domingo, 27 de março de 2011

Definindo Ansiedade

"Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças; e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus de paz será convosco" (Filipenses 4.6-9).

Ao longo dos anos de ministério, tenho me debruçado sobre o tema "ansiedade". Mas antes de falar sobre isso, preciso testemunhar sobre os efeitos que a ansiedade causou em minha própria vida:

Por diversos anos me deixei levar pela ansiedade - em situações difíceis que exigiam uma decisão da minha parte. Na tentativa de lidar com provas e desafios, percebi que este sentimento me dominava; e em nada contribuía para facilitar uma decisão baseada na Palavra de Deus. Foram momentos difíceis - isso posso afirmar, com toda a certeza!

Em ocasiões assim, fui me convencendo que o sentimento de ansiedade conspirava e trabalhava contra mim. A pressão exercida por ele tumultuava o meu raciocínio, dificultando as medidas da razão. E mesmo o meu espírito sentia enorme dificuldade em entregar tudo nas mão do Senhor e descansar, confiando plenamente em suas promessas. Concluí então, que a ansiedade era uma espécie de "quinta coluna" em minha vida, me fazendo sofrer além da medida e antes da hora. Ou eu acabava com ela; ou ela acabava comigo. Resolvi então tomar medidas!

Agora, sim! Posso revelar a conclusão a que cheguei; quanto ao sentimento de ansiedade. E esta conclusão nada tem a ver com razão ou emoção. Como declarei acima, passei um bom tempo investigando o tema - à luz das escrituras; e esta pesquisa não se deu em momentos de pressão, quando o nosso discernimento fica frágil. Procurei me aprofundar no assunto; e cheguei as seguintes conclusões:

A ansiedade é um assunto relevante na bíblia

Embora o assunto não apareça muitas vezes nas Escrituras; no entanto - quando aparece - sua abordagem tem tudo a ver com insegurança e falta de confiança no cuidado de Deus. Enfim, falta de fé nas promessas de Deus. Tanto no Antigo como no Novo Testamento, vemos referências sobre a ansiedade. Geralmente, sua conotação tem a ver com atitude negativa; mesmo quando se relaciona com a busca e a necessidade de um encontro com Deus (nesses raros casos - Salmos 63.1 e Oseias 5.15 - a ideia transmitida tem mais a ver com impossibilidade e insegurança do que com confiança e fé).

A ansiedade produz um estado de abatimento

Ela se apresenta como uma espécie de voz, apontando tragédias insuperáveis - mas sem indicar uma saída ou possível solução para o problema que nos aflige. A pressão por ela provocada, coloca em desordem o nosso senso de equilíbrio, afetando profundamente o nosso discernimento. E este quadro de abatimento, que pode conduzir a depressão, somente começará a ser modificado com uma boa palavra. Esta é a receita das Escrituras: "A ansiedade no coração do homem o abate; mas uma boa palavra o alegra" (Provérbios 12.25).

A ansiedade nos impede de ver o bem

Quando uma vida é dominada por ansiedade - seja esta relacionada a qualquer coisa, mesmo trivial - esta vida perde completamente a visão dos valores de que dispõe. Seus olhos não conseguem ver o cuidado de Deus; não consegue se dar conta das manifestações de carinho que lhe são dirigidas. Enfim, uma vida ansiosa se desconecta com a realidade favorável; e só consegue focalizar a razão do seu desespero.

Ao abordar o estado de ansiedade das pessoas, Jesus faz a seguinte advertência: "Por isso vos digo: Não estejais ansiosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer, ou pelo que haveis de beber; nem, quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário? Ora, qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado à sua estatura? E pelo que haveis de vestir, por que andais ansiosos? Olhai para os lírios do campo, como crescem; não trabalham nem fiam; contudo vos digo que nem mesmo Salomão em toda a sua glória se vestiu como um deles" (Mateus 6.25, 27-29). Este texto demonstra claramente que Jesus trata a ansiedade como algo errado e nocivo.

A ansiedade nada mais é do que falta de fé nas promessas de Deus

Todos os que já foram dominados pelo sentimento de ansiedade, devem ter constatado que este sentimento não nos deixa ver as promessas de Deus. E na continuação do texto de Mateus 6, citado acima, Jesus declara: "Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós, homens de pouca fé? Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que havemos de comer? ou: Que havemos de beber? ou: Com que nos havemos de vestir? (Pois a todas estas coisas os gentios procuram.) Porque vosso Pai celestial sabe que precisais de tudo isso" (Mateus 6.30-32).

Se, em meio as provações, o nosso espírito se fixar nas promessas de Deus; teremos então o antídoto contra a ansiedade. O texto de Provérbios 12.25 - citado acima, declara que uma boa palavra alegra um coração abatido pela ansiedade. E esta "boa palavra" é a Palavra de Deus; na qual devemos fixar os nossos olhos, para nos contrapormos aos sentimento de ansiedade. Mesmo que nossa alma se deixe dominar pela ansiedade; devemos nutrir o nosso espírito com a Palavra de Deus; pois ela é a única palavra que deve ser ouvida em tempos de aflição.

A ansiedade é pecado

Se analisarmos a doutrina do pecado, em seu sentido genérico, vamos concluir que pecado é tudo aquilo que se contrapõe ao propósito de Deus para as nossas vidas - sejam pensamentos, palavras ou obras. E a ansiedade é uma contra-posição ao melhor de Deus para as nossas vidas! À medida que ela nos aproxima dos nossos medos e inseguranças; ela também nos afasta de Deus e de Suas promessas.

Já examinamos o que disse Jesus, quando a falta de fé demonstrada pela ansiedade. E a bíblia nos diz que "... tudo o que não provém da fé é pecado" (Romanos 14.23). Enquanto a ansiedade aponta o problema, baseada nas emoções; a fé aponta a solução, baseada nas promessas de Deus. A fé vai contra a ansiedade, porque - enquanto a ansiedade se fixa nas coisas visíveis - a fé se fixa no invisível, se firmando nas promessas de Deus. Enquanto que - para a ansiedade - a única coisa que conta é o sofrimento imediato; para a fé, a única coisa a ser considerada e a Palavra de Deus.

O remédio para a ansiedade é a oração e súplica com ações de graças

Paz e ansiedade são dois sentimentos antagônicos. Eles jamais estarão juntos em um mesmo espaço: Ou um ou o outro irá permanecer. E o texto de Filipenses, que encabeça este artigo, revela duas coisas sobremodo importantes: A primeira, é que a ansiedade e seus derivados nos impede de desfrutar da paz de Deus em toda a sua extensão. A segunda, é que a oração e súplica com ações de graças pode trazer a paz de Deus - única proteção, em Cristo Jesus, para o nosso coração e o nosso sentimento. Leia novamente: "Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças; e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus" (Filipenses 4.6-7).

A fé na Palavra de Deus nos liberta da ansiedade

A Palavra de Deus põe em destaque a fé de Abraão, "O qual, em esperança, creu contra a esperança, para que se tornasse pai de muitas nações, conforme o que lhe fora dito: Assim será a tua descendência; e sem se enfraquecer na fé, considerou o seu próprio corpo já amortecido (pois tinha quase cem anos), e o amortecimento do ventre de Sara; contudo, à vista da promessa de Deus, não vacilou por incredulidade, antes foi fortalecido na fé, dando glória a Deus, e estando certíssimo de que o que Deus tinha prometido, também era poderoso para o fazer" (Romanos 4.18-21).

Este texto revela o poder da fé, se contrapondo à ansiedade, usando como exemplo a vida de Abraão - o "pai da fé". Ele não tinha evidência física alguma, quanto a possibilidade de vir a ser pai em idade tão avançada. A única coisa que Abraão possuía, era a promessa de Deus em seu favor. E sua decisão foi de firmar-se sobre a Palavra, não levando em consideração os impedimentos (corpo envelhecido; esterilidade de Sara, etc.). Ele descartou a incredulidade - que é a maior aliada da ansiedade - pois o único sentimento que ele considerava, era a certeza que Deus cumpriria Suas promessas! E ponto final.

E nada melhor para concluir esta reflexão, do que trazer a Palavra de Deus na "pena" do grande apóstolo Pedro: "Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós" (1 Pedro 5.7).

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário