domingo, 31 de outubro de 2010

Ministério de Resultados

"1 Ora, naqueles dias, crescendo o número dos discípulos, houve uma murmuração dos helenistas contra os hebreus, porque as viúvas daqueles estavam sendo esquecidas na distribuição diária. 2 E os doze, convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que nós deixemos a palavra de Deus e sirvamos às mesas. 3 Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais encarreguemos deste serviço. 4 Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra. 5 O parecer agradou a todos, e elegeram a Estevão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas, e Nicolau, prosélito de Antioquia, 6 e os apresentaram perante os apóstolos; estes, tendo orado, lhes impuseram as mãos. 7 E divulgava-se a palavra de Deus, de sorte que se multiplicava muito o número dos discípulos em Jerusalém e muitos sacerdotes obedeciam à fé. 8 Ora, Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo"
(Atos 6.1-7).

Deus me deu a felicidade de ter sido gerado em Cristo, em uma época na qual o sentimento predominante era que, para alguém exercer o ministério da Palavra, tornava-se necessário uma vida de profunda oração e piedade. Naquele tempo o conceito de ministério estava atrelado a oração e a Palavra. Todos os institutos bíblicos enfatizavam que o conhecimento adquirido em seminário era uma ferramenta sem efeito prático, se estes dois ingredientes fossem descartados: A oração e a Palavra.

Havia em quase todos os postulantes ao ministério, uma firme convicção quanto a importância fundamental da oração nos resultados alcançados pelos obreiros. Fosse o ministério pastoral, fosse qualquer outro ministério de ensino, sabíamos que não haveria resultados, ou que os mesmos seriam ínfimos, se a oração não estivesse na base do mesmo.

Quando olhamos o desempenho de pastores e obreiros, no exercício de seu ministério, podemos facilmente perceber qual o papel que a oração desempenha na vida dos mesmos. Tenho visitado muitos obreiros e igrejas; tenho acompanhado atentamente o trabalho dos pastores da II Região. Posso não ser um "expert" neste tipo de avaliação; todavia, não é difícil perceber quando um obreiro não está orando. A espiritualidade de um pastor, ou a falta dela, é percebida quando "auscultamos" o pulsar do seu espírito no trabalho que fazem a frente de uma igreja.

"E os doze, convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que nós deixemos a palavra de Deus e sirvamos às mesas" (Atos 6.2).

Um famoso adágio popular afirma que "pelo andar da carruagem, sabe-se o que vem dentro". E podemos afirmar que um obreiro que ora de verdade, começa a apresentar resultados admiráveis em seu ministério. Quando o obreiro tem vida com Deus e gasta tempo com oração secreta, buscando ao Senhor pela madrugada, ele passa a transpirar espiritualidade. Suas mensagens são como labaredas de fogo, que abençoa e edifica as suas ovelhas. Seu rebanho cresce em número e em graça, exibindo saúde em todas as áreas.

Por outro lado, existem aqueles líderes que, a muito tempo, deixaram a palavra de Deus e passaram a servir às mesas. Em meus constantes "giros", tenho percebido que alguns obreiros deixaram suas funções pastorais para se dedicarem a funções diaconais. Não que a função diaconal desqualifique um obreiro (antes, pelo contrário, o texto de Atos 6.3 exige homens espirituais e de bom testemunho para o desempenho de tão honrada missão). Todavia, cada um deve ficar no ministério para o qual foi chamado pelo Senhor. É triste vermos pastores tentando competir com seus diáconos, interferindo nos assuntos diaconais, mergulhando em atividades que não fazem parte de sua missão precípua.

"Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra" (Atos 6.4).

Tenho absoluta certeza que um obreiro que pauta o seu ministério na oração e na Palavra, é capaz de transformar os grandes problemas do seu rebanho em gloriosas soluções. E, como a vida de oração apura o discernimento de espírito, um obreiro que ora pelas madrugadas nunca é pego de surpresa, pois Deus lhe dá o discernimento quanto ao real estado de membros que precisam de ajuda. A Palavra de Deus torna-se viva em seus lábios; e, deste modo, o conteúdo profético da mesma troveja mediante a sua pregação.

Como eu lamento o fato de que alguns obreiros passam as melhores horas do seu dia envolvido com a internet. Estão sempre no computador, como se computador fosse instrumento de prosperidade para uma pobre igreja. E o pior é que os tais obreiros não conseguem perceber que o adversário os mantém ocupados, como que numa espécie de vício, sem se darem conta que seu computador já substituiu a oração e até a própria bíblia em sua vida. Como resultado desta troca infeliz, seu rebanho começa a definhar e morrer. Suas ovelhas vivem subnutridas, vítimas dos predadores, sucumbindo ao longo do caminho. E eles nem se apercebem disso. É lamentável!

O obreiro que não cultiva vida de oração, geralmente, divide seu rebanho em amigos e adversários. É o tipo de obreiro que costuma queixar-se de supostas perseguições movidas por membros contra ele. Está sempre a lamentar-se daqueles irmãos que não contribuem (ele não entende que os mesmos estão empobrecidos por falta de pastor). O rebanho de um pastor que não ora, vai diminuindo a cada dia. Boas famílias se retiram discretamente, em busca de um verdadeiro pastor que possa cuidar de suas vidas. Obreiros assim, geralmente, desenvolvem uma relação de cumplicidade com alguns membros, aos quais valorizam de modo especial. São membros super assistidos, em termos pastorais, enquanto outros são deixados à míngua.

"Ora, Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo" (Atos 6.7).

Por outro lado, o obreiro que vive uma vida de oração constante, está sempre em sintonia com as necessidades espirituais do seu rebanho. Um obreiro espiritual e amoroso não classifica seus membros como "amigos do pastor" e inimigos do pastor". Antes pelo contrário, trata a todos de maneira igual, com amor e compaixão. E deste modo, conseguem uma convivência afetuosa e respeitosa, até mesmo com aqueles que com ele não simpatizam, entendendo que Deus os entregou aos seus cuidados para serem cuidados e guardados.

A unção que jorra de sua vida vai contagiando o seu rebanho, tornando-o fortalecido e ungido. É fato comprovado, que o rebanho de um pastor que ora e tem vida com Deus, cresce a cada dia. Qualquer crente, mesmo o menos espiritual, quando visita uma igreja, é capaz de perceber com clareza se existe fogo no altar. Quando um obreiro é marcado por vida de oração, o seu rebanho nutre por ele grande admiração. Suas ovelhas levam em alta conta os seus conselhos e estão sempre prontas a atender aos seus apelos.

Pessoalmente falando, posso afirmar que vale a pena manter o ministério sob o fogo produzido pela vida de oração. Tenho provado isso em minha vida e em meu ministério. O que tenho visto e experimentado, posso garantir, me credenciam a afirmar que um ministério baseado em vida de oração é um ministério de resultados.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 30 de outubro de 2010

Giro episcopal pela II Região

Durante a última visita que fizemos a Governador Valadares, vivemos alguns momentos que não podemos deixar "passar em branco". Foram experiências inesquecíveis, que só contribuíram para enriquecer ainda mais tudo o que experimentamos no contexto do II Congresso de Missões da IMW Central de Valadares.

1) Deus nos proporcionou a oportunidade de sermos convidados a um almoço com o querido casal Hely e Lina, em uma das melhores churrascarias de Valadares. A família pastoral, na pessoa do Pastor Valdívio e Isaura, também participou de tão agradável momento. Conversamos muito sobre diversos assuntos. E, como sempre acontece em ocasiões assim, as lembranças de um passado marcante e de grande edificação, foram carinhosamente rememoradas.

