terça-feira, 10 de maio de 2011

Visita a lugares de Portugal (Porto)

Uma experiência que trouxe grande alegria para Celia e eu - foi abraçar diversos irmãos ciganos que se converteram durante a nossa primeira missão em Portugal. Ainda está viva em nossa lembrança a entrada de três ciganos muito especiais para nós, em um domingo do final de 1981 ou 1982 (já não me lembro muito bem).

Eu estava de malas prontas para viajar ao Brasil, onde participaria de um concílio. Aquele era o domingo de despedida, pois viajaria no dia seguinte (Maria Celia e as crianças ficariam). Percebi que entraram no antigo salão de cultos - na Rua do Carmo - três pessoas um tanto diferentes: Eram três ciganos; dois rapazes muito barbudos e com cabelos grandes, de chapéus e roupas pretas; uma moça também de preto, com um xale preto cobrindo inteiramente sua cabeça. Como eu não estava habituado a uma cena assim, fiquei um tanto admirado e curioso. Eles sentaram-se discretamente ao fundo e ficaram atentos a tudo o que se passava. Preguei naquela noite uma mensagem, como geralmente fazia; exortando o povo a uma vida com Deus. Cheguei a dizer: "Estou viajando amanhã para o Brasil; se o avião cair... Eu vou subir". Foi um maravilhoso culto! Ao apelo, os três jovens se converteram ao Senhor. Chamavam-se: Antonio, Romeu e Lurdes - três ciganos que haviam perdido sua irmã mais nova em acidente de carro, por aqueles dias.

A partir deste episódio, batizamos muitos ciganos em Portugal (não tenho um número preciso - talvez uns duzentos). A comunidade cigana na IMW portuguesa cresceu muito. Em meu espírito, eu sempre soube que eles precisariam formar uma comunidade autônoma, mesmo que se mantivessem ligados à IMW, devido aos seus costumes e cultura. Eles são um povo especial. Precisavam conservar seus costumes, para que pudessem se voltar para uma obra missionária entre o seu povo. Caso houvesse ruptura em seus padrões culturais, corriam o risco de afastar do Caminho do Senhor todos os ciganos que poderiam ser salvos mediante o seu testemunho.

E hoje - mesmo tendo diversos wesleyanos ciganos em Portugal - temos duas abençoadas igrejas ciganas neste País: A "Igreja Cristo Para Todos" e a "Igreja Evangélica Vida Nova". Ambas as igrejas estão reunindo inúmeros ciganos em todo Portugal. Preguei em ambas, nas quais fui recebido com grande honra. Louvo a Deus pelos laços espirituais e históricos que nos unem. Como sou grato a Deus por tudo isso... Aleluia!

E agora - depois de ficarmos treze anos sem aqui por os pés - retornamos a Portugal. O Pastor Antonio Rodrigues, Presidente da "Igreja de Vida Nova", nos convidou para que pregássemos em uma de suas igrejas - a "Vida Nova" de Areosa, no Porto. Nosso ponto-de-encontro foi no salão da "Vida Nova" de Aveiro. Ali ficamos conhecendo o Pastor Giovanni, genro do Pastor Romeu, que pastoreia a igreja em Aveiro. Pudemos rever a Severina, o Kiko, e outros que conhecêramos ainda meninos. Abraçamos a irmã Catarina. Saímos dali em caravana formada por alguns carros. Nós seguimos no carro do Pastor César - este companheiro que tem nos dado assistência durante os dias em que temos estado aqui. No caminho encontramos o Pastor Marcelino, que conheci ainda muito jovem - um homem de Deus.

Chegamos na igreja; a qual já estava repleta de irmãos ciganos. Um ambiente muito animado e ruidoso. Percebia-se a presença de Deus no lugar. O culto foi dinâmico - haviam vários obreiros ciganos, inclusive o Pastor de Areosa e Vila Nova de Gaia (lamentavelmente, não consegui gravar os seus nomes). Foi muito bom abraçar a irmã Salete, esposa do Pastor Antonio; abracei também o Pastor Romeu e a irmã Lurdes - aqueles sobre quem falei acima, quando da sua chegada à igreja pela primeira vez. O Ministério de Louvor conduziu a igreja em adoração, havendo grande quebrantamento e alegria, com seus hinos em ritmo flamenco, bem à moda cigana. Preguei com muita liberdade no espírito. Foi uma noite inesquecivel, aleluia!

Por tudo o que temos visto Deus fazer entre os ciganos portugueses, rendemos muitas glórias ao Senhor! Que suas vidas continuem sendo este referencial tão importante, apontando para o Deus que pretende reunir à Sua volta filhos de todas as tribos, povos e línguas - dentre os quais os ciganos estão incluídos.

Cordialmente;
Bispo Calegari

Um comentário:

  1. bispo calegari.
    eu sou o jovem cigano barbudo e vestido de preto.
    foi bom relembrar o meu encontro com senhor jesus através do seu testemunho.
    um abraço de todos os cigano que foram salvos por seu intermédio.
    com muito carinho receba um grande abraço.
    pastor António.

    ResponderExcluir