda assim;
Que, apesar das trevas, possa ver Senhor;
Que tu mesmo a levas, com imenso amor"!

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Conhecendo melhor

Nesta manhã, como de costume prostrei-me aos pés do Senhor; para busca-lo em oração. E, como sempre acontece quando oro - iniciei a prece, declarando a minha maior necessidade; que é de estar sempre em Sua bendita presença. E ali, como de costume, não pude conter as lágrimas (não sei se choro assim; porque sou um "chorão" inveterado; ou, se por sensibilidade a Sua Presença; ou, se por ambas as coisas).

Enquanto me rendia diante do Pai; comecei a pensar em sua grandeza. Tenho aprendido que é impossível pensar na grandeza de Deus; sem, ao mesmo tempo, pensar em nossa pequenez... E isso aconteceu mais uma vez: Lá estava eu - declarando o meu deslumbramento com Sua magnitude; e, ao mesmo tempo, suspirando o meu lamento devido a minha insignificância.

Nesse momento se me apresentaram dois quadros abstratos

No primeiro quadro: Me dei conta de que Deus é de tal modo imenso; que ninguém, seja qual for sua condição, conseguirá ver os Seus extremos - se é que estes extremos existem. É isso mesmo! Sua grandeza jamais poderá ser plenamente conhecida. Portanto, se pretendemos ter uma visão de Deus, precisamos olhar para a Sua essência; não para Suas extremidades.

Já no segundo quadro: Olhei para mim mesmo! E o que vi... Nada. Isso mesmo! Minha pequenez também é imensurável - assim como a grandeza de Deus - mas devido a sua insignificância. Portanto; se quero ver-me a mim mesmo - como sou de verdade - preciso tentar vislumbrar minha essência. Pois, de outro modo, jamais entenderei quem realmente sou. Assim como Deus - que somente pode ser notado pelo perfume que exala e pelas obras que realiza - também eu me torno conhecido pelo cheiro que transpiro e pelas obras que realizo.

Enfim... Deus é tão grande, que não pode ser visto em Sua plenitude. E nós - tão pequenos, que não podemos ser vistos em nossa pequenez (daí o engano que muitos cometem ao se medirem - atribuindo a si valores que jamais possuíram; pensando de si mesmos algo que nunca foram). Portanto, assim como as extremidades de Deus não podem ser vistas, devido a sua amplitude - de igual modo as nossas extremidades; todavia, devido a sua pequenez.

E quero concluir, declarando que: Se queremos ter uma visão clara de Deus - precisamos simplesmente contemplar Suas obras e aspirar o Seu perfume. Assim como, para termos uma visão clara de nós mesmos - precisamos analisar corretamente as obras que produzimos e o odor de nossa transpiração. Aí, então, poderemos finalmente chegar a um conhecimento relativo - tanto de nós mesmos, como do Deus a Quem julgamos servir.

Para concluir - posso declarar em alto em bom som, que: Qualquer pessoa só conseguirá conhecer melhor a si mesma, na medida em que conhecer melhor a Deus. E quanto mais entender a grandeza de Deus, mas entenderá sua pequenez. Quanto mais entender o quanto Ele é magnificente; mais humilde se tornará em seu modo de ser e de se apresentar - tanto para com Deus, como para com o seu próximo.

Jó humilha-se perante Deus e dá-lhe glória (Jó 42.1-6)

"ENTÃO respondeu Jó ao SENHOR, dizendo: Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido. Quem é este, que sem conhecimento encobre o conselho? Por isso relatei o que não entendia; coisas que para mim eram inescrutáveis, e que eu não entendia. Escuta-me, pois, e eu falarei; eu te perguntarei, e tu me ensinarás. Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos. Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza"

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Visita a IMW do Bairro de Lurdes

Na manhã de sábado, comecei a me preparar para viajar para Colatina. Minha mala, como sempre, já está pronta; preparada que foi por minha dedicada e amorosa esposa. A passagem de ônibus para Governador Valadares também já está comprada. É só aguardar o momento de sair para a Rodoviária de BH. Lamento muito que Celia não possa ir comigo desta vez.

Chegando, em Valadares, após conversar um pouco e comer alguma coisa com o Pastor Valdívio, recolhi-me ao descanso; pois, o domingo prometia intensa movimentação. É que já na manhã de domingo, estaríamos juntos na EBD da IMW do Bairro de Lurdes; igreja pela qual o Pastor Valdívio vem respondendo - na qualidade de SD do Distrito de Governador Valadares - desde o falecimento do saudoso Pastor Gervaldo Gomes Rebouças.

E assim, no dia seguinte, o Pastor Valdívio foi buscar-me no hotel em que eu estava hospedado - para levar-me ao culto matutino na IMW do Bairro de Lurdes. Em lá Chegando, enquanto ele procurava um lugar para estacionar o carro, comecei a me deleitar com os belos hinos entoados pelo ministério de louvor. Realmente, o clima espiritual sinalizava para um culto de muita unção.

Após a apresentação feita - seguida de uma ligeira introdução; abri a Palavra de Deus e preguei sobre o "Sermão da Montanha" (capítulos 5 a 7 do evangelho de Mateus). Passo garantir que Deus derramou uma unção muito especial sobre todos nós. Ao final, fomos todos para o salão social do templo - para um delicioso café da manhã - em ambiente de comunhão e edificação.

Após o "café", tivemos uma reunião com algumas irmãs da liderança desta igreja; saindo logo em seguida. Pois, precisava tomar um banho e almoçar com o Pastor Valdívio (como já antes afirmei, este domingo promete intensa movimentação). E por volta das 14 horas, o Presbítero Elias Leal me levaria, em seu carro, para Colatina - cerca de três horas de viagem - visita sobre a qual falaremos no próximo "Giro".

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 2 de outubro de 2011

Dia do Senhor

Cântico dos degraus, de Davi

"1 ALEGREI-ME quando me disseram: Vamos à casa do SENHOR. 2 Os nossos pés estão dentro das tuas portas, ó Jerusalém.3 Jerusalém está edificada como uma cidade que é compacta. 4 Onde sobem as tribos, as tribos do SENHOR, até ao testemunho de Israel, para darem graças ao nome do SENHOR. 5 Pois ali estão os tronos do juízo, os tronos da casa de Davi. 6 Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam. 7 Haja paz dentro de teus muros, e prosperidade dentro dos teus palácios. 8 Por causa dos meus irmãos e amigos, direi: Paz esteja em ti. 9 Por causa da casa do SENHOR nosso Deus, buscarei o teu bem". (SALMO 122)

Sempre entendi que o domingo é um dia especial! Não por sua localização no calendário; nem por ser o mais importante um feriado em todo o mundo. E sim, por ser o primeiro dia de uma nova semana; a qual é sempre aguardada com expectativa e alguma ansiedade. Vejo na manhã de domingo, uma rica oportunidade para nos curvarmos perante o Deus eterno; agradecendo a Ele pela semana que se findou. Ufa... Chegamos até aqui. Ebenezer!

Só para termos uma ideia da importância do " primeiro dia da semana", e da ida a "casa do Senhor", estou enumerando alguns textos do Novo Testamento que - certamente - hão de tirar qualquer dúvida porventura existente em relação ao que estou aqui declarando:

1. Discípulos foram buscar o Senhor no primeiro dia: "E, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro, de manhã cedo, ao nascer do sol" (Marcos 16:2).

2. Discípulos participaram da "Ceia do Senhor" no primeiro dia: "E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e prolongou a prática até à meia-noite" (Atos 20:7).

3. Discípulos entregaram suas ofertas no primeiro dia: "No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade, para que não se façam as coletas quando eu chegar" (I Coríntios 16 : 2).

Portanto, tenho certeza de que não existirá programa melhor para um domingo como este, do que buscar a Deus em Sua casa. Realmente, uma reunião com nossos irmãos - em pleno domingo - na igreja que habitualmente frequentamos; será sempre a melhor das terapias para uma vida realizada e abençoada. Ao me dirigir aos frequentadores e seguidores do meu blog; afirmo que sereis plenamente abençoados, "Vós que assistis na casa do SENHOR, nos átrios da casa do nosso Deus" (Salmos 135:2).

E, para concluir, afirmo também que o culto dominical é a manifestação cristã evangélica mais próxima do sentimento contido no Salmo 122. Nele, o salmista Davi demonstra toda a intensidade de sua sede de Deus - relacionando-a com o estar em Sua casa, para contemplar a Sua formosura: "Uma coisa pedi ao SENHOR, e a buscarei: que possa morar na casa do SENHOR todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do SENHOR, e inquirir no seu templo." (Salmos 27:4).

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 1 de outubro de 2011

Sinfonia do amor de Deus

De quando em vez, mesmo sem premeditar, sou levado a ver minha vida - não como ela é na superfície - mas; como a figura exemplar de alguma coisa comum e bem conhecida. E, assim, ela as vezes se apresenta como "vida-estrada"; ou, "vida-carruagem". E, até mesmo, como "vida-barquinho" (tenho especial predileção pelo meu "barquinho").

Neste exato momento, estou pensando em minha vida como uma pauta. Isso mesmo! Uma pauta musical - daquelas que se vem em cadernos de rascunho - para exercício de teoria e solfejo. Pauta sobre a qual as notas de uma melodia são impressas. E o que acho sobremodo interessante; é que jamais a tinha visto deste modo.

Mas... Continuando: Tenho plena consciência de que não sou o criador desta pauta. Ou, de que tenha tido parte em sua criação. Entretanto, sei muito bem que serei sempre o único responsável pelas notas musicais nela produzidas. E, deste modo, aquilo que dela se ver ou se ouvir - seja a marcha fúnebre; ou, a marcha nupcial - será algo de minha inteira responsabilidade. É verdade! A melodia brotada desta pauta será fruto do meu viver e agir. Serei, mesmo que não admita, o compositor responsável pelos sons, nela, produzidos - sejam eles, música de vida ou música de morte.

E assim - inteiramente convencido desta realidade - vou procurar ser o mais dedicado compositor; escrevendo apenas as partituras musicais nascidas da inspiração que vem do Deus que me deu vida. Portanto, nesta missão, farei com que somente lágrimas e sorrisos nascidos de minha comunhão com Deus, possam compor na pauta da minha existência. E farei isso porque, segundo o meu juízo, somente neste nível de sensibilidade, ela conseguirá traduzir corretamente o sentimento de Deus em relação ao meu próximo.

E assim caminhando nesta vida, vou rabiscando em minha "pauta"; as notas de uma sinfonia segundo Deus. É verdade... Vou compondo pelo mundo afora! Plenamente convencido de que, somente agindo assim, ela conseguirá conduzir os que me rodeiam em cânticos de adoração e louvor ao Criador. Música e mensagem se mesclando neste santo objetivo!

E, então, cada dia será de puro deleite e deslumbramento! É a pura verdade! Em meu coração missionário, irei sentir o quanto meus cânticos de alegria hão de contribuir para confortar e alegrar aqueles que há muito deixaram de sorrir e de viver em Deus. Sim! É isto mesmo que sou: uma pauta musical de louvor e adoração ao Deus eterno!

Cordialmente;
Bispo Calegari