2) Outro momento emocionante, foi a visita que fizemos à querida irmã Georgina, que atualmente reside em um Lar para Idosos. Esta querida irmã, com seus oitenta e nove anos, apresenta uma mente lúcida e interativa. Lembrou-se nitidamente dos tempos em que fui seu pastor (tive o privilégio de batiza-la). Conversou com Maria Célia, como se estivéssemos sempre ali. Perguntou até pelos nossos filhos, citando seus nomes. Mencionou o nome de Daniela, admirando-se de que já estivesse casada, pois a conhecera ainda muito nova. Cantei, ministrei a Palavra e orei por ela, que foi tomada pelo Espírito, louvando a Deus em outras línguas. Seu neto - hoje casado e pai, lembrou-se quando, ainda menino, era conduzido por ela à igreja: Naquele tempo, quando eu batia com o pé no tablado, durante as mensagens, ele dizia para ela: "Vó, este é o nosso pastor!". Quero dar aqui os meus parabéns aos funcionários da instituição, que trazem tudo muito limpo e organizado. O Pastor Valdívio e Isaura, juntamente com a irmã Lina, nos acompanharam nesta gratificante visita.

3) Ah, Deus me reservou uma belíssima experiência: Fomos conduzidos em uma especial visita a amigos e irmãos de longa data - o inesquecível Presbítero Alcebiades e sua esposa Geiúza, juntamente com seus filhos, netos e até bisnetos. Hoje ele se encontra bem diferente dos idos de 70, caminhando para seus oitenta anos. Ele era bem obeso e hoje bem esbelto (brinquei com ele, dizendo que a obesidade dele fora transferida, distribuída entre Geíuza, Célia e eu). Cantamos, ministrei e oramos, tal como no passado. E ainda deu para ouvirmos o seu famoso grito de vitória: "Oh Glória"!. Neste visita, fomos acompanhados de uma verdadeira caravana: Pastor Valdívio, Isaura, Lina, Maria Gonçalves e os casais: Presbítero Anicelto e sua esposa Marli; Presbítero Décio e sua esposa Maria Eulália. Obrigado, Senhor!

4) As últimas visitas que fizemos, foi em casa da irmã Salete, que ficou viúva a poucas semanas, do inesquecível Teodorico, nosso dedicado tesoureiro na IMW de Governador Valadares, desde o tempo da "Rua Cinquenta". Foram momentos que evocaram saudade. Este saudoso irmão esteve sempre ao nosso lado, em todas as conquistas valadarenses, desde aquele dia em que visitamos a família em um casebrezinho de madeira, quando Deus salvou aquela família. Eles experimentaram ascensão espiritual e social, decorrente do mover de Deus em suas vidas. Visitamos também o Presbítero Elias, um irmão e amigo. Tive o privilégio de batizá-lo, ainda jovenzinho. Ele e a "Tia Nénem" (como é carinhosamente chamada sua esposa), nos receberam com grande alegria em sua casa, para esta rápida visita. Lá estava uma de suas filhas, ainda convalescendo de uma pequena cirurgia; e também a sogra do Elias. Por tudo o que vimos e experimentamos, glória a Deus!

Aproveito para destacar que o Pastor Valdívio foi um companheiro sempre presente, em todas as visitas que fizemos. Sacrificou, inclusive, alguns compromissos, para nos dar total assistência durante o tempo em que ali estivemos. Nossa hospedagem em sua casa foi um enorme prazer. O atendimento foi "classe A"; desde as acomodações até as deliciosas refeições que fizemos juntos, preparadas pela eficiente irmã Isaura. E os cafés da manhã? Sempre regados a suco, frutas e diversas iguarias. Foi um "giro" muito especial.

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Procura-se homens de Deus

"26. Os seus sacerdotes violentam a minha lei, e profanam as minhas coisas santas; não fazem ferença entre o santo e o profano, nem ensinam a discernir entre o impuro e o puro; e de meus sábados escondem os seus olhos, e assim sou profanado no meio deles. 27. Os seus príncipes no meio dela são como lobos que arrebatam a presa: derramando o sangue, e destruindo vidas, para adquirirem lucro desonesto. 28. E os profetas têm feito para eles reboco com argamassa fraca tendo visões falsas, e adivinhando-lhes mentira, dizendo: Assim diz o Senhor Deus; sem que o Senhor tivesse falado. 29. O povo da terra tem usado de opressão, e andado roubando e fazendo violência ao pobre e ao necessitado, e tem oprimido injustamente ao estrangeiro. 30. E busquei dentre eles um homem que levantasse o muro, e se pusesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse; porém a ninguém achei. 31. Por isso eu derramei sobre eles a minha indignação; com o fogo do meu furor os consumi; fiz que o seu caminho lhes recaísse sobre a cabeça, diz o Senhor Deus" (Ezequiel 22.30).

A frase serve de título, pode ser considerada uma paráfrase de uma outra, bem parecida, que tem sido cunhada com o objetivo de procurar objetos perdidos, pessoas desaparecidas, etc. Quando examinamos alguns textos bíblicos, que apontam a relação de causa e efeito entre rebelião e punição, percebemos que Deus utiliza o termo para indicar que Ele mesmo procura homens. Ele os procura, para ser adorado; Ele os procura, para ser servido; e, de um modo especial, Ele os procura, para a realização de tarefas especiais.

O texto de Ezequiel 22, em destaque acima, revela o estado de decadência moral em que o povo de Deus se encontrava; motivo este que levou o próprio Deus a duas medidas básicas: Em primeiro lugar, Ele denuncia a crise espiritual e moral que atingia em cheio a própria liderança que estava sobre o Seu povo. E também, demonstra o desejo de encontrar alguém que pudesse ser usado para reverter o tragédia iminente, decorrente do descaso e arrogância em que se encontrava o governo do Seu povo. Examinemos resumidamente os versículos propostos:

"Os seus sacerdotes violentam a minha lei, e profanam as minhas coisas santas; não fazem diferença entre o santo e o profano, nem ensinam a discernir entre o impuro e o puro" (v. 26)
Os sacerdotes - instância máxima do governo espiritual da nação de Israel, se corromperam; seu culto a Deus era tendenciosos; uma flagrante profanação daquilo que era sagrado. Distantes de Deus como se encontravam, perderam o discernimento, a ponto de não saberem a diferença entre o que era santo e o que era profano; entre o que era puro e o que era impuro. Eram cegos guiando cegos!

"Os seus príncipes no meio dela são como lobos que arrebatam a presa: derramando o sangue, e destruindo vidas, para adquirirem lucro desonesto" (v. 27).
A esfera política de governo fora tremendamente afetada pela ruína espiritual dos sacerdotes, que atingiu em cheio os príncipes. Estes, influenciados pelo péssimo testemunho daqueles, tornaram-se semelhantes a animais vorazes; verdadeiros predadores, capazes de qualquer coisa para auferir lucro. Em sua desmedida ganância, não se importavam em destruir vidas indefesas, para acumularem bens e riquezas.

"E os profetas têm feito para eles reboco com argamassa fraca tendo visões falsas, e adivinhando-lhes mentira, dizendo: Assim diz o Senhor Deus; sem que o Senhor tivesse falado" (v. 28).
Os profetas - reconhecido marco de advertência, se deixaram manipular pelo suborno. Suas profecias procuravam atender aos caprichos dos que "encomendavam" os seus serviços. Havia profecias para todos os gostos, moldadas à serviço de régias recompensas. Em sua busca compulsiva por vantagens, valiam-se de tudo para agradar a clientela. Vendiam-se a quem pagava mais; cada profecia tinha um determinado preço; portanto, os que mais podiam pagar, obtinham as mais favoráveis profecias.

"O povo da terra tem usado de opressão, e andado roubando e fazendo violência ao pobre e ao necessitado, e tem oprimido injustamente ao estrangeiro (v. 29).
A iniquidade crescente entre os que governavam o povo de Deus, tanto na esfera religiosa como política, provocou a decadência de toda a nação. A iniquidade dos líderes tornou-se uma espécie de polvo, com seus tentáculos se movendo em direção aos seus liderados, enrodilhando e sufocando as pessoas. A violência dominava as ruas da cidade. Não havia segurança em lugar algum. E, geralmente, os que mais sofriam vítimas de tamanha violência, eram os pobres e necessitados; completamente desamparados pela classe dominante, pelo simples fato de não terem nada o que oferecer em troca..

"E busquei dentre eles um homem que levantasse o muro, e se pusesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse; porém a ninguém achei" (v. 30).
Em meio a tamanha confusão, miséria e desespero, o próprio Deus se põe à procura de alguém que se pusesse como intercessor, para que o devido castigo não se manifestasse em toda a sua magnitude. E segundo o testemunho do próprio Deus, a procura foi em vão. O contágio produzido pela maldade já atingira a todos sem distinção. Não havia alguém que Deus pudesse usar. Que pena!

"Por isso eu derramei sobre eles a minha indignação; com o fogo do meu furor os consumi; fiz que o seu caminho lhes recaísse sobre a cabeça, diz o Senhor Deus" (v. 31).
A falta de um vaso limpo, de um intercessor dedicado, acabou por provocar a ira divina. E quando Deus se ira com a maldade dos homens; quando Ele se indigna com a depravação dos homens, a consequente punição se torna inevitável. E a Palavra de Deus nos dá a inteira certeza de que quando o mal moral se torna incontrolável (pecado), a ponto de contaminar crianças e velhos, homens e mulheres, pobres e ricos, pastores e ovelhas; a resposta de Deus pode vir em forma do mal natural, que se manifesta em forma de terremotos, furacões, maremotos. A natureza em fúria costuma ser o mais frequente agente de Deus para punir a opressão; a maldade; a profanação; e tudo o mais que o homem distante de Deus arquiteta contra o seu próximo e, em última instância, contra o próprio Deus eterno. Misericórdia, Senhor!!!

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 24 de outubro de 2010

Congresso de Missões

A IMW Central de Governador Valadares realizou neste fim de semana a segunda edição do seu Congresso de Missões.

Célia e eu, sempre alimentamos um sentimento de grande satisfação, quando se trata de retornarmos a Governador Valadares. E o Congresso de Missões promovido pela IMW Central conseguiu, em nós, aliar o útil ao agradável. Lamentavelmente, não tivemos condição de participar desde sua abertura. Mas conseguimos participar da reunião do sábado a noite; e pude pregar no encerramento, domingo a noite. O programa foi enriquecido pelos talentos; tanto da equipe coordenadora, liderada pela Missionária Jucélia, como também daqueles que participaram do Ministério de Louvor e do Ministério de Coreografia. Outro fato de grande edificação, foi a presença da grande maioria dos pastores do Distrito (alguns organizaram caravanas em suas igrejas).

Uma presença que deu um tom de missões, a nível internacional, foi a presença oficial da Missionária Consuelita - nossa obreira em Moçambique, na África. Suas ministrações, aliadas ao seu carisma pessoal, deram uma grande contribuição ao bom êxito do evento. Segundo minhas observações, este congresso foi de uma organização admirável; mesmo em se tratando de um evento local.

Louvo a Deus pela atuação admirável do Pastor Valdívio. Não tenho a menor dúvida de que sua nomeação como Pastor da igreja central e SD do Distrito de Valadares, resultou em um novo momento, tanto na vida da igreja central como na vida do Distrito. Já se nota um bom número de famílias retornando ao movimento wesleyano. E também o Distrito de Governador Valadares dá nítidos sinais de amadurecimento e unidade crescente. Segundo o meu entendimento, a IMW caminha para reassumir o seu lugar dentro do contexto evangélico desta tão importante cidade de Minas Gerais.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de Guidoval

Pois é, meus irmãos; finalmente conseguimos chegar em Guidoval! Estávamos em dívida com a IMW de Guidoval, por termos faltado a uma visita agendada, mesmo tendo sido por motivos de força maior. Célia e eu, fizemos uma viagem corrida, de tirar o fôlego, mas abençoada. É que participamos, no mesmo dia, do culto fúnebre pelo falecimento do Aspirante Izaquiel. Ministrei uma breve palavra e saímos em seguida. Um dos diáconos da igreja já estava a nossa espera, em frente a Delegacia da cidade, para nos levar ao salão de cultos.

O culto já estava em andamento quando entramos. O Aspirante Saulo ministrava uma palavra inspirativa. Logo em seguida, o ministério de louvor teve uma participação brilhante, entoando belos hinos. Celia trouxe um testemunho impactante, que provocou reação positiva em diversas irmãs. A família pastoral estava a nossa espera; e também os Aspirantes: Antonio, Saulo e Carlos. Deus me deu uma palavra para a igreja e, ao final, oramos por todos os presentes. Como haviam irmão eleitos em assembleia anterior, mas ainda não consagrados, tivemos em seguida a consagração do Celso a Presbítero; e também a consagração de um diácono e duas diaconisas.

Logo após o culto, fomos participar de um jantar na casa de um dos irmãos, que é Vereador na cidade; o qual, juntamente com sua esposa, preparou um verdadeiro banquete: Tilápias fritinhas (haviam sido pescadas a poucos instantes), com salada completa e um delicioso arroz com feijão, feito na hora. Foi um momento de muita alegria, compartilhado por diversos irmãos que ali estavam; dentre eles, os Aspirantes João Marcos, Antonio e Saulo; e também o Presbítero recem-consagrado Celso. Um dos irmãos foi no lago e trouxe dois peixes enormes (tambaquis), e também traíras (aqueles irmãos são especialistas em pesca).

Em seguida, fomos dormir, já bem tarde. Mas foi um sono reparador, na residência pastoral. Pela manhã tomamos um café da manhã reforçado (pão com ovos caipira mexidos, suco de uva, café com leite, etc). O Aspirante João Marcos e sua esposa, a irmã Fernanda, juntamente com seus dois queridos filhos, nos receberam com a maior das honrarias. Os pais da Fernanda estavam em visita, tendo vindo de Cabo Frio até Guidoval (foi muito bem tê-los encontramos, pois já nos conhecemos de longa data. Até o próximo "giro".

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Relembrando antigos tempos

De quando em vez, na vida de todos nós, algo novo acontece. Geralmente, o novo sempre trás consigo a quebra da rotina. Isso aconteceu comigo! No domingo, tive a feliz oportunidade de visitar um velho amigo; alguém com quem raramente me encontro. Nossas múltiplas atividades - as dele e as minhas - nos colocam em pontos distantes. Pois é! Por ocasião da Posse dos Bispos: Elisiário e Amaral, lá estava, como ilustre convidado, o Pastor Antonio Faleiro, o amigo de longa data, a quem me refiro (ele foi um dos membros fundadores da Igreja Metodista Wesleyana). Ali mesmo, renovou um convite feito anteriormente, para que eu pregasse na Igreja Metodista de Botafogo, no Rio de Janeiro, da qual ele é fundador e Pastor. O convite foi atendido neste domingo, com pregação no culto da manhã, e também no culto da noite.

Maria Célia e eu, levantamos muito cedo, para viajar ao Rio de Janeiro. Nosso compromisso era chegar até nove e meia da manhã, para o culto matutino. Lamentavelmente, esquecemos que o horário havia mudado na noite anterior. Entretanto, como saímos bem cedo, ainda conseguimos chegar em boa hora, com cerca de vinte minutos de atraso. Fomos muito bem recebidos naquela igreja, que tem a "cara" do seu pastor - alegre e descontraída. Tanto a família pastoral, como os demais obreiros da Igreja Metodista de Botafogo, não pouparam esforços em nos atender. O culto foi marcado por muita emoção! O Pastor Faleiro, comovido, apresentou Maria Celia, que fora sua ovelha na década de sessenta; tendo sido por ele batizada, quando ainda era uma adolescente com cerca de 13 anos (ah, ele fez também o nosso casamento, no dia 11 de julho de 1970, juntamente com o saudoso Bispo Gessé). Preguei logo em seguida, ministrando sobre os tempos difíceis em que vivemos, com base em Mateus 24.

Após o culto, fomos conhecer as instalações da igreja (belíssima propriedade adquirida numa das artérias mais importantes do Botafogo - a Rua São Clemente). Em seguida, no gabinete pastoral, ouvimos um testemunho de fé e empreendedorismo. O Pastor Antonio Faleiro iniciou aquela igreja a cerca de nove anos, apenas com sua família. As primeiras reuniões foram em sua casa; depois passaram a reunir-se na capela do Bennett; dali, seguiram para um salão alugado. E em 2005, veio a grande conquista: a compra da propriedade na São Clemente - um projeto audacioso! Gerado no coração do Pastor Faleiro, tornou-se um marco de conquista. Muitas almas tem sido alcançadas para o Senhor Jesus. O amor e carinho que as ovelhas nutrem pelo seu pastor é visível. Ficamos também conhecendo melhor o Pastor Clovis - um homem preparado e companheiro dedicado, sempre ao lado do Pastor Faleiro.

Dali, seguimos para o almoço na residência pastoral. A irmã Alvanir e suas duas queridas filhas - Cláudia e Lilian, estavam a nossa espera com carne assada fatiada, salada, inhoque de alho poró, arroz e feijão e um delicioso pudim como sobremesa. Fiquei conhecendo também o futuro genro do Pastor Faleiro. Aproveitamos para conversar via internet com seu filho e sua nora, que são missionários na França. Foi muito agradável termos podido estar juntos. Lembrei-me do natal de 1069, quando estive por alguns dias hospedado em sua casa, em Nilópolis, pregando na Primeira Igreja Wesleyana de Nilópolis, onde ele fez um brilhante pastorado. Faleiro é uma pessoa simples, dedicada - um bom amigo.

Após um breve descanso, nos preparamos para ir ao culto vespertino. Foi um culto marcado por muita unção e alegria. O Ministério de Louvor deu conta da missão de conduzir-nos à presença do Senhor, em adoração. Em seguida, preguei mensagem sobre fundamentos (Mateus 7.24-25). Senti muita liberdade para ministrar e para convidar os presentes para oração com imposição de mãos pelos pastores Faleiro e Clovis. Saímos de Botafogo, gratos a Deus por nos ter concedido a oportunidade de rever amigos tão chegados, fortalecendo com eles os laços de amizade e comunhão.

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de Palmas

No domingo pela manhã, o Pastor Adair levou-me em seu carro para Palmas; chegamos na hora do almoço. Estavam nos esperando diversos irmãos; um verdadeiro churrasco comunitário! Percebi uma grande alegria entre os irmãos. A liderança wesleyana da igreja de Palmas está fortalecida e motivada. Como o Pastor Adair não podia permanecer conosco, viajou de volta a Gurupi logo após o almoço.

O culto dominical foi marcado por grande unção. Era visível a alegria estampada na face dos irmãos e convidados. O Pastor Júlio Celso, juntamente com sua esposa Andreia e a filha Thalyta, cairam na graça do povo de Palmas. O Ministério de Louvor, dirigido pelo irmão Elvis, demonstrou dedicação e espiritualidade. Deus me deu graça para pregar uma mensagem oportuna. Ao apelo, oramos por todos os presentes. Antes do encerramento, a irmã Andreia dirigiu um momento social, no qual a igreja presenteou-me, a mim e a irmã Maria Célia, mesmo ela estando ausente (Célia amou o presente que enviaram para ela - uma belíssima bolsa, coisa que mulher tanto gosta!).

Além da família pastoral, a igreja de Palmas tem em sua liderança os seguintes obreiros: Vice Presidente - Presbítero Hely Marques; Tesoureira - Diaconisa Diselma Leandro (seu filho Júnior, empresário de Lan House, vai se casar no dia 16/10 com Edicléia); Diacono Pedro (este irmão tem uma familia grande, todos na igreja; seus filhos e noras fazem parte da liderança da igreja); Presbítero Elvis Presley e sua esposa Eline (Lideres de louvor, dança Jovens e Adolescentes); Ação Social - Magda Marques (esposa do Pb Hely); Crianças e Juniores - Andreia e Talyta. Temos também o Irmão Laudimiro, que tem o chamado ministerial (este irmão foi recebido da AD); os casais - Paulo e Michele (Empresários); Marcos e Patrícia (este irmão está se formando em Direito); Evandro e família (este irmão tem ajudado muito a igreja); são casais que estão dando eficiente colaboração à igreja.

Após o culto, fui conduzido pela família pastoral, para comer uma deliciosa "pizza nordestina", na agradável Pizzaria Shekinah. Conversamos bastante, antes de retornar, para o descanso (é que pela manhã bem cedo - antes das cinco da manhã, o Pastor Júlio Celso precisava levar-me ao Aeroporto). A viagem ao Campo Missionário de Tocantins, foi de grande inspiração e observação para futuras decisões conciliares. Até o próximo "giro".

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 17 de outubro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de Peixe

Nossa viagem prosseguiu, deixando o Pastor Júlio Celso em Palmas; Seguindo até Gurupi. , apenas para nos aprontarmos para o culto em Peixe. Esta cidade fica a setenta km de Gurupi. A igreja estava em culto, mas não sabia da nossa chegada. É que se deu o falecimento do pai da irmã Luci - esposa do Pastor Emildo. Como eles tiveram que viajar para Uberlândia, em função da grave enfermidade e falecimento do pai e sogro do casal, o Pastor Emildo informou a igreja que não iríamos mais fazer a visita. Depois de termos feito uma rápida visita ao Presbítero Mauro - homem de Deus e coluna naquela igreja; uma família muito amada pelos irmãos da igreja do Peixe. Participamos de um culto pouco frequentado. Mas isso não diminuiu a alegria dos presentes com a nossa visita.

O Presbítero Divino, da Igreja O Brasil Para Cristo, a quem o Pastor Emildo entregara a igreja durante os dias de sua ausência, dirigiu o culto. Sem saber quem éramos, dirigiu-se a mim, perguntando se eu era um visitante do lugar. O Pastor Adair apresentou-me aos poucos irmãos presentes. O Ministério de louvor teve brilhante participação. São meninas que valem ouro. Preguei como se fosse o maior auditório da minha vida! Após o culto, abraçamos aos queridos irmãos e fomos comer pizza em casa do Presbítero Divino, que nos recebeu muito bem em sua casa. Só estranhamos a igreja não ter sido entregue ao Presbítero Mauro. No dia seguinte, o Pastor Emildo me telefonou , se desculpando por ter entendido que eu não faria a visita. Expliquei-lhe que era uma visita agendada; portanto, não poderia deixar de ir.

IMW de Gurupi

Naquela noite, dormi em Gurupi, na casa pastoral. A irmã Alaide, esposa do Pasto Adair, preparou um almoço bem mineiro - frango com quiabo, angú, arroz e feijão. Após o almoço, fomos, juntamente com o Presbítero Donizete Ferreira, para conhecer as cidades de Cariri e Figueirópolis, às margens da Belém/Brasília; a primeira a cerca de vinte km e a segunda a cerca de cinquenta km de Gurupi. A Sede Regional Tem projetos de abertura de novos trabalhos em Tocantins, que incluem estas duas cidades.

Em Gurupi, não houve culto; mas sim uma confraternização com os irmãos da liderança da igreja. Estavam presentes : Família Pastoral: Pastor Adair, Alaide (esposa), Adair Junior e Pryscyla Ohana (filhos). Oficiais da igreja: Donizete Ferreira,( presbítero) Vaneuza Martins,( Diaconisa). Nilson Coelho,( Diretor de jovens). Paulo Roberto,(Diacono). Alaide Bastos,(diretora de louvor). Foram horas de grande alegria, com muito louvor e muita comunhão! Enquanto confraternizávamos, foi servido um delicioso caldo de frango; algo bem informal.

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 16 de outubro de 2010

Nota de Falecimento

Faleceu nesta quinta-feira, dia 14, o querido e inesquecível Aspirante Izaquiel Vicente de Oliveira. Este amado irmão exerceu o cargo de Presbítero da IMW Central de Petrópolis por vários anos. A alguns anos atrás sentiu, da parte de Deus, o desejo de abrir um trabalho na cidade mineira de Pequeri. Sua igreja apoiou plenamente sua iniciativa, e o trabalho foi aberto. Várias vidas foram sendo salvas, como fruto do seu ministério; sempre apoiado por sua esposa, a irmã Soledade. Passados alguns anos, o trabalho se consolidou, com uma excelente estrutura e alguns ministérios em ótimo funcionamento.

No final de dezembro passado, este trabalho migrou para a II Região, por estar plantado na jurisdição da mesma. Em função desta migração, o casal Izaquiel e Soledade, juntamente com a Missionaria Lindinalva, resolveu transferir-se para a II Região. Por ocasião do Concílio de Posse, realizado em dezembro de 2009, Izaquiel foi declarado Aspirante e nomeado para o trabalho que fundara e tanto amara - agora transformado em "igreja em organização". A obra wesleyana em Pequeri entrou, a partir de então, em uma nova dinâmica. O FIW da II Região adquiriu o terreno para a igreja, no valor de quarenta mil reais - terreno este escolhido e adquirido preventivamente pelo homem de visão que foi o Izaquiel; a pedra fundamental foi lançada a algumas semanas atrás, conforme postagem neste blog.

E agora, repentinamente, este amado companheiro faleceu. Seu testemunho cristão foi de um brilho admirável, e de grande projeção, para a glória do Senhor. Tanto em Pequeri, onde desenvolvia o seu estágio no aspirantado ao ministério pastoral, como em todos os lugares por onde circulava, em sua intensa atividade profissional; seu dinamismo e empreendedorismo eram elementos de destaque. Ao partir de entre nós, deixa viúva, duas filhas e um filho; estes, servindo ao Senhor e muito bem casados. Sua morte se deu, enquanto dormia. Seu corpo foi encontrado no leito de sua casa em Petrópolis. Sua esposa, que diariamente mantinha contato telefônico com ele, por não ter telefonemas seus atendidos, resolveu ir a Petrópolis, para ver o que estava acontecendo; e o encontrou no leito, já falecido, como se estivesse dormindo.

Pois é; o querido companheiro de ministério partiu para o Senhor; e partiu tão discretamente como sempre viveu. É como se tivesse "se retirado pela porta dos fundos" em meio a uma festa, sem que ninguém se apercebesse disso. Saiu desta vida "pela porta dos fundos", mediante o modo como morreu; para entrar na glória "pela porta da frente", coberto de frutos de justiça, e da honra concedida por Jesus - Aquele que por ele morreu. Tenho plena convicção de que, dentre os nomes inscritos no "Livro da Vida", consta o do Izaquiel. Tão certo como existe dia e noite; tão certo como o ar que respiramos, creio que os ouvidos do Aspirante Izaquiel, ouvirão dos lábios do Senhor, o célebre "bem-vindo servo bom é fiel".

Ousei declarar, por ocasião do ofício fúnebre, realizado no templo da IMW Central de Petrópolis, que existem dois tipos de pastor: Aquele que é "chamado pastor"; e aquele que é "pastor chamado". Sem o menor desejo de, aqui, definir os termos; estou absolutamente convencido que Izaquiel era um "pastor chamado". Vá, Pastor Izaquiel! Descanse dos teus trabalhos, enquanto tuas obras hão de acompanhar-te, por toda a eternidade (Apocalipse 14.13).

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de Colinas do Tocantins

De Araguaina, fomos para Colinas, a pouco mais de cem km. Chegamos em Colinas do Tocantins na hora do almoço. O casal - Pastor Manoel e Graça, já estava a nossa espera, com um almoço bem mineiro (costela assada, linguiça de porco fritinha com cebola, à moda mineira; tudo acompanhado de arroz, feijáo, mandioca, salada de beterraba e cebola; regado ao suco de melancia). Tivemos um bom momento de conversa, após o almoço. Em seguida, rumamos para o hotel onde ficamos hospedados. Deu para descansar um pouco, antes de nos prepararmos para o culto. O templo, que passou por uma bela reforma, ficou muito bonito.

O culto foi muito abençoado. A igreja está bem animada, com um louvor bem participativo. Após o louvor, o Pastor Manoel deu oportunidade tanto ao Pastor Adair como ao Pastor Júlio Celso. Preguei em seguida; Deus se fez presente, abençoando a todos os irmãos. Após o culto, jantamos com o Pastor Manoel, sua esposa e filha. Para a alegria geral, ela repetiu a dose de linguiça frita (todos nós gostamos muito); até exageramos um pouquinho na dose. Enquanto comíamos, contamos muitos casos e experiências.

O café da manhã que estava combinado com o Presbítero Zacarias e irmã Elina - um casal muito dedicado e atencioso, foi bem especial, com direito a uma dose do xarope de noni - a fruta abundante naquela região, de grande poder revigorante; e também muita água de coco. Antes de sairmos, tivemos um momento de oração e grande visitação do Espírito. Dali, seguimos para a casa do Pastor Manoel, para nos despedirmos. O engraçado é que a família pastoral também nos esperava com uma farta mesa de café. Embora satisfeitos, achamos por bem participar, ainda que discretamente, daquele esforço da irmã Graça para nos servir.

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Semeando com lágrimas - colhendo com júbilo

"Quando o Senhor trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, éramos como os que estão sonhando. Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cânticos. Então se dizia entre as nações: Grandes coisas fez o Senhor por eles. Sim, grandes coisas fez o Senhor por nós, e por isso estamos alegres. Fazei regressar os nossos cativos, Senhor, como as correntes no sul. Os que semeiam em lágrimas, com cânticos de júbilo segarão. Aquele que sai chorando, levando a semente para semear, voltará com cânticos de júbilo, trazendo consigo os seus molhos" (Salmo 126.1-6).

O Salmo 126 sempre causou profundas impressões em minha vida, desde a primeira vez em que o li, quando ainda era um novo convertido. O testemunho que dele transpira, revela um misto de sofrimento e alegria: A alegria provocada por aquilo que Deus fez em nós e por nós; mesclada com dor e sofrimento, experimentados por todo aquele que procura ajudar os perdidos; compartilhando esta "semente" com os que que vivem sem Deus e sem salvação. Melhor explicando:

A FONTE DA VERDADEIRA ALEGRIA

A alegria da salvação e libertação é algo maravilhoso! Ela produz um prazer incomum. O gozo produzido pela libertação do cativeiro de Satanás, em nada se assemelha com os prazeres deste mundo. O testemunho do salmo, sobre riso e cânticos, tem a ver com um coração do amor de Deus; que provou verdadeira experiência de salvação e libertação. Em nossa vida, muita coisa muda, quando nós mudamos por dentro. A história da Igreja está pontilhada de vidas cheias de Deus, cujo testemunho proclamava que haviam tido um encontro real com o Senhor.

E a incrível mudança resultante desse encontro, transforma sentimentos, intelecto, corpo físico, carater, habilidades e relacionamentos. Não há setor da vida que não seja afetado pelo poder do Espírito Santo, quando somos alvejados e transformados pela Palavra de Deus. Sabemos que a verdadeira experiência de salvação, em Cristo Jesus, só é possível mediante o ouvir da Palavra. E a Palavra é a semente da vida eterna - aquela que produz os mais belos frutos na vida de uma pessoa, em cuja vida a mesma tenha sido semeada.

A DOR PELOS PERDIDOS

Todavia, a salvação e a libertação que experimentamos, nos leva a sentir profunda dor e compaixão por aqueles que vivem longe de Deus - aprisionados nas garras do inimigo. E quando absorvemos os sentimentos de Cristo, a dor produzida por esta visão é capaz de provocar uma reação em cadeia em nosso interior; esta reação, de dentro para fora, nos obriga a tomar a decisão de procurar alcançar os perdidos para Cristo.

O trabalho de alcançar aqueles que estão distantes de Deus, não é uma missão simples e facilitada. Geralmente, a maior dificuldade surge por parte daqueles a quem pretendemos ajudar. Muitos deles procuram resistir à boa semente. E fazem isso, porque não percebem o seu real estado - sem Deus e sem salvação. Mas, o importante é insistir. Como diz o adágio popular: "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura".

Outro grande entrave ao sucesso da nossa sementeira, são as obstruções de Satanás. O inimigo procura, por todos os meios, nos demover da missão de semear a Palavra de Deus. E também, procura por obstáculos, para que as vidas não se rendam a Jesus. Ele age assim , porque sabe que a Palavra tem um extraordinario impacto na vida daqueles que a recebem. Ele sabe que muitas vítimas suas foram libertas de suas misérias e opressões; muitos casamentos desfeitos, foram restaurados pelo poder de Deus. E tudo isso, devido ao bem que a Palavra de Deus sempre faz aos que são atingidos por ela.

CONCLUINDO

Portanto, não devemos nos intimidar ante ataques e incompreensões. A Palavra de Deus diz que somos mais do que vencedores por Cristo que nos amou. E declara, no final do texto em foco, que "aquele que sai chorando, levando a semente para semear, voltará com cânticos de júbilo, trazendo consigo os seus molhos" (v. 6).

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Giro episcopal pela II Região

Visita ao Campo Missionário de Tocantins

Saí para Tocantins, em vôo da TAM, na terça - dia cinco, com chegada prevista em Palmas a meia-noite. Desta vez, fui privado da companhia de Maria Célia, que precisou ficar para fazer alguns exames. No Aeroporto, estava a minha espera o Pastor Júlio Celso. Dormi em sua casa, no quarto do casal que me foi gentilmente cedido por ele e a irmã Andréia. No dia seguinte, pela manhã, chegou o Pastor Adair, que nos levaria em seu carro, na visita a Araguaína e Colinas do Tocantins. Almoçamos juntos - um delicioso prato à base de peixe, feito de três maneiras: assado, frito e caldeirada; acompanhado de arroz, e pequi refogado; tudo preparado com muito carinho pela irmã Andréia. Viajamos logo após o almoço, levando também conosco o Pastor Julio Celso, para nossa primeira visita oficial.

IMW de Araguaína

Araguaina é a segunda cidade em importância, no Estado de Tocantins. Uma bela cidade; bem moderna. Chegamos pouco antes do culto, não dando tempo nem para o banho. Logo no início do culto, pude perceber que a igreja está bem melhor do que da última vez em que lá estive. O Ministério de Louvor deu abertura ao culto. Mesmo sendo um dia neutro, o templo provisório esteve bem frequentado (um novo templo está sendo construido, bem maior do que o anterior). Preguei com liberdade e unção a Palavra do Senhor; a igreja respondeu com alegria e quebrantamento. Ao final, oramos pelo povo.

Após o culto, tomamos um bom banho. Enquanto isso, a irmã Noêmia e sua nora, preparavam a mesa do jantar. Fomos servidos com um prato à base de peixe e carne: piau bem fritinho e tão bem ticadinho, que nem dava para perceber se tinha espinha; e também um delicioso filé acebolado; tudo acompanhado com arroz, feijão e uma salada de tomate fabulosa. Só lamentei não ter encontrado o André, um dos filhos do casal, que estava trabalhando em local distante. Fomos dormir tarde. Pela manhã, a mesa do café já estava pronta. O Pastor Adão falou sobre seus planos em Araguaina; Tanto a irmã Noêmia como sua dedicada nora não mediram esforços em sua dedicação. Em seguida, seguimos para Colinas do Tocantins, onde a família pastoral nos aguardava para o almoço - que será assunto do próximo "giro".

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 9 de outubro de 2010

Eu Sou Jesus, a quem tu persegues

"Saulo, porém, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote e pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas; a fim de que, caso encontrasse alguns do Caminho, quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém. Mas, seguindo ele viagem e aproximando-se de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu; e, caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Ele perguntou: Quem és tu, Senhor? Respondeu-lhe o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues" (Atos 9.1-5).

A experiência de Paulo, no caminho de Damasco, é um dos mais importantes marcos da história da Igreja Primitiva. E isto se deve ao fato de que Paulo não era apenas um perseguidor comum; movido por motivos egoístas, ou por mera vingança. Na verdade, Paulo julgava estar prestando um serviço à Deus, em sua obstinada perseguição contra os cristãos. Sendo ele um zeloso farizeu, era alimentado por uma profunda convicção, de que estava combatendo os inimigos da fé de seus pais. Segundo o seu conceito judaizante, cabia-lhe reprimir os opositores da doutrina de Deus, conforme ensinada e defendida pelo judaísmo de seu tempo. Destacamos aqui que ele era um dos mais ardorosos discípulos de Gamaliel, o grande sábio judeu.

O que se percebe nesta história, é que aquilo que poderia ter se restringido a um debate apologético; a um confronto dialético, transformara-se em uma implacável perseguição contra o próprio Deus.E esta obsessão em perseguir os cristãos já tingira com sangue o quadro do conflito, martirizando por apedrejamento o corajoso Estevâo, dentre outros mártires. Mesmo que Paulo não se desse conta disso, ele estava em rota de colisão com o próprio Jeová - aquele a quem julgava defender. Nos impressiona o fato de que as mais cruéis perseguições contra os servos do Senhor, se davam pelo simples motivo de que os mesmos procuravam servir com integridade a Deus.

Na verdade, o único "pecado" desses heróis da fé, era pregar a Palavra de Deus com eficácia; testificando a judeus e a gregos que Jesus era o Cristo - o Salvador do mundo. E ainda hoje vemos este tipo de violência, movida por inveja e preconceito, produzir dor e sofrimento em obreiros cheios de frutos de justiça, apenas pelo fato de quererem viver piamente em Cristo Jesus, servindo com amor e dedicação ao rebanho do Senhor.

E o mais doloroso é que estes perseguidores de plantão parecem desconhecer que, ao oprimirem e perseguirem seus irmãos, acabam por se tornar vítimas de sua própria maldade. Não entendem que se persistirem em agredir aqueles a quem Deus chamou, ferindo deste modo o "Corpo de Cristo", acabarão por sorver do seu próprio veneno, sendo definitivamente punidos pela lei da semeadura e da ceifa (tudo o que o homem semear, isso também ceifará).

Os tais perseguidores não conseguem entender que, no Reino de Deus, a justiça não é executada por nós; e sim, pelo próprio Deus, que trará à luz os atos de crueldade daqueles que os praticam; os quais, em sua obstinada loucura, vão agindo como se fossem "flagelo de Deus", ferindo e oprimindo dedicados filhos de Deus; alegando sempre que sua atitude é em defesa dos interesses do próprio Deus.

Infelizmente, não escaparão ao castigo que lhes está reservado. (Paulo conseguiu escapar, porque sua rendição no caminho de Damasco redirecionou a sua vida, levando-o ao seu verdadeiro objetivo). Quanto aos que persistirem neste erro, mesmo que o castigo não ocorra de imediato, acabarão por ter um triste fim - infelizes, solitários, perdidos. A Palavra de Deus nos adverte com clareza: "Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para praticar o mal. Ainda que o pecador faça o mal cem vezes, e os dias se lhe prolonguem, contudo eu sei com certeza que bem sucede aos que temem a Deus, porque temem diante dEle. Ao ímpio, porém, não irá bem, e ele não prolongará os seus dias, que são como a sombra; porque ele não teme diante de Deus" (Eclesiastes 8.11-13). Que o Senhor tenha misericórdia dos tais!

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Giro episcopal pela II Região

Distrito de Juiz de Fora

O último fim de semana foi de grande movimentação. E não foi só devido ao calendário eleitoral. No sábado - véspera do pleito eleitoral, estava agendado o lançamento da "Pedra Fundamental" do templo da IMW de Pequeri a tarde. E a noite, foi foi realizada a segunda edição do evento "Esperança para Juiz de Fora". Foi também de grande importância, a companhia do meu filho Elizeu e sua esposa Synara nesta viagem - um dos raros momentos em que viajamos juntos. Desde cedo, Célia e eu percebemos que aquele não seria um dia comum; e sim, uma verdadeira maratona! Tínhamos a inteira certeza de fé, de que grandes bênçãos nos esperavam nesta dupla missão.

Lançamento da Pedra Fundamental

Depois de uma viagem de carro de cerca de duas horas, chegamos na casa do Aspirante Izaquiel em Pequeri, alguns minutos depois das três da tarde. Apesar de ser tão tarde, ainda conseguimos almoçar (um delicioso frango assado, à moda caseira, com arroz e feijão). A irmã Soledade estava ausente, dando assistência a sua mãe, no Nordeste, que contraíra dengue hemorrágica. Lá estavam, para dar apoio ao evento, as queridas missionárias Eliane e Cléia, da IMW Central de Petrópolis. E também a Missionária Lindalva, da IMW de Pequeri. O Pastor Edilton, SD do Distrito, juntamente com sua esposa Ingred, também estavam presentes. Ah, o Aspirante Eduardo, dirigente da IMW de Itabira; e o Presbítero Gerley, dirigente da IMW de S. Maria de Itabira, compareceram para abrilhantar a festa.

Por volta das 16 horas, saímos para o local do lançamento da Pedra Fundamental. O terreno que o Aspirante Izaquiel comprara, com recursos próprios, a cerca de três anos - no centro da cidade - foi adquirido dele, pelo FIW da Segunda Região, conforme promessa que fizéramos ao Asp Izaquiel, durante o processo de transição daquele trabalho para a Segunda Região. O ambiente já estava preparado para o culto solene, bem defronte ao terreno. Deus deu um intervalo no tempo chuvoso, e o povo compareceu. O prefeito Raul e o Vereador Joel, Presidente da Câmara, acompanhado de mais dois vereadores, estiveram do início ao fim, prestigiando o evento.

Causou-me profunda impressão, a presença do Executivo e do Legislativo do município, através dos seus representantes máximos. Deus me concedeu oportunidade para conversar bastante com os dois. Deste modo, fiquei sabendo pelo Prefeito Raul, que os "Calegari" tiveram um importante papel na construção do Município de Pequeri (inclusive, sua vice-prefeita se chama Itália Calegari). E a família wesleyana de Pequeri se fez presente, com dinamismo e determinação, do início ao fim do culto. Creio que naquele município está se desenvolvendo o embrião de uma grande IMW.

Esperança para Juiz de Fora

Ao término do culto em Pequeri, retornamos à casa do Aspirante Izaquiel, para um ligeiro café e um rápido descanso. Dali, seguimos em caravana (dois carros e um micro-ônibus), para participar do culto distrital, promovido pela IMW de Juiz de Fora, no auditório da Faculdade Grambery; que se realiza no primeiro sábado de cada mês, as 19 horas. Chegamos com algum atraso. E lá estava o querido irmão Wesley, que conheço desde rapazinho, dirigindo um abençoado momento de louvor, com o valioso apoio da famosa "Banda Rhema".

No púlpito já estavam presentes os pastores do Distrito: Carlos Martins (II igreja de Juiz de Fora), Antonio Campos (igreja de Barbacena), Edson Borges (igreja de S. João del Rey), Lusmar (igreja de Santana do Deserto) e Edilton (I igreja de Juiz de Fora), que preside o evento mensal. Sentimos a falta do Aspirante Izaque (igreja de Conselheiro Lafaiete), que se ausentou para dar apoio a sua querida mãe, que estava bastante enferma naquele dia. Após diversas participações, pude pregar a Palavra de Deus. Senti em meu espírito que houve um grande mover de Deus no lugar. Uma das colegas de classe, do Pastor Edilton, na Faculdade de Direito, recebeu a Jesus como Senhor e Salvador.

Após o culto distrital, tivemos a oportunidade de abraçar os diversos obreiros presentes. Foram também tiradas muitas fotos. Enquanto isso, alguns stands ofereciam livros de diversas editoras evangélicas; e uma cantina servia salgados e refrigerantes. Aproveitamos para saborear um misto quente com refrigerante, que nos abasteceu o suficiente para a viagem de regresso. Até a próxima postagem.

