quinta-feira, 9 de junho de 2011

Dons e Ministérios - força da igreja local (parte I)

"Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos". (I Coríntios 12.4-6)

Vamos utilizar este texto, para embasar e nortear este estudo. Ele está em linha com o tema proposto para ser ministrado na Atualização Teológica. Para um melhor entendimento, nesta primeira parte do mesmo, procuraremos dizer algo sobre a igreja.

Igreja - coluna e baluarte da verdade

"Para que, no caso de eu tardar, saibas como se deve proceder na casa de Deus, a qual é a igreja do Deus vivo, coluna e esteio da verdade" (1 Timóteo 3.15).

Sabemos que a igreja vive e se move neste mundo de contradições. Ela se situa em um espaço ocupado por pessoas infelizes e necessitadas de ajuda. O nosso mundo encontra-se mergulhado em um ambiente de dor e aflição - ao qual a igreja é enviada. E é em sua zona de influência que está a sua missão mais urgente e desafiadora.

Entretanto, sabemos que a igreja é governada por homens como nós. E como os mesmos são sujeitos às mesmas paixões que nós, ela acaba por se tornar vulnerável as influências que o mundo à sua volta procura impor sobre seus líderes. E o modo como os mesmos reagem a estas influências, leva a igreja a alternar momentos de exagerada autoestima, com momentos de abatimento e fragilidade.

Em assim sendo, ela impressiona quando se apresenta em seu "momento fama" - cheia de força aparente. É quando ela se move entre os grandes deste mundo, atraindo a si os holofotes; adornada e embelezada com suas vestes resplandecentes e sua maquiagem excessiva. Mas também podemos encontrá-la vivendo o seu "momento impopularidade"; demonstrando aparente fraqueza - sem brilho e beleza aparente, parecendo estar ferida e cansada.

Na verdade, este pode não ser o quadro de "uma igreja em duas fases". Mas sim, o quadro de "duas igrejas em uma fase"! Não sei se me faço entender. Vamos procurar ver a situação do seguinte modo: É como se a "igreja ferida e cansada" estivesse atuando em meio à multidão dos aflitos e sem esperança. Daqueles que são espoliados e manipulados pelos poderes deste mundo - com a cumplicidade da "Igreja maquiada e embelezada". Enfim... A impressão que tenho é que podemos estar vivendo o "momento Laodicéia e Filadélfia", sem darmos conta disso.

Vejamos o que diz a Escritura tem a dizer sobre isso

"Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: Conheço as tuas obras (eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, que ninguém pode fechar), que tens pouca força, entretanto guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome. Eis que farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não o são, mas mentem, eis que farei que venham, e adorem prostrados aos teus pés, e saibam que eu te amo. Porquanto guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para pôr à prova os que habitam sobre a terra. Venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, da parte do meu Deus, e também o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas" (Apocalipse 3.7-13).

"Ao anjo da igreja em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; oxalá foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és quente nem frio, vomitar-te-ei da minha boca. Porquanto dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um coitado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; aconselho-te que de mim compres ouro refinado no fogo, para que te enriqueças; e vestes brancas, para que te vistas, e não seja manifesta a vergonha da tua nudez; e colírio, a fim de ungires os teus olhos, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo: sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Ao que vencer, eu lhe concederei que se assente comigo no meu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas" (Apocalipse 3.14-22).

Na segunda parte deste estudo, continuaremos dando sequência a este tão importante assunto. Até lá então!

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário