terça-feira, 30 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

Esta é a última visita agendada para o ano de 2010. Neste "giro" ao Distrito de Muriaé, estou visitando duas igrejas que já estavam agendadas em ocasião anterior; tendo sido prejudicada a visita, face ao Concílio Geral Extraordinário. Portanto, pude fechar a agenda regional de visitas, retornando ao "miolo" da zona da mata.

IMW de Piraúba

A cidade de Piraúba é uma pequena cidade, com cerca de quinze mil habitantes (incluindo a sede do município e sua zona rural). A IMW já está naquela cidade a muitos anos, tendo inclusive sido uma igreja próspera no passado. Os muitos problemas pelos quais passou (um e outro pastorado desastrado), que não vale a pena referir aqui, transformaram-na em um pequeno trabalho. A muitos anos, funciona como congregação da igreja de Astolfo Dutra.

Mas esta realidade mudou, após a chegada do Aspirante José Márcio, enviado pelo Pastor Antonio Dantas à Piraúba. Sua missão era transformar esta congregação em igreja -recuperando, deste modo, o brilho do passado. E, de fato, isto está acontecendo, para a glória de Deus. A "igreja em organização" de Piraúba, é uma igreja com membresia predominantemente jovem. Tem presença constante no monte da oração, com resultados sempre crescentes. Seus membros se constituem em um povo ungido e participativo.

Ao chegarmos na cidade - Célia e eu - fomos recebidos pelo Aspirante José Márcio, o qual nos conduziu a sua casa, onde ficaríamos hospedados. Sua esposa Glauciane e seus filhos: Jônathan, um adolescente que trabalha em montagem de móveis; e Rebeca, um amor de menina, que a todos encanta com seu desenvolvimento fantástico (ela tem apenas dois anos, e vocês nem imaginam o quanto é desenvolvida). Descansamos um pouco naquela casa abençoada. Em seguida Glauciane nos preparou um delicioso lanche, antes de nos prepararmos para o culto.

Ao chegar para o culto, fiquei impressionado com o número de jovens e adolescentes - todos ganhos no ministério deste abençoado casal de obreiros. Diversos casais estão sendo alcançados; e também fazem parte da família wesleyana em Piraúba. O culto, muito animado e ungido, foi iniciado pelo Ministério de Louvor, sob a direção de Glauciane. Percebia-se desde o início que se tratava de uma igreja bem avivada - pentecostal mesmo! Maria Célia teve uma participação marcante, sob a unção do Espírito Santo. Em seguida, preguei a Palavra de Deus a um auditório atento e participativo. Ao final, oramos pelos membros e visitantes. Notei, lá na porta, o Aspirante Edmar. Ele chegou atrasado devido as fortes chuvas que estão caindo por aqui, alagando muitas cidades (mas conseguiu chegar para o amém).

Após o culto, foi muito difícil sair da igreja. Todos se cumprimentando. Ninguém com pressa em ir embora. Finalmente, fomos para a casa da família pastoral. O Aspirante José Márcio já tinha encomendado duas pizzas de frango com catupiry (o pizzaiolo do lugar é muito competente). Ficamos comendo e conversando, até bater o cansaço. Então, fomos dormir (é que no dia seguinte teríamos que rumar para Astolfo Dutra, para nosso último "giro" (um almoço nos esperava, em casa do Pastor Dantas, preparado pela irmã Cleuza).

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

A história dentro da história - parte II

Nesta "postagem", estamos dando um desfecho a mensagem que postamos no dia 27 deste, intitulada: "A história dentro da História". Naquela palavra pastoral, discorri sobre as implicações do contexto profético, concernentes a promessas feitas a Abraão. Nesta segunda parte, pretendo chegar a história dentro desta história. Enfim, o que se passava nos bastidores de uma vida infeliz, carente do amor de Deus, em busca de uma chance na vida.

A mulher siro-fenícia e seus problemas

Seu lar transformara-se em uma sucursal do inferno. Sua filha, miseravelmente endemoninhanda, era portadora do caos! Um instrumento de Satanás - uma espécie de "agente infiltrado"; usado para desestabilizar toda aquela família. Não havia sossego - nem para os que viviam naquela casa, nem para os que residiam nas imediações. Para agravar o drama daquela pobre mulher, nenhum daqueles que ela conhecia estava apto para auxiliá-la em sua luta (se estivessem, já o teriam feito).

Sua filha - objeto de sua dor

A jovem não tem seu perfil conhecido. De boa ou de má aparência? Saudável ou enferma, sob o ponto de vista físico? Mesmo que seu perfil fosse claramente definido; qualquer traço de beleza ou de saúde que nela tivesse havido, seu estado de possessão permanente já havia destroçado seus dotes. Talvez, sua mãe fosse ainda a única pessoa neste mundo a se importar com ela; a lhe dar as atenções de que necessitava, mesmo sem receber nada em troca; ou melhor: recebendo o tratamento violento e imprevisível que uma pessoa endemoninhada sempre aplica aos que a amam.

Enfim, uma oportunidade imperdível

Jesus passava por ali! E quando Jesus passa, tudo pode mudar para melhor. No dizer de um corinho antigo: "Quando Ele passa, tudo se transforma: a tristeza vai; a alegria vem". Aquela mulher podia não conhecer este corinho; mas, certamente que sabia da importância daquele momento em sua vida. Não havia tempo a perder! "Então ele lhe disse: Por essa palavra, vai; o demônio já saiu de tua filha" (Marcos 7.29). A palavra da mulher foi decisiva para a libertação de sua filha! É triste saber que as palavras de alguns pais acabam por aprofundar ainda mais o agir de Satanás na vida de seus filhos. Graças a Deus, aquela mulher soube proferir as palavras certas.

E a moça, como ficou?

Certamente, a mulher retornou para sua casa cheia de confiança. Seu coração, impactado pela presença de Jesus, palpitava de emoção. Ela sabia do que Jesus era capaz! Se pretendêssemos escrever um livro, contando a história desta família e da obra de Deus realizada naquela casa; o relato seria assim:

A mulher chega em casa e percebe mudanças na entrada. No quintal, repara no varal de roupas. O olhar da mãe esperançosa percebe roupas de sua filha - calcinhas, blusas, etc. Sim, a filha que, antes, vivia suja e maltrapilha. Tudo devidamente limpo; pendurado sob o calor do sol. A casa, enfim, com janelas abertas! arejada, perfumada; cada coisa em seu devido lugar - tudo devidamente organizado. De repente, os ouvidos atentos da mãe extasiada ouvem uma doce voz: "Mãezinha, você já chegou? Notei a casa muito suja e desarrumada; fiz uma faxina. Aproveitei para lavar roupas sujas. Espero estar do teu agrado. Ah, preparei também a refeição - você vai gostar". A mãe, transbordante de alegria e gratidão, exalta a Deus pelo milagre operado.

E a historia que transpira desta história, está apenas começando. Quando Jesus liberta alguém, esta liberdade é verdadeira e transformadora. Aconteceu com a filha daquela mulher suplicante; pode acontecer com você também. Pois, "Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (João 8.36).

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 28 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW II de Muriaé (Safira)

Minha visita a Muriaé, estava agendada em consonância com o aniversário da igreja de Safira. Minha viagem a Muriaé, se iniciou na cidade de S. José do Calçado. Demorou cerca de duas horas. Ao chegar, me dirigi para a igreja central de Muriaé, que tinha acabado de realizar a sua assembleia de final de ano. Encontrei, próximo ao templo, o Pastor João Carlos - pastor da IV IMW de Muriaé, também conhecida como igreja do Dornelas, por estar situada no bairro com este nome. Ele levou-me ao encontro do Pastor Adriano - pastor da II IMW de Muriaé, também conhecida como igreja de Safira, que me fez este convite.

Dali, seguimos para almoçar em casa da irmã Clarice, que é uma líder influente naquela igreja. Fiquei comovido com o carinho demonstrado a todos nós, por parte desta querida irmã. Durante o almoço, foi-nos servido canelone; cubinhos de franco ao molho branco; empadão de creme de frango; lombo assado; e um conjunto de sobremesa irresistível (compotas variadas) - uma delícia! Ah, pude também estar com o Pastor Gessy dos Santos e sua esposa Joana, que estavam hospedados em casa desta irmã; tendo pregado na noite anterior. Ele foi pastor por alguns anos na igreja de Safira. Já jubilados, são ainda lembrados ali, como referência de fidelidade e ministério honrado.

Após o almoço, fui repousar um pouco em casa da família pastoral. A nova casa em que residem é bem mais funcional do que o apartamento em que residiam. Lamentavelmente, não pude participar do batismo promovido pela igreja, durante a tarde, pois encontrava-me exausto devido às sucessivas viagens. Além disso, precisava preparar-me um pouco melhor para o culto da noite.

Ao chegar ao templo da igreja, notei de imediato o novo momento pelo qual esta igreja vem passando. Um clima de otimismo e alegria dominava todos os presentes. Realmente, o Pastor Adriano e a Missionária Tânia vem fazendo um brilhante ministério à frente da igreja. As vezes, me ponho a pensar: "Porque alguns obreiros encontram tanta dificuldade em cuidar do rebanho do Senhor, quando a obra de Deus é tão simples". Minha conclusão é que o fator de complicação que dificulta tudo, na grande maioria das vezes, está no modo desastrado como alguns exercitam seu ministério. Se alguns obreiros deixassem de cuidar da igreja "à sua maneira"; e passassem a cuidar da igreja segundo o a direção de Deus, tudo seria bem diferente. Todavia, isso exige uma boa dose de humildade e recomeço; e nem todos estão dispostos a se submeter a esse processo. Que pena!

Mas, como eu ia dizendo, o culto foi marcado por muita unção. O Ministério de Louvor foi de uma felicidade impressionante, no modo como conduziu o louvor a Deus. O Presbitério esteve próximo, atento ao mover de Deus na igreja. O povo chegando e lotando o templo. Grupos se apresentaram, trazendo grande alegria a todos os presentes. O corpo diaconal bem atuante, fazendo muito bem o seu trabalho. Preguei, impregnado pela unção que transpirava no local. Antes do encerramento, auxiliei o Pastor Adriano na apresentação de duas lindas crianças. A igreja pode participar da Ceia do Senhor, antes da bênção apostólica. Não houve quem não saísse edificado.

Após o culto, fomos jantar em casa da irmã Clarice (bênção em dose dupla). Tive o prazer de conhecer seu esposo - o senhor Antonio, que nos recebeu e atendeu com a maior das simpatias. Passamos um bom momento juntos, antes de nos retirarmos; é que o Pastor Gessy e a irmã Joana teriam que viajar para o Rio a meia-noite. E eu teria que descansar, pois, teria que viajar bem cedo de regresso ao meu "lar doce lar".

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 27 de novembro de 2010

A história dentro da história - parte I

"E eis que uma mulher cananéia, provinda daquelas cercania, clamava, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim, que minha filha está horrivelmente endemoninhada. Contudo ele não lhe respondeu palavra. Chegando-se, pois, a ele os seus discípulos, rogavam-lhe, dizendo: Despede-a, porque vem clamando atrás de nós. Respondeu-lhes ele: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Então veio ela e, adorando-o, disse: Senhor, socorre-me. 26 Ele, porém, respondeu: Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. Ao que ela disse: Sim, Senhor, mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos. Então respondeu Jesus, e disse-lhe: ó mulher, grande é a tua fé! Seja-te feito como queres. E desde aquela hora sua filha ficou sã" (Mateus 15.22-28).

Esta tão importante história da mulher cananéia, registrada neste texto, inclui uma outra história em seu bojo. O texto em pauta nos passa a impressão que Jesus foi insensível ao clamor daquela pobre mulher. Mas isso é só na observação superficial; pois, para termos um entendimento correto do episódio, precisamos conhecer o contexto da lei e das promessas que circundam esta interessante história. E isso só é possível, mediante uma análise do quadro profético que foca a vinda do Senhor Jesus ao mundo.

Só para entendermos melhor

Desde a aliança feita por Deus com Abraão, havia uma promessa antiga que garantia a vinda de um Redentor para os filhos deste último. Como a promessa se referia aos "filhos de Abraão" em um contexto restrito (os filhos de Israel); aquela mulher, sendo uma siro-fenícia, não estava abrangida pela mesma - assim como os gentios que viviam em seu tempo. Esta é uma das razões pelas quais Jesus, sempre que enviava seus discípulos, orientava a não entrarem em aldeias de samaritanos, como nos mostra o texto a seguir: "A estes doze enviou Jesus, e ordenou-lhes, dizendo: Não ireis aos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos" (Mateus 10.5).

A universalidade da promessa dependia de um ato

A este ato, podemos chamar de Rejeição! No evangelho de João, este assunto está parcialmente claro: "Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus" (João 1.11-12). O texto, mesmo não sendo claro, nos leva a deduzir que "os Seus" tem a ver com o fato de Israel. Mas a confirmação definitiva deste ponto de vista fica exposta em Romanos 11.25-26: "Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado; e assim todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador, e desviará de Jacó as impiedades". Vemos aqui, que, o endurecimento de Israel estendeu o benefício da redenção a toda a criatura.

Como se consumou esta rejeição

A Palavra de Deus nos indica que esta rejeição provavelmente se iniciou no momento em que os judeus escolheram a Barrabás e rejeitaram a Jesus: "O governador, pois, perguntou-lhes: Qual dos dois quereis que eu vos solte? E disseram: Barrabás. Tornou-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, que se chama Cristo? Disseram todos: Seja crucificado" (Mateus 27.21-22). Mas sua consumação se deu quando ele foi crucificado e morto: "Então Jesus, depois de ter tomado o vinagre, disse: está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito" (João 19.30).

Concluindo

Esta é a razão pela qual Jesus não atendeu de imediato a mulher cananéia. Os discípulos sentiram-se constrangidos com o clamor da mulher; chegando a pedir a Jesus que a despedisse de vez. Todavia, ao longo do texto, ele faz três declarações concernentes àquela mulher:

1) Na primeira declaração, "Respondeu-lhes ele: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel" Mateus 15.25). Com estas palavras, procura fazer ver aos Seus discípulos a prioridade de sua missão.

2) Na segunda declaração, "Ele, porém, respondeu: Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos (Mateus 15.26). E agora, dirigindo-se à própria mulher, reafirma o alvo de sua missão.

3) Na terceira declaração, ele responde a uma declaração da infeliz mulher - declaração esta, que mudou o todo o rumo de sua história: "Então respondeu Jesus, e disse-lhe: ó mulher, grande é a tua fé! Seja-te feito como queres. E desde aquela hora sua filha ficou sã" (Mateus 15.28).

Verdadeiramente, o modo como aquela mulher lhe respondeu abriu-lhe por antecipação a porta da graça. O caso dela não foi único (o centurião da história do servo enfermo é outro deles). Mas foi a mais dramático. E isso nos inspira a falar um pouco mais sobre "a história contida nesta história". E faremos isso na próxima postagem.

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de S. José do Calçado

Retornando de Rondônia na sexta-feira, fui recebido no aeroporto de Vitória, pelo Pastor Jorge Perim, já passava das 23 horas. A viagem foi demorada, devido a conexão em Brasília que demorou cerca de quatro horas (deu tempo até mesmo para um longo "bate-papo" com o Pastor Hilmar, que esteve conversando comigo, enquanto eu aguardava a continuação do voo). Do aeroporto, fomos nos acomodar na casa do Pastor Perim; o qual, com a gentileza que lhe é peculiar, reservou um "quarto do profeta"; creio que bem mais confortável do que o de Eliseu - o corajoso profeta que deu origem a esta simpática expressão.

Após tomar um café com o Pastor Perim e cumprimentar o Pastor Gedson (ambos estavam de saída para o "Salém", para uma reunião distrital); saí ainda cedo, para a cidade de Cachoeiro do Itapemirim. É que o Pastor Jorge Camargo, SD de Cachoeiro, me esperava; para irmos juntos - cada um em seu carro - até S. José do Calçado. Mesmo nos perdendo um do outro na cidade de Alegre (dizem que quem se perde em Alegre, fica alegre); terminamos por chegar quase juntos, para o almoço de confraternização na casa do Pastor Júlio Cesar (a "muqueca capixaba" preparada pela irmã Maria, sobre a qual falei em "post" anterior).

A movimentação para o trabalho wesleyano em Bom Jesus do Norte foi intensa! A igreja de S. José do Calçado iria pré-inaugurar o templo próprio de sua congregação nesta importante cidade do sul do Espírito Santo; que faz divisa com a cidade de nome bem parecido - Bom Jesus do Itabapoana; ambas separadas entre si pelo Rio Itabapoana, que divide os Estados - do Espírito Santo e do Rio de Janeiro.

Segundo dados históricos (dos quais sou testemunha), o trabalho wesleyano foi iniciado nestas duas cidades pelo Missionário Pedro Alves; tendo iniciado em Bom Jesus do Norte. Posteriormente, devido a dificuldades na época, a sede do trabalho foi transferida para a cidade de Bom Jesus do Itabapoana (onde a I Região possui uma abençoada igreja, pastoreada pelo SD do Distrito de Campos - Pastor Joaquim).

Todavia, com a divisão das regiões, a responsabilidade pela congregação de Bom Jesus do Norte, ficou com a IMW de S., José do Calçado. O trabalho vinha sendo mantido a vários anos, em condições precárias. No gestão do Pastor Rogério Quaresma, a sede adquiriu um terreno para a construção de um templo. Ultimamente, sob o comando do Pastor Júlio Cesar, foi iniciada a construção do templo; o qual chega a esta fase de pré-inauguração, com uma estrutura admirável. O Presbítero Hely, nomeado para dirigir a congregação, vem fazendo um ótimo trabalho à frente da mesma.

Falemos um pouco do tão esperado culto de pre-inauguração! Caravanas das igrejas do Distrito de Cachoeiro do Itapemirim, lotaram o templo, congestionando, inclusive, o trânsito no local. Estiveram presentes quase todos os pastores do Distrito, liderando grupos de irmãos em ônibus, van, automóveis - uma multidão!

O Ministério de Louvor da igreja sede deu início ao trabalho. O grupo "Exalta a Deus", da IMW Central de Cachoeiro do Itapemirim abrilhantou a programação; e também o grupo de louvor da igreja de Guaçuí (parece ser discípulo do "Exalta a Deus", por tocarem em ritmo parecido). Outros grupos de louvor se apresentaram, trazendo muita alegria a todos os participantes. Devido ao horário avançado, usei de bom senso, ministrando em apenas alguns minutos, pois já passava das 22 horas. Foram feitas algumas homenagens a diversas pessoas que colaboraram com o projeto de construção. Todavia, comoveu-me muito a menção do Presbítero João Batista - advogado - um incansável lutador em prol daquele trabalho.

Após o culto, fiquei hospedado na casa da família pastoral - Pastor Júlio Cesar, irmã Marinete e seus filhos. Os Pastores Edson e Rafael (este com seu filho) também se hospedaram lá. Antes de descansarmos, tivemos a satisfação de saborear o que sobrou da "muqueca capixaba" (um prazer em dose dupla). Vejo o trabalho em Bom Jesus do Norte, como um trabalho de grande futuro, para a glória de Deus.

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Sobre o XV Concílio Regional da II Região

Achamos por bem divulgar neste "post", algumas informações concernentes ao próximo Concílio Regional. Mesmo tendo havido constante contato da Sede Administrativa com a "família wesleyana" da II Região, continuo sendo cobrado quanto a algumas informações complementares - inclusive, através do mural deste blog. Portanto, seguem algumas informações que julgo estar de acordo com a expectativa de todos.

Quanto ao Local

O Centro de Convenções João Wesley, em Xerém, é um espaço dedicado a grandes eventos da Igreja Metodista Wesleyana. Embora seja utilizado apenas pela I Região (e, a partir de agora, também pela VI Região); ou para os grandes eventos gerais (Concílio Geral, etc). Todavia, isso não significa que não possa ser utilizado por outra Região, ou mesmo outra Denominação, caso haja interesse da parte interessada e disponibilidade de data. E a II Região contratou este local, porque o mesmo reúne três elementos essenciais: espaço, conforto e preço. Além disso, suas condições de acesso facilitam a delegação regional (bem melhor do que em Brasília, que era nossa primeira opção).

Quanto a Programação

A programação terá seu início em um culto solene de abertura, no dia 15 - quarta-feira, as 19:30. No entanto, as sessões plenárias serão iniciadas as 09:00 do dia seguinte; e seu encerramento está previsto para o dia 18 - sábado, com o culto solene de encerramento. Constará da programação deste culto: consagrações; ordenações; nomeações; e outros atos litúrgicos e proféticos afins. Entretanto, nossa permanência no Centro de Convenções se estenderá até o dia 19; tanto para o Conselho Ministerial Regional e para o Conselho Regional, que se reunirão em simultâneo, como para delegados que desejarem pernoitar - todos com direito ao café e almoço de domingo.

Coisas a levar

Cada delegado deve levar consigo: Roupas apropriadas para cama e banho; sua bíblia, para as devocionais; seu "Estatuto e Regimento Interno", caso o tenha; seu espírito humilde e contrito, para agir sempre segundo o testemunho cristão; seu coração comprometido com adoração e louvor, para que Deus receba um culto suave e agradável; e uma boa dose de bom senso; tanto para se conter em suas emoções, como para agir racionalmente, de modo a não ofender e entristecer, nem ao Senhor, nem aos demais participantes.

Lembrete Importante

E cada um deve lembrar-se sempre: Estaremos ali, não para agradar a nós mesmos ou procurar impor a nossa própria vontade; e sim, para procurar o bem do povo de Deus. Devemos ter sempre em mente que cada igreja da II Região carece de um pastor que a ame e se entregue por ela - seja ela pequena ou grande. É importante frisar que a nomeação de um obreiro pode não corresponder ao seu ideal; mas, a vida é sempre assim: Nunca temos tudo o que queremos! Todavia, se formos fiéis a Deus e dedicados ao rebanho a nós confiado, haveremos de "florescer no lugar em que formos plantados". E, agindo assim, a nossa igreja para o ano 2011 se tornará em um "jardim de Deus", mediante o exercício de um ministério de edificação e de comprometimento com a vontade soberana de Deus.

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Reunião de Obreiros do Distrito de Cachoeiro do Itapemirim

Neste sábado tive a oportunidade de participar de mais uma reunião distrital. Desta vez foi com os pastores e obreiros do Distrito de Cachoeiro do Itapemirim. Antes da reunião, fomos servidos com um delicioso almoço no terraço da residência pastoral. O Pastor Júlio César e sua esposa Marinete nos abençoaram com uma "muqueca capixaba" feita com requinte (a irmã Maria, que preparou a muqueca, é uma cozinheira conceituada na cidade).

A reunião foi realizada no templo da IMW de S. José do Calçado. Esta igreja tem vivido momentos de grande alegria e desenvolvimento, sob a liderança do Pastor Júlio. Após abertura feita pelo SD - Pastor Jorge Camargo, ministrei uma palavra aos obreiros, conclamando ao pleno cumprimento do ministério pastoral - um ministério que deve ser dedicado ao bem da comunidade; e não apenas para ser aplicado entre "as quatro paredes do templo". Deixei bem claro que o pastor deve "fazer as coisas acontecerem"; e não ficar assentado em seu gabinete, de olho em seu computador, "esperando as coisas acontecerem".

Respondi também a algumas questões quanto ao XV Concílio Regional, que se dará em Xerém, com abertura no dia 15 a noite e encerramento previsto para o dia 19 na parte da manhã. O SD trouxe uma avaliação preliminar, quanto ao desempenho das igrejas do Distrito. Segundo os números apresentados, pude verificar cem por cento de aprovação na pontualidade e na fidelidade quanto ao cumprimento das obrigações regionais, por parte das igrejas e pastores do Distrito. Deu também para perceber que a IMW no sul do Espírito Santo teve um avanço considerável no biênio.

Ao final da reunião, a liderança da igreja de S. José do Calçado serviu-nos um delicioso lanche; e a maioria dos pastores e obreiros permaneceu, para o culto de pré-inauguração do templo da congregação desta igreja em Bom Jesus do Norte - embrião de uma nova IMW no sul do Estado.

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 21 de novembro de 2010

Mais um Grande Evento Regional

Congresso Regional de Juventude

O Congresso Regional da Juventude Wesleyana da II Região tem um lugar definitivo entre os grandes eventos já promovidos pela II Região. E isso se deve não somente ao fato de que foi um dos mais concorridos (cerca de mil congressistas); mas, sobretudo, por ter sido um dos mais completos eventos (uma apoteose de abertura, das melhores que tenho visto, marcada por originalidade em quase tudo).

Analisando friamente o andamento do Congresso, a impressão que me fica; é que os responsáveis do evento - Pastor Geraldo Lúcio (Secretário Geral e Regional de Educação Cristã) e Vinicius Reggiani (Diretor Regional de Jovens), procuraram pensar em todos os detalhes; montando uma equipe de coordenadores de grande eficiência. Dentre os líderes das diversas equipes, estavam alguns pastores de ambos os distritos da "Grande Vitória", sempre auxiliados por suas respectivas esposas e por vários membros das diversas igrejas que compõem estes distritos. Eles mantinham comunicação constante entre si (com diversos inter-comunicadores de rádio frequência).

No quesito "acomodações", o SESC de Praia Formosa, em Aracruz - ES ofereceu aos congressistas Instalações da melhor qualidade, justificando regiamente o preço das inscrições que, afinal de contas, foram bem baratas. O serviço de alimentação manteve um cardápio sempre variado; com pratos à base de peixe e de carne; variedade de salada; comida sempre farta e saborosa. Ao longo dos dias, não ouvi uma queixa sequer quanto a alimentação.

Outro fator de grande significado, foi a presença de vários pastores e alguns SD; e isso a pouco mais de um mês do XV Concílio Regional. A maioria dos distritos enviou boa representação (alguns mandaram caravanas muito bem articuladas). A maior caravana foi a do Distrito de Vila Velha; repetindo, deste modo, o feito do congresso anterior. Neste quesito, a nota a se lamentar, foi o fato de algumas igrejas de SD não terem mandado sequer um representante. Confesso que não entendi a razão da omissão. Ainda bem que foram bem poucos.

Como acontece em todos os Congressos Regionais, tivemos algumas participações especiais! Elas enriqueceram em muito o XIV Congresso Regional de Jovens. A participação do Pastor e Cantor Elizeu Gomes, encerrou com "chave de ouro" o evento; tendo sido o pregador do culto de encerramento. O Pastor e Cantor Marcos Salles (ex-componente da Banda 4 por 1) foi de uma eficiência admirável; deixando-se usar pelo Senhor em ambas as participações que teve. O cantor Jonas Maciel edificou a todos, com sua voz inconfundível e mensagem vibrante. Tivemos também o Ministério "Hadash" de Louvor e Adoração, do Distrito de Brasília, que envolveu o auditório em seu momento de participação. Todos eles com novos CD gravados, para a alegria dos congressistas.

Tivemos também a participação dos Ministérios de Louvor d e alguns dos Distritos representados. E foram de grande apoio, sempre ungidos em sua apresentação, promovendo a edificação dos congressistas. Era normal vermos vidas se derramando em lágrimas durante a apresentação dos mesmos. Como eles representaram a soma de valores de igrejas do distrito, não consegui identificar as igrejas que forneceram seus talentos, a não ser Guarapari e Contagem.

Lamentavelmente, não pude participar do encerramento, pois tive que viajar na segunda-feira bem cedo; pois, teria que estar em Rondônia, para pregar no Culto de Reinauguração do templo da IMW de Nova Floresta, em Porto Velho-RO. Mas Célia permaneceu no Congresso. E ela me contou sobre o grandioso culto de encerramento. Disse-me sobre a re-eleição do jovem Vinicius Reggiane, para mais um mandato à frente dos jovens da II Região. Até o próximo congresso (mas antes teremos o Congresso Geral de Jovens, na belíssima cidade de Curitiba). Estaremos lá!

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de Aracruz

A IMW de Aracruz era a única igreja wesleyana do Distrito de Vitória que ainda não havíamos visitado. Resolvi aproveitar minha presença no XIV Congresso Regional de Jovens, (o SESC de Praia Formosa fica no município), e agendei esta tão esperada visita para o domingo a noite. O Pastor Valdívio - SD do Distrito de Governador Valadares, desejou ir comigo nesta visita. O Pastor Deusmiro veio nos buscar no SESC e nos conduziu diretamente para a igreja, onde o culto já estava iniciado. Os jovens do Ministério de Louvor demonstraram senso de responsabilidade, pois deixaram o trabalho do congresso de jovens, naquela noite, para dar suporte ao culto na igreja. Houve também uma coreografia apresentada pelas crianças, que comoveu a todos os presentes. Senti liberdade para pregar, sem o menor embaraço.

Após o culto, nos despedimos de todos os irmãos. Fiquei conhecendo o dedicado Presbítero Valter. O Aspirante Lourival estava ausente, devido a escala de trabalho, mas cumprimentei sua esposa - irmã Rosália. Conversei também com a Irmã Sirlei. E também senti alegria ao ver a estrutura do templo e seus anexos. É que estive ali, a alguns anos atrás, quando a pequena igreja de Aracruz funcionava em um salão alugado.

Antes de retornarmos ao SESC de Praia Formosa; o Pastor Deusmiro e sua esposa, irmã Selma, juntamente com seus filhos - Sulamita e Deivid (Raquel e Israel fazendo faculdade fora), nos convidaram para um lanche em sua casa - deliciosa torta de peito de frango desfiado e um saboroso bolo de cenoura - preparado pela irmã Selma e sua filha Sulamita; tudo regado a suco de pêssego. Terminando, seguimos em carona fornecida por jovens do Ministério de Louvor, que também precisavam retornar ao Congresso. Até o próximo "giro".

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Templo Wesleyano de Guarapari - Marco de Adoração

Desde que cheguei à II Região, tenho acompanhado o trabalho dos pastores com especial atenção. Alguns desses ministérios me inquietam, pelo nível de polêmica a envolver os mesmos. São pastores com procedimentos repetitivos que assustam e dispersam suas ovelhas. Os tais acabam por me deixar sempre na expectativa de más notícias. É pena! Todavia, existem os ministérios que se tornaram objeto de minha observação, pelo excelente trabalho pastoral, demonstrando alto nível de dedicação, com resultados incomuns.

Tive o prazer de receber o convite, da parte do Pastor Marcus Ely, para a festa de dedicação do templo wesleyano de Guarapari. Como minha agenda de visitas está muito apertada, expliquei ao Pastor sobre esta impossibilidade. Entretanto, como seu desejo era ter a nossa presença no evento, combinamos nossa ida para segunda-feira, dia 8 de novembro (uma data facilitadora, pois se conjugava com nossos "giros" pelo Distrito de Vitória - próximo dali).

Almoço com a Família Pastoral

Neste tão importante dia para a comunidade wesleyana de Guarapari, o Pastor Marcus Ely, juntamente com sua esposa "Mel" e sua filha Susana (Luciana - sua outra filha, não pode nos acompanhar devido ao seu trabalho), nos levou a um restaurante em Meaipe; o lugar é conhecido pelo modo especial de preparar o peixe. O Pastor Geraldo Lúcio, SD do Distrito, juntamente com Marleide, estiveram também. Foi servida uma porção de camarão frito, enquanto aguardávamos a deliciosa "muqueca capixaba". O proprietario, nos enviou também - por conta da casa - um saboroso risoto de camarão e, ao final do banquete, uma sobremesa de fazer suspirar.

Momento Solene

Enfim, chegou o momento da "Dedicação do Templo"! Mesmo tendo estado outras duas vezes em Guarapari, fui tomado de surpresa ao contemplar o resultado do trabalho feito sob o comando do Pastor Marcus Ely. O templo ficou belíssimo! Não tenho a menor dúvida em apontar este templo como o mais belo da II Região, especialmente quando analiso o conjunto da obra. Creio que os dedicados membros desta igreja devem ter feito um esforço enorme para chegar ao ponto em que chegou. Segundo o Pastor Marcus Ely, ainda falta uns 15% de obra a ser realizada para o acabamento total. Todavia, pelo que se pode ver, mesmo que não se fizesse mais nada ali, poucos perceberiam; tamanha a grandeza da obra.

O culto de dedicação foi marcado por quebrantamento e forte emoção; tanto pelos membros da igreja, como pelos convidados que ali se encontravam. Em um templo climatizado, para cerca de 450 pessoas assentadas, a multidão se aglomerou para o evento. Estavam presentes os Superintendentes Distritais dos distritos wesleyanos de Vitória (Pastor Jorge Perim), Cachoeiro do Itapemirim (Pastor Jorge Camargo) e Vila Velha (Pastor Geraldo Lúcio), Foi anotada também a presença de alguns pastores dos distritos de Vila Velha e Vitória; alguns acompanhados de sua família. A unção de Deus permeava todos os atos do culto. O Ministério de Louvor teve uma participação marcada por forte do Senhor. Em seguida. preguei para um auditório atento e interativo. Antes do encerramento, participamos da Ceia do Senhor, em um ambiente de grande espiritualidade. Na etapa final, todos foram ungidos pelos diversos pastores; e fiz a oração de intercessão.

Liderança Local

Durante o cerimonial, foram citados os nomes dos obreiros que compõem o Conselho Local da IMW em Guarapari:
Presbíteros: Gilson Ferreira Barbosa; Jairo Teixeira Dias Júnior; Luiz Cláudio Cesário Pereira e Reinaldo Lyra dos Santos.
Diaconos e Diaconisas: Adriano Carminati; Jéferson Neves Marconcin; Marlon Astore Loureiro; Wanderley Henrique de Oliveira; David Benevides da Silva; Jane Rita Wandekoken de Souza e Maria Elizabeth da Silva Sant’ana.
Outros oficiais: 1) Diretora de Crianças: Vera Lúcia Galvão Oliveira Boni; e Marlene José Vieira dos Reis - Conselheira. 2) Diretora de Adolescentes: Geisiane Barbosa; e Marta Valeria Felix Simões - Conselheira. 3) Diretor de Jovens: Joadir de Souza. 4) Diretor de Adultos: Luiz Felipe Ribeiro Frias. 5) Noticiarista: Elizabeth Coradello Vilela Vieira. 6) Diretora de Ação Social: Joselma Dalmásio de Frias. 7) Diretor de Missões: Wilson Gomes de Araújo. 8) Diretora de Evangelismo: Alcinéia Guimarães dos Santos Lyra. 9) Diretor de Casais: William Newton Bernardino. 10) Dirigente da Tarde da Benção: Elizete Pimenta de Carvalho Furtado. 11) Superintendente da EBD: Joceline Teixeira Dias Pereira. 12) Diretoras de Artes, coreografia, dança e teatro: Gislaine Barbosa e Jenifer Gomes da Silva. 13) Diretora do Ministério de Louvor: Jane Rita Wandekoken de Souza. 14) Diretores de Grupos de Crescimento GCEU: Lázaro Rodrigo Wandekoken e Flávia Guedes Coelho Wandekoken. 15) Diretor de Informática: Alexsander Coradello Vilela. 16) Evangelistas: Moacir da S. Lima Filho - Congregação em Piúma; e Luiz Felipe Ferreira Gallo - Sede e Piúma.

Monumento em Louvor ao Deus Eterno

Mas não podemos deixar de mencionar o importante papel da Família Pastoral - na pessoa do Pastor Marcus Ely, Mel, Susana e Luciana - nesta conquista. Esta família tem demonstrado comprometimento, dedicação, competência e amor; algo que tem sido reconhecido por todo o povo wesleyano, tanto de Guarapari como de toda a II Região. Fomos gentilmente conduzidos aos anexos do templo, com suas diversas instalações: salas para classes bíblicas, departamentos e grupos de discipulado; cozinha e cantina; dois auditórios menores, para reuniões de menor porte. Na verdade, além de ser uma obra para a edificação do povo de Deus; o templo da IMW em Guarapari é um monumento em louvor ao Deus eterno!

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de Santo André

Nossa penúltima visita no Distrito de Vitória, foi à IMW de S. André, pastoreada pelo SD do Distrito - Pastor Jorge Perim. Como já me referi, no primeiro "post" desta série de visitas, fui abençoado e honrado por sua esposa Eunice e sua filha Chrislayne, pois sua casa foi o meu local de hospedagem durante os dias em que estive em Vitória. Seu Ajudante é o dinâmico Pastor Gedson Alves Corrêa - um exímio regente de coral; que. juntamente com sua esposa Lorrany e seus filhos - Rebeca e Pedro, desfruta de especial carinho por parte daquela grande igreja.

Estavam presentes no culto os seguintes Pastores do Distrito: Sebastião Antônio Neto, Carlos Magno de Jesus Veríssimo, Sidenilson e sua esposa Márcia; e também Olímpio Cunha, veterano na IMW desde 1972, agora jubilado. Estavam também lá, alguns líderes locais. Presbíteros: Motta e sua esposa Rita (Líderes Ministério de Casais); Joelson e sua esposa Ana (Dirigentes da Congregação em Novo Horizonte). Josué e sua esposa Vanda (Dirigentes da Congregação em Grande Vitória); Marcelo Barreto; Jocimar Valadares de Sales; Carlos Martins do Espírito Santo; e Jonas, (auxiliar na Congregação em Grande Vitória). Missionária Ambrozina Rita Pereira, membro do Concílio Regional e Dirigente da Congregação em Resistência. Diaconisas: Sônia, que preparou a bela mesa da Ceia do Senhor, e Iara (ambas me entregaram um belo presente em nome da Igreja). Também atuantes os seguintes Ministérios: a Equipe do Serviço Diaconal e a Equipe do Ministério de Adoração e Música.

O culto foi grandemente edificado, tanto pela participação de diversos ministérios (de Louvor; Coral; etc), como pela ministração da Ceia do Senhor. Foram também recebidos novos membros da Igreja (trinta novos irmãos; entre batizados, reconciliados e transferidos). Tendo à minha frente um templo repleto, com muita gente em , preguei a mensagem baseada em João 6 e João 13, abordando o tema: "Comunhão e Serviço". Ao final do culto nos despedimos de vários irmãos na saída, antes de sairmos.

Visita a IMW Central de Vitória

Enfim, chegamos à nossa última visita: a IMW Central de Vitória. Fiquei surpreso com o avanço que pude constatar, desde a última vez em que ali estive, a alguns meses atrás. O crescimento da igreja é admirável! No dia anterior almoçamos com a família pastoral - Marcos, sua esposa Thais, e seus filhos - Daniel, Ana e Davi (uma muqueca capixaba "pra ninguém botar defeito"). Em seguida, fomos ver o novo visual do templo central; uma obra de grande porte, cujos detalhes finais de acabamento, do mais apurado bom gosto, causam admiração em quem olha (encontrei o Presbítero André Beloni, tesoureiro local e grande companheiro do Pastor).

Por ocasião do culto dominical, pude verificar o atual estado desta igreja, que vai se tornando uma referência de progresso e desenvolvimento para o trabalho wesleyano na "Grande Vitória". O templo ficou repleto (a galeria ainda não está sendo utilizada; mas é uma questão de tempo). Assim que chegamos, dois obreiros nos receberam ainda na rua: Felipe e Cássio. Eles nos conduziram até a recepção; a partir dali, o casal - Max e Leila - nos conduziu ao templo. Na abertura do culto, a equipe de louvor formada por: Thaís, Dulce, Adilson, Júnior e Douglas, nos conduziu em um maravilhoso momento de adoração. Foi feita também a recepção dos novos membros recém batizados: Lucas, Bruno, Talita e Orlando (Orlando tem uma experiência de libertação tão impactante, que pretendo registrar em um "post" especial). Houve também a recepção de irmãos veteranos: irmão Pedro Erli; e irmãs Eunice e Ana Ruth. Perante um auditório bem motivado, preguei a mensagem, com o tema: "Jesus é a Luz do Mundo", baseado em João 8:12. Após a pregação, a Irmã Dulce presenteou o Bispo e o SD em nome da Igreja.

Além do SD - Jorge Perim, estavam presentes os seguintes Pastores: Sidenilson e sua esposa Márcia, juntamente com sua filha (IMW em Jardim Colorado); Carlos Magno (IMW em S. André); e Pedro Feliciano e Elizeu (IMW Central de Vitória). Dentre os líderes locais, estavam presentes os Presbíteros: André Beloni; Vinicius Catani e Sebastião Manoel. Gostei muito do perfil de liderança que está sendo forjado nesta importante igreja. O Conselho Local vem desenvolvendo o Projeto dos "Pequenos Grupos" com grande eficiência e bons resultados.

Após o culto e os cumprimentos, fomos convidados pela família pastoral, para jantar em um restaurante especialista em um prato muito apreciado: "costela no bafo". Enquanto saboreávamos esta iguaria, íamos conversando sobre diversos assuntos. E foi deste modo que fechamos este dia memorável, assim como a visita ao Distrito. Até o próximo "giro".

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Encontro com a Família Pastoral

É com um grande prazer que venho postar o "Encontro com a Família Pastoral" patrocinado pelos distritos de Vitória e Vila Velha, no Acampamento Salém. Com pouquíssimas ausências, apesar da chuva, tivemos uma manhã de domingo bem diferente do habitual neste dia sete de novembro. O evento foi agendado, aproveitando minha visita ao Distrito de Vitória. A reunião teve seu Início as 09 da manhã, já com uma frequência que prometia ser animadora. Estiveram ao meu lado na "mesa", os pastores, Geraldo Lúcio e Jorge Perim; Superintendentes Distritais de ambos os Distritos. Além dos pastores, acompanhados das esposas e filhos, estavam também alguns presbíteros e aspirantes.

Ministrei sobre Neemias, destacando o carater ministerial de um personagem da bíblia que inspira e motiva a todos os que desejam servir a Deus com um ministério impresso com "selo de qualidade". Realmente, Deus nos falou de modo muito especial durante toda a manhã. Dentre os pontos abordados, destacamos o sofrimento deste homem em relação ao drama e miséria em que vivia o povo de Deus; sua intercessão comovente por seu povo tão sofrido; sua determinação em ajudar concretamente; sua viagem de risco à terra de seus pais, com esta finalidade; seu sigilo, quanto ao que Deus lhe revelara; sua estratégia de reconstrução e de confronto; sua coragem e prudência ao lidar com inimigos implacáveis. Enfim, ao término da palestra não houve quem não quisesse se tornar um homem de Deus nos moldes do Neemias da Bíblia.

Ao fim da ministração, seguiu-se um almoço muito especial, preparado pela "equipe da Tia Alzira", da igreja de S. André, para cerca de 80 participantes. Um Prato à base de frango e carne, com todos os acompanhamentos, regado a refrigerante, fez a alegria de todos os participantes. Após os almoço, um grupo de pastores me acompanhou para ver o andamento das obras no "Acampamento Salém". O Presbítero Mota e sua esposa Rita têm se esmerado em fazer o melhor para Deus e para Seu povo. Das 28 suites para quatro pessoas, 10 já estão prontas. O serviço de rede elétrica e hidráulica já foram concluídos; a piscina foi consertada; e também o espaço de lazer (campo de futebol, duas quadras para futebol de areia e Society); o muro que separa o "Acampamento Salém" do Condomínio "Cidade Salém" já foi concluído, bem como o muro frontal. O próximo "RESPIRE", por ocasião do feriado de Carnaval, será feito lá; reunindo membros dos Distritos de Vitória e Vila Velha. Estaremos lá também!

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 13 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de S. Marcos

Continuando nosso "giro" pelo Distrito de Vitória, chegou a vez de visitarmos novamente a igreja de S. Marcos. Ela é pastoreada pelo Pastor Elbo Rogério. Antes da visita, fomos almoçar com a família pastoral (Pastor Elbo Rogério e Ester): "Escondidinho" de carne seca, carne assada, salada, arroz e feijão (Ester é sempre muito habilidosa na cozinha). Após o almoço, conversamos bastante, antes de retornarmos a casa do Pastor Perim, para nos prepararmos para o culto da noite.

Após um delicioso café com o Pastor Perim, saímos para o culto a noite, na igreja de S. Marcos (ela é a maior igreja wesleyana do Município de Serra). Pude observar que a igreja tem um grande número de jovens e um Ministério de Louvor bem dinâmico, sob a direção do Pastor Júnior, genro do Pastor Elbo Rogério. Após um momento abençoado de louvor a Deus, preguei sobre o "Movimento das Águas"; em seguida orei, enquanto os pastores presentes ministravam a unção com óleo sobre o povo; foi um grande mover do Senhor.

Os pastores Neto e Carlos Magno estavam conosco, juntamente com os obreiros locais: Pastor Júnior e sua esposa, Ana Carolina (filha do Pastor Elbo Rogério); e o Pastor Clodoaldo e sua esposa, Marinalva (chegados recentemente de Valadares). Eles auxiliam o Pastor Elbo no ministério em S. Marcos. E os Presbíteros: Antonio Firmino, João Caetano e Paulo Sergio; juntamente com os diáconos Jessi e Onias; e as diaconisas Zilda, Joselita, Alexandrina, Darlete e Aurenice. Ao final do culto, foi-nos servido um delicioso lanche na igreja, por uma das diaconisas.

IMW de Cidade Continental

Esta foi nossa primeira visita à igreja da Cidade Continental. Fomos mais cedo, para almoçar com a família pastoral (Pastor Antonio Veríssimo e sua esposa Janet; Natália e Érico, filhos do casal). Almoçamos um suculento churrasco, assado pelo irmão Alex, que reside ao lado da casa do pastor. A irmã Telma auxiliou a irmã Janet na preparação de um feijão tropeiro, maionese e outras coisas mais (pudim e doce de côco) - que bênção! Ficamos conhecendo também a bela reforma da casa da família.

Retornamos a noite para o culto. O Diácono Vanderlei nos recebeu à porta. Todos os líderes da igreja estavam presentes. A ministração do louvor ficou a cargo dos adolescentes da igreja: Vitor, Lucas, Leonardo e Natália. Em seguida, preguei sobre "Um Decreto de Vida", orando ao final por todos os presentes. Foi uma noite de grande unção. Êta, glória! Após os cumprimentos, saímos juntamente com os pastores Neto e Carlos Magno, que lá estavam; e também o jovem Filipe - ovelha do Pastor Perim, da IMW de S. André (ele é mestre-cuca), para comer uma deliciosa pizza, antes de nos recolhermos ao descanso.

Cordialmente;
Bispo Calegari

VEM AÍ O XV CONCÍLIO REGIONAL!

Até parece que foi ontem que estivemos reunidos em Guarapari! Foram dias inesquecíveis - e por vários fatores: Quem ainda não se lembra da infecção intestinal que atingiu alguns; que a todos assustou? Graças a Deus, fomos guardados dos problemas colaterais daquele doloroso episódio. Todavia, creio que o meu testemunho é unânime quanto ao que mais nos marcou: O poderoso agir de Deus, do início ao fim do evento. Os dias daquele concílio, foram de muita alegria e comunhão. Sua abertura foi cheia de expectativa; seu encerramento foi apoteótico! Glória a Deus!

E agora, estamos no limiar de mais um concílio regional. E este se reveste de especial significado, devido ao fato de se seguir ao último Concílio Geral, concílio este que me concedeu um novo mandado episcopal e, juntamente com ele, a oportunidade de retornar ao comando da II Região. Sinto-me honrado com a possibilidade, concedida por Deus, de poder presidir a mais um concílio regional. Creio que este será um tempo de oportunidade e refrigério; a nos remeter aos "Desafios de um novo tempo", neste novo biênio que nos aguarda de braços abertos. Sejam bem-vindos!

Neste concílio, como no anterior, os relatórios dos secretários regionais e dos Superintendentes Distritais serão impressos e disponíveis nas pastas dos conciliares. Esta medida, além de facilitar a análise dos mesmos por cada delegado, permitirá uma mais ampla utilização do tempo. Pretendemos refletir sobre a obra wesleyana na II Região; quanto ao seu desempenho nos Estados e Municípios em que está estabelecida. Queremos avaliar a qualidade de serviço que estamos oferecendo aos wesleyanos, através dos diversos ministérios desenvolvidos pelos nossos pastores. Enfim, pretendemos saber em que áreas precisamos melhorar, para melhor atender ao rebanho do Senhor, que Ele entregou aos nossos cuidados, do qual nada mais somos do que mordomos.

E quanto às nomeações, o que dizer? Elas serão feitas sob profundo temor e, mesmo assim, após uma ampla análise quanto a relevância das mesmas, levando em conta duas coisas distintas; mas que se conjugam: "Perfil do Pastor" e "Necessidade do Rebanho". A grande questão que se impõe, não é o fato de "mandarmos um pastor qualquer para uma igreja qualquer"; e sim: "mandarmos o homem que Deus quer usar, para a igreja que Ele queira abençoar através desse homem". Na observância deste princípio é que reside o nosso maior desafio! Penso que já não podemos mais ficar transferindo "prá cá e prá lá" aqueles obreiros que não conseguem se garantir em seu próprio campo; que não aceitam repensar sua conduta ministerial.

Uma nomeação, por mais desvantajosa que pareça aos nossos olhos, é sempre uma oportunidade de "florescermos onde fomos plantados". Nunca, em meu ministério, considerei uma nomeação como "recompensa ou castigo". Sempre encarei as nomeações que recebi, como desafios a serem superados; como tarefas a serem cumpridas. Sempre pensei comigo mesmo, que fazendo o meu trabalho com amor, temor, generosidade e vigilância; os frutos dele resultantes se tornariam a melhor credencial do meu ministério. No íntimo, eu sempre soube que o desempenho do meu ministério revelaria se fui apenas chamado pelos homens; ou se, de fato, fui chamado por Deus.

O Senhor Jesus advertiu que "toda árvore boa produz bons frutos; porém a árvore má produz frutos maus. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má dar frutos bons. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis" (Mateus 7.17-20). Em assim sendo, não é estar à frente de um rebanho que me credencia como um verdadeiro pastor (não é a posição; e sim, o serviço). O verdadeiro pastor não "manda", mas "serve". O verdadeiro pastor não "ordena", mas "obedece". O verdadeiro pastor não "busca ser amado" , mas "ama aos que busca" para o aprisco. Termino afirmando que a questão não é apenas "agradar ao bispo, fazendo do modo certo". Mas, sobretudo, "agradar a Deus, não fazendo do modo errado".

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

Enfim, depois de um adiamento causado pelo Concílio Geral Extraordinário, fizemos a tão aguardada visita ao Distrito de Vitória. Desta vez Célia não pode me acompanhar, pois sentiu de Deus que precisava ficar e cuidar de minha mãe - Dona Luzia, levando-a para nossa casa. Ela está com oitenta e quatro anos e com problemas de saúde. Cheguei a tarde no aeroporto de Vitória, onde o Pastor Jorge Perim, SD do Distrito, já estava a minha espera. Fiquei hospedado em sua casa durante os dias em que fiquei em Vitória, desfrutando do carinho e da generosidade dele, de sua esposa Eunice e sua filha Cris. A irmã Eunice tem estado com saúde debilitada, mas sempre nos concedeu a melhor das atenções e um delicioso café da manhã e lanche da tarde. Inesquecivel! Que o Senhor estenda o Seu manto de cura sobre ela.

IMW de Consolação

Depois de um bom banho e um ótimo lanche, saímos juntos - Pastor Perim e eu, para a igreja de Consolação, que seria a nossa primeira visita. A muitos anos não ia naquele lugar (quando o ví da última vez, estava no início da construção do templo). Foi muito bom ter estado com o Pastor Júlio; pena que sua esposa Dina não esteve presente no culto, devido a uma cirurgia recente. O Ministério de Louvor, sob a direção do Presbítero Anderson, ministrou com unção; Daniele, líder de coreografia, no teclado. Preguei sobre "Fundamentos", e fiz o convite para oração. Foi um momento de grande poder.

Além do Pastor Perim, estavam presentes os Pastores Neto e Carlos Magno; e também a Missionária Rita. Pude conhecer também, além do Anderson, os Presbíteros: Fabrício, que nos recebeu à chegada; Jorge e Jaci. Ao final do culto, dos cumprimentos, os pastores me conduziram a uma pizzaria, onde ficamos conversando bastante sobre a obra wesleyana no município de Serra, enquanto aguardávamos a deliciosa pizza que eles fazem ali. Foi um momento de grande edificação, após o abençoado culto que tivemos.

IMW de Nova Carapina

No dia seguinte, o Pastor Perim e eu, fomos almoçar com o Pastor da igreja de Nova Carapina, Pastor Neto e irmã Nete. Foi-nos servido pescadinha fritinha, camarão "vg", salada de agrião com alface e rabanetes, bobó de camarão e arroz - um banquete! Tive o prazer de conhecer o pai do Pastor Neto - irmão Manoel Belisso, membro antigo da igreja de Cachoeiro; hoje jubilado, em idade avançada. Conversamos bastante após o almoço. É a segunda vez que visito aquela acolhedora casa.

A noite fomos para a igreja de Nova Carapina. À porta do templo, nos receberam o Pastor Neto e a irmã Nete, juntamente com o Presbítero Valdemir e sua esposa Diaconisa Julia. Foi um culto enriquecido com várias oportunidades para louvor. Os irmãos: Anibal; dueto Lilian e Letícia; e Juliano, cantaram belos hinos. O coral da congregação de Novo Porto Canoa também participou com belíssima apresentação. Logo em seguida, preguei sobre "Autoridade" e orei por todo o povo. Ao final do culto, a igreja nos presenteou (Maria Celia e eu) com belas peças de roupa.

Os pastores, Perim, Carlos Magno , Luiz Carlos e sua esposa irmã Lúcia, conselheira Regional de Adolescentes, estavam conosco neste maravilhoso culto. Além deles, estavam também presentes os obreiros locais - o Presbítero Fabrício, que dirigiu o louvor juntamente com sua esposa Trisbele; e os Presbíteros Carlos Eduardo e Jenuino, ambos da congregação de Novo Porto Canoa. O diácono Sebastião e os demais líderes da igreja também estavam presentes. Após os cumprimentos, houve uma atividade social nos fundos, para todos os irmãos, com deliciosos salgadinhos e refrigerantes.

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Momento decisivo

Tenho sido um grande admirador das músicas do J. Neto; tanto pela sua leveza e interpretação, como pelo seu conteúdo. O estribilho de uma delas - "...me dê uma nova chance, eu quero ser como antes..." - revela-se de uma relevância admirável; é que, ao mesmo tempo em que clama por uma nova chance, proclama o desejo de voltar a viver uma vida abençoada e valorizada, tanto diante de Deus como diante dos homens.

E a história bíblica que aqui focalizo tem tudo a ver com isso.

No evangelho segundo João, no capítulo 8:1-12, encontramos o relato sobre uma mulher pega em adultério. Uma condenação sumária está em curso, com base em uma lei antiga. A sentença já estava prevista: Pena de morte por apedrejamento. A mulher era o foco da acusação, mas seus acusadores não eram isentos de culpa. Ela era pecadora; mas seus acusadores não eram santos... Era culpada; mas seus algozes não eram inocentes... Tratava-se de uma condenada; mas seus juízes não eram justos... Enfim, uma história como muitas; daquelas em que réus e autores convivem com a mesma miséria; com a mesma injustiça; mas que, embora merecedores do mesmo castigo, uns saem ilesos e outros não.

Um Destino nada favorável

Lá ia a infeliz mulher - humilhada e cabisbaixa, bem à frente da "procissão dos justos". Todos, ou quase todos, a uma voz, clamavam pelo justiçamento dela. Sim, naquele dia, a honra dos homens ofendidos seria lavada com o sangue daquela infeliz criatura! Sua sentença estava decretada e seu apedrejamento era uma questão de minutos. E lá ia ela, sem futuro e sem rota de fuga. Já condenada; pré-apedrejada pelos apupos e xingamentos de todos. Infeliz!

Uma Nova Chance para uma Nova Vida

Este era o trágico final de uma pecadora, que teve a infelicidade de ser pega no ato pecaminoso, sem chance de defesa. Na verdade, os que vivem em pecado sujeitam-se as mais duras penas; nesta vida e na outra. Ocorre que, no caminho para o "pátio dos condenados", alguém iria fazer a diferença: Lá estava Jesus! Seus algozes, implacáveis críticos que eram do Senhor, resolveram "matar dois coelhos com uma só paulada": Por que não armar uma "pegadinha" contra o Messias? "E agora, Mestre; cumprimos ou não a lei"?

Todos somos réus dignos de morte - só existe um juiz

Até que ponto "brincar", escrevendo na areia, é mais importante do que tão dramática questão? Pois é, Jesus agiu assim! Existem momentos na vida em que as atitudes "sérias" dos homens mais parecem uma paródia de péssimo gosto. E Jesus deve ter percebido isso, pois não se deixa enganar pelo "zelo" dos hipócritas! Ao ser novamente inquirido pelos tais, respondeu sinteticamente: "Aquele que, dentre vós, estiver sem pecado, que atire a primeira pedra". E continuou a fazer o que estava fazendo: Escrevia na areia (como eu gostaria de ter lido aqueles escritos! Que verdade eles revelariam?

A mulher teve sua nova chance

Todos começaram a retirar-se. Primeiramente os mais velhos, discretamente; não tão convencidos de suas supostas intenções. Depois deles, os mais jovens; não tão convencidos dar "verdades" que os mais antigos julgavam defender ao condenarem aquela pobre mulher. E só ficou a mulher. Muitas vezes, um habilidoso advogado consegue livrar um réu confesso, mesmo reconhecendo sua culpa. E Jesus é o "Advogado Fiel", conforme proclama o abençoado compositor wesleyano Anderson Freire, na música do mesmo nome, cantada por Bruna Carla.

Mas a mulher não poderia mais ser como antes

"Então, erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém senão a mulher, perguntou-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor" (João 8.10-11). Era só ela e Jesus. Sua salvação estava garantida! É assim mesmo: Quando alguém tem um encontro decisivo com Jesus, sua vida não pode ser mais a mesma. "Nem eu te condeno; vai-te, e não peques mais" (João 8.11) - finalizou Jesus sua participação no episódio. E aquela mulher já não seria mais a mesma; nem esqueceria jamais aquele momento decisivo.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 6 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de Durval de Barros

Esta é mais uma visita que Celia e eu fizemos à igreja de Durval de Barros. Chegamos um pouco atrasados, mas ainda em tempo de poder participar de um bom período dirigido pelo Ministério de Louvor. O Pastor Jeferson Henrique juntamente com sua esposa - Missionária Paula, nos fez uma bela recepção. No púlpito estavam os Presbíteros: Reginaldo, Eder e Rafael. O grupo de senhoras entoou um belo hino, edificando a todos nós. Antes da oração final, Celia e eu fomos chamados para sermos presenteados por esta amada igreja eu ganhei um boné estilo "golfe" e Célia um belíssimo pijama).

IMW de Venda Nova

Na tarde de sábado, véspera da votação do segundo turno, fomos visitar o Pastor Benildo e a irmã Claudete, que nos receberam com um delicioso café com biscoitos caseiros e outras coisas. Bênção pura! A irmã Glecy nos acompanhou nessa visita. Dali, fomos juntos para a igreja de Venda Nova. Apesar da distância, conseguimos chegar adiantados.

Em la chegando, o Pastor Manoel Murilo e sua esposa Solania nos aguardavam na entrada do templo. O programa do culto foi muito bem conduzido pelo Ministério de Louvor. O Senhor ministrou grande unção a todos nós. Ao meu lado, no púlpito, além do Pastor Murilo e dos Presbíteros, estava o Pastor José Antonio, um obreiro com muitas histórias de ministério, que se encontra jubilado.

Ao final do culto abraçamos os Presbíteros: Maurício, Ademir, e José Teodoro. Pude também cumprimentar o Pastor Adeilson, sua esposa e filhos, que está ingressando na IMW. Conversamos bastante com a Irmã Maria Augusta Amaral, mãe do Bispo Roberto Amaral; e também com a irmã Enilzete, filha do saudoso Bispo Nilson de Paula Carneiro, que tem sido uma grande amiga nossa.

Pouco depois do encerramento do culto, o Pastor Manoel Murilo Junior nos convidou para um Jantar de gala, no salão social do templo, para todos os obreiros. O prato principal foi strogonoff de frango, com todos os ingredientes que geralmente acompanham este delicioso prato, que agradou a todos os obreiros, pois o irmão que preparou o jantar, o fez com gosto apurado. No próximo "giro" estaremos relatando a nossa visita às igrejas do Distrito de Vitória.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de Olaria

Esta foi a nossa primeira visita à igreja de Olaria, no Distrito de Belo Horizonte, ainda em processo de organização. Célia esteve comigo nesta visita. Pelo que pudemos ver e sentir, o Pastor Odilon, juntamente com sua esposa - Missionária Antonia, tem feito um trabalho abençoado ali. O culto foi marcado por uma grande unção do Senhor. O salão de cultos estava repleto. Senti grande liberdade no Espírito para pregar a Palavra de Deus. Além do Pastor Odilon, estava também no púlpito o Presbítero Leandro de Alisson, homem de Deus. O Ministério de Louvor foi de abençoada eficiência na ministração do louvor.

Após o culto, cumprimentamos os irmãos e, depois, subimos para a residência pastoral, que fica em cima do salão de cultos. A família. pastoral nos recebeu com um jantar digno de filhos do Rei! Alguns irmãos da igreja também participaram da deliciosa comida mineira, de dar água na boca. Foi um momento de grande alegria. Logo em seguida, retornamos para descansar, pois no dia seguinte teríamos que estar na igreja do Kennedy

IMW de Kennedy

Enfim, visitamos mais uma vez a igreja do Kennedy. O Pastor Onésimo estava a nossa espera, na calçada defronte ao templo, embora o culto já tivesse iniciado. Quando adentramos o templo, já repleto, percebemos que a nossa Diretora Regional de Adultos - irmã Arlete, que é membro desta igreja, estava dirigindo o grupo feminino em um belo cântico. No púlpito estavam os Presbíteros: Carlito, Derly e Abenideo; e também o Pastor Onésimo, que para lá se dirigiu, me conduzindo com ele. Quanto a direção do culto de campanha, estava sob a responsabilidade do Presbítero Álvaro, que vem presidindo esta campanha. Percebi que a mensagem pregada atendeu ao objetivo da campanha. Ao final do culto, ganhamos, como presente da igreja, um relógio de parede personalizado.

Ao fim do culto, houve um momento de abraços e despedidas em um ambiente bem descontraído. Realmente, Deus tem feito grandes coisas naquela igreja. Parabéns ao Pastor Onésimo pelo ministério que vem desenvolvendo ali. Até o próximo "post".

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Piedade e Humildade: o essencial

"1 Tendo Jesus entrado, num sábado, em casa de um dos chefes dos fariseus para comer pão, eles o estavam observando. 2 Achava-se ali diante dele certo homem hidrópico. 3 E Jesus, tomando a palavra, falou aos doutores da lei e aos fariseus, e perguntou: É lícito curar no sábado, ou não? 4 Eles, porém, ficaram calados. E Jesus, pegando no homem, o curou, e o despediu. 5 Então lhes perguntou: Qual de vós, se lhe cair num poço um filho, ou um boi, não o tirará logo, mesmo em dia de sábado? 6 A isto nada puderam responder" (Lucas 14.1-6).

Este episódio demonstra o quando a piedade é mais importante que a religiosidade

Embora Jesus não demonstrasse ser adepto da doutrina do sábado (ele jamais poderia ser identificado como um daqueles "sabatistas" que normalmente fazem a defesa deste importante dia no calendário judeu), era muito comum sua presença em eventos que ocorriam por ocasião do sábado; nem tanto pela data em si mesma, mas sim pela oportunidade de ministrar a alguns que se reuniam para eventos sociais por ocasião deste feriado judeu. E, em linha com este raciocínio, lá estava Jesus em mais um almoço comunitário, para o qual fora convidado! E ele fora convidado para comer em casa de um dos principais fariseus. Este episódio revela três fatos interessantes:

1. O convite tivera um objetivo religioso, eivado de preconceito

Ao que tudo indica, o que seus anfitriões pretendiam, era surpreendê-lo em alguma falta naquela ocasião; para, então, apontar o seu "pecado". Já haviam tentado um montar "flagrante" em outras ocasiões, não logrando êxito. Na verdade, o Mestre conhecia suas verdadeiras intenções (eram muito habilidosos em preparar armadilhas). Segundo o texto, "eis que o estavam observando" (v. 1).

Geralmente, a presença de Jesus sempre atraia pessoas enfermas, desassistidas, infelizes, logo acercou-se dele um homem em péssimo estado. Jesus tomou a iniciativa de indagar deles se, a seu juízo, a observância do sábado era superior ao ato de socorrer um desvalido. Afinal de contas, "se o filho ou o boi cair num poço, não o tirará logo, mesmo em dia de sábado?" (v. 5).

Graças a Deus, a frieza do preconceito religioso não impediu o agir de Deus naquele momento. O amor profundo e a unção sobrenatural, que inundavam a vida de Jesus, prevaleceram sobre a intolerância religiosa e silenciaram os seus críticos. Então, Jesus, virando-se para o enfermo e "tomando-o, o curou e o despediu" (v. 4)

2. Aquele evento provocou uma "correria" em busca dos melhores lugares

Era evidente que muitos daqueles convidados procuravam "aparecer"; cada um mais do que os outros. Eles disputavam entre si, pelos melhores lugares à mesa. E esta atitude soberba não passou despercebida aos olhos de Jesus, que "reparando como os convidados escolhiam os primeiros lugares, propôs-lhes uma parábola" (v. 7).

Naquela ocasião, Jesus procurou ensinar pelo menos duas lições aos que procuravam "aparecer":
A primeira, é que a verdadeira honra é a que vem de Deus. Ela é concedida de modo vertical - de cima para baixo. E neste quesito, não somos nós que determinamos o nível de honra a recebermos; é o próprio Deus que decide a quem honrar! Ele é quem chama aqueles que escolhe, para mais perto de si: "Amigo, senta-te mais para cima" (v. 10).
A segunda, é que a verdadeira honra e exaltação é precedida pela humildade, pois, "todo aquele que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado" (v. 11).

Concluindo

Realmente, as vezes me parece que algumas pessoas não conseguem entender o verdadeiro sentido do conceito de liderança. A Palavra de Deus está repleta de exemplos e de ensinamentos, todos eles apontando para o fato de que, no Reino de Deus, a humildade e o exemplo em servir estão entre os requisitos mais importantes para indicar aqueles que, verdadeiramente, servem a Deus. O próprio Jesus define este assunto, afirmando que "assim como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos" (Mateus 20.28).

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Giro episcopal pela II Região

Com esta postagem, estamos iniciando o lançamento das visitas que fizemos a algumas igrejas do Distrito de Belo Horizonte. Durante estes dias, nos hospedamos na residência do Bispo José Damião e da irmã Glecy, onde desfrutamos da generosidade deste abençoado casal. O Pastor Warley nos conduziu em seu carro em todas as visitas que fizemos às igrejas do Distrito. Também aproveitamos para dar expediente na Sede Regional. Em uma das nossas idas à Sede, o Pastor Romildo, da igreja de Canaã, levou para o nosso almoço um delicioso galo com batata, acompanhado com angú, feijão, arroz e couve à mineira, bem fininho como os mineiros gostam de fazer.

IMW de Milionários

Nossa primeira visita foi à igreja de Milionários. Esta igreja sofreu um duro golpe, devido a morte por acidente do seu pastor - José Wilson Nunes. Pouco antes de sairmos para o culto, desabou um grande temporal em BH, deixando boa parte do lugar em que estávamos às escuras. Ao chegarmos à igreja, ainda debaixo de chuva, o local estava sem energia. Mesmo assim, alguns irmãos compareceram para o culto.

A reunião foi iniciada de modo improvisado, à luz de velas. Tivemos que realizar o culto à moda antiga, sem o uso de equipamento de som. Um dos jovens estava dedilhando o seu violão, acompanhando os hinos entoados pela igreja, sob a direção do Presbítero Juvenal. Maria Célia teve uma oportunidade para falar; e aproveitou para cantar um hino. O jovem me emprestou o violão e acompanhei Maria Célia, tocando e formando dueto com ela.

A igreja está sem pastor, sendo conduzida pelos presbíteros até o próximo concílio, quando será nomeado um novo pastor para a mesma. Ao final do culto, durante os cumprimentos, pudemos abraçar as irmãs Maria Aparecida e Laodicéia - respectivamente esposa e filha do saudoso Pastor José Wilson. Foram momentos de comunhão e emoção, que muito nos edificou, pois a presença do Senhor foi marcante em nosso meio. Até o próximo "post"!

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 2 de novembro de 2010

A quarenta e seis anos atrás...

Encerrei a alguns instantes a minha oração secreta, como faço ao fim de cada madrugada. Enquanto eu orava pelos diversos assuntos que fazem parte da minha rotina de oração - objeto que são da minha intercessão; o Espírito me fez lembrar que hoje - dia 02 de novembro de 2010 - faz quarenta e seis anos que dei o meu primeiro testemunho público. Isso aconteceu alguns dias após minha conversão ao Senhor, em um culto na cidade de Niterói, no dia 26 de outubro de 1964. Fui conduzido por Deus aos bastidores da memória e lá encontrei alguns detalhes daquele dia tão importante, os quais posso trazer a este post, com o título de:

A quarenta e seis anos atrás...

Lembro-me vagamente da maioria dos detalhes que, normalmente, fazem parte de um culto ao ar-livre (pessoas que cantaram, quem dirigiu, quem pregou, etc.). Não me lembro de tudo. Todavia, alguns detalhes que ficaram na lembrança são suficientes para me trazer a alegria que pretendo compartilhar nesta manhã.

Era um "Dia de Finados" (modo como muitos chamam o dia 2 de novembro). Eu havia me decidido por Cristo na semana anterior; estava ainda confuso com algumas coisas que eram novas para mim. Entretanto, o Espírito Santo me motivava a prosseguir no caminho do Senhor. O Exército de Salvação - igreja na qual me converti, realizava muitos cultos ao ar-livre, sempre aproveitando ocasiões oportunas para tais eventos. E o "Dia dos Mortos" era, de fato, uma data bem apropriada para se pregar o "Evangelho da Vida". Todos fomos convocados para o culto, que seria realizado no famoso "Cemitério de Maruí", em um bairro chamado Barreto, na divisa entre os municípios de Niterói e de S. Gonçalo, no Estado do Rio de Janeiro.

A igreja do Exército de Salvação, em Niterói, não era muito numerosa. Ela possuía uma pequena banda de música, da qual vim a fazer parte meses depois, tocando trombone de vara. Uns poucos jovens dela faziam parte (eu agora era um deles). E lá fomos nós: Oficiais (pastores), sargentos (presbíteros e diáconos), soldados (membros sem função específica) e recrutas (candidatos a membros, eu entre eles). Formamos no centro do cemitério de Maruí, um círculo com cerca de trinta irmãos, todos felizes e motivados; alguns com panfletos e jornais "Brado de Guerra" (periódico do Exército de Salvação, tipo o nosso "Voz Wesleyana"), para serem distribuídos entre os assistentes e passantes. Assim que formamos o círculo, ao som da nossa pequena e querida banda de música, o "Sargento Custódio", um dos líderes, assumiu a direção do culto. Não sei se ele ainda vive (foi ele, juntamente com sua esposa - a saudosa irmã Nair, que me levou à Jesus). Muita gente começou a se aproximar; alguns chorando; muitos deles com ramalhete de flores, para depositá-las sobre a sepultura de seus entes queridos.

Em meio ao clima de unção e emoção que se sentia, fui repentinamente surpreendido pela palavra do Sargento Custódio, convidando-me a dar o meu testemunho perante o povo que estava à nossa volta. Encaminhei-me para o centro da roda, ao som dos "aleluia" e "glória a Deus" que brotavam dos lábios dos irmãos que compunham o círculo. Senti-me nervoso e inseguro, mas fui firme. Quando comecei a falar, ainda gaguejando devido à emoção, olhei em redor e vi um amigo da velha vida, conhecido como "Nilton couro de sapo", de quem eu havia comprado uma pistola a umas duas semanas antes de me converter. Quando o vi, senti-me constrangido, só de imaginar o que ele poderia pensar ao me ver ali. Pensei comigo: "e se ele achar que eu era crente quando comprei a arma? Ele deve achar que sou um crente falso. Ele vai me ouvir falar e pode pensar que sou um enganador". Mas Deus foi me dando graça e testemunhei do seu amor, mesmo não conhecendo nada sobre a bíblia ou sobre a vida de um crente. Percebi que ele permaneceu atento, até o fim do ar-livre. Após a mensagem, pregada por um dos sargentos, algumas vidas se decidiram por Cristo. Logo que o culto chegou ao fim, o "grupo da panfletagem" iniciou um trabalho de distribuição de literatura,entregando um exemplar a cada um dos presentes, ao "Nilton couro de sapo" inclusive. Ao final de tudo, ele se dirigiu a mim, cumprimentando-me, e disse: "Você está num bom caminho; fique firme nele". Tempos depois, ao lembrar-me do fato, agradeci a Deus por ter usado um homem ímpio, violento, para incentivar-me de modo tão sincero e espontâneo, no início de minha vida com Jesus.

Nesta manhã, ao ser lembrado por Deus quanto a esta experiência, fiquei comovido. Quarenta e seis anos se passaram, e eu estou ainda por aqui, firmado na "Rocha Eterna". Neste momento, quando finalizo este testemunho, louvo a Deus por ter me permitido manter viva na memória, estas lembranças. Meu desejo é que, pela graça de Jesus, esta postagem possa te edificar. Toda a glória seja dada a Jesus!

Cordialmente;
Bispo Calegari