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Congresso Geral de Missões e Ação Social

Eu estive lá!

Foi um ótimo evento, pois alcançou plenamente o seu objetivo. As ministrações foram de elevado nivel. As experiências repassadas pelos diversos missionários do Campo Estrangeiro, foram de uma riqueza imensurável. O testemunho dos que trabalham entre as tribos indígenas do Tikunas, dos Saterê e dos Pataxós, foram impactantes! Especialmente, porque estas tribos indigenas estavam representadas por membros das mesmas; alguns deles obreiros com uma brilhante folha de serviço para o Reino de Deus entre os seus iguais.

Aqueles que fizeram o sacrifício de ir, abrindo mão de outras atividades, puderam ouvir os Bispos; os Secretários Gerais e os Secretários Regionais das referidas Pastas; os Missionários; os representantes da AGEMIW, e outros. E o testemunho unânime dos congressistas, é que este foi um evento de grande edificação. O Secretário Geral de Ação Social abordou temas pertinentes à nossa realidade, nos levando a perceber situações nem sempre claras aos nossos olhos. Ouvimos sobre a Europa; sobre a África; sobre o mundo islâmico. Foi deveras enriquecedor o Congresso Geral de Missões e Ação Social.

Todavia, não tivemos uma participação em massa dos nossos obreiros; faltaram muitos deles. Penso que uma das prováveis causas, seja a proximidade de mais um concílio regional nas Regiões (o custo de dois eventos de tamanha magnitude, acumulados pela proximidade de data, acaba por favorecer o concílio, por ser de natureza obrigatória). Mas, é inegável que as ferramentas, fornecidas por este tão importante congresso, teriam muito maior alcance, se tivesse havido uma participação maior dos pastores e obreiros das nossas Regiões.

Em assim sendo, vai aqui a nossa sugestão: Que os eventos dessa natureza, pela importância estratégica dos mesmos na formação de uma cultura afim e de uma consciência comprometida, sejam realizados somente em anos intercalares entre os concílios regionais. Como resultado, a participação será maior; o ganho será maior; os resultados serão melhores.

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Uma grande queda - Um grande livramento

O caso que vou contar, é um caso muito especial. Foi uma experiência que exigiu da minha parte uma grande dose de fé e equilíbrio emocional. Sabemos que quando o emocional se sobrepõe ao discernimento espiritual, nos tornamos vulneráveis e incapazes de lidar com aquilo que nos aflige; ou que nos desafia ao extremo. Pois é, enfrentei em minha própria família um golpe tremendamente doloroso naquela altura. A esta experiência, darei o título de:

"uma grande queda - um grande livramento".

Aconteceu no ano de 1979; bem no início do ano - não me recordo se em fevereiro ou março. Estávamos em Portugal à pouco tempo (eu chegara em setembro e Célia, com as crianças, em novembro de 1978). Nossa vinda para Portugal fora um grande desafio para a família. Deixáramos Governador Valadares para trás, atendendo ao desafio das missões estrangeiras. Tudo era novo para nós. Dentre as diversas medidas que tomamos, logo no início; uma das primeiras foi matricular nossos filhos maiores (Calegari Filho, Elizeu e Ezequiel) na escola próxima à nossa casa. Nem imaginávamos o que nos esperava.

Defronte àquela escola havia uma bela pracinha. Na parte lateral da mesma, havia uma escada que ia descendo - da pracinha até uma fonte lá em baixo. Do primeiro ao último degrau, o desnível chegava a seis metros de altura. Era uma escada de pedra; lá em baixo, havia um grande pátio de pedra com a fonte ao fundo; uma imagem bonita de se ver. Ocorre que o muro que circundava a escola oferecia grande perigo para as crianças, pois o balaústre que servia de cercado, não era suficientemente alto para que as crianças não se aventurassem por ele (segundo informações que tive, duas crianças já haviam morrido, caindo dele.

Naquele dia ensolarado, alguns meninos brincavam por ali. Calinho, Elizeu e Ezequiel estavam entre eles. Mas o Elizeu começou a encenar queda, soltando as mãos e fazendo de conta que caia. Em determinado momento, não conseguiu se agarrar... E caiu mesmo! E na parte mais alta. Ouvi o baque da nossa casa; e também os gritos do Ezequiel: "Elizeu morreu... Elizeu morreu". Desci às pressas, imaginando algo ruim. Em lá chegando, o corpinho do Elizeu já vinha sendo trazido pelo dono de um bar que ficava próximo, que o pegara desmaiado. Elizeu ainda respirava, graças a Deus. Mas o quadro era preocupante. Um caroço em sua cabeça, do tamanho de uma laranja, causava espanto em todos os que se ajuntaram para ver. Peguei seu corpo mole e o levantei diante do Senhor. Fiz uma oração, cujo conteúdo não me lembro mais. Mas sabia em meu íntimo que tudo estava bem, pois o Senhor tinha promessas para meus filhos. Levei-o ao hospital de Ovar, onde residíamos. Ele foi submetido a muitos exames. Nem um mal havia sido detectado, graças a Deus. Saí com ele de mãos dadas comigo. Mais uma vez, dentre as muitas, Deus havia agido em nosso favor.

Rebuscando nos bastidores da memória, pude encontrar esta história, da qual Maria Célia é testemunha; pois, tal como eu, vivera aqueles difíceis momentos, desde a queda até o diagnóstico de que nada havia acontecido (na verdade, acontecera algo que os médicos não detectaram; mas sobre isso falarei em outro post, pois está também gravado nos bastidores da minha memória).

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 2 de outubro de 2010

Giro episcopal pela II Região

Seminário de Doutrinas Wesleyanas

No sábado pela manhã, ministramos este importante seminário, para todos os obreiros do Distrito de Uberlândia. Apenas uns poucos obreiros faltaram. Foi um maravilhoso momento que passamos juntos ali; com a colaboração bem dinâmica dos participantes. Tivemos um intervalo para um delicioso almoço, oferecido pela equipe de cozinha da IMW de Uberlândia, ao qual seguiu-se um bom momento de comunhão. Encerramos o o seminário antes do horário previsto, pois Deus nos deu graça para finalizar o assunto, sem comprometer o conteúdo. O Pastor Josemar, sua esposa e seu filho (obreiros da Igreja Metodista Betel), estavam entre os participantes do Seminário. Foi muito bom nos reencontrarmos; lembramos juntos os bons tempos do passado (fui seu SD no Distrito de Governador Valadares, nos anos 86/87).

IMW de Uberlândia

A Cidade de Uberlândia tem uma população que beira os 700 mil habitantes. Destes, cerca de 600 mil estão na zona urbana e o restante na Zona Rural. Existe uma estimativa que em 2014, a cidade aumente a sua população para um milhão de habitantes. A cidade atrai muitos moradores. Segundo pesquisa recente, 38 % dos residentes são nascidos na cidade; os demais, denominados Uberlandinos (termo criado pelo jornalista Luiz Fernando Quirino), são pessoas que vieram para buscar oportunidades e fixaram residência permanente. Uberlândia tem mais de 160 bairros espalhados em 5 setores são eles: Setor Central, Zona Sul, Zona Leste, Zona Oeste e Zona Norte

Economia

Uberlândia é o segundo mercado potencial consumidor de Minas Gerais e a cidade que mais cresce no Triângulo Mineiro. Sua economia se baseia nas agroindústrias que formaram na região um importante centro industrial; mas destaca-se na cidade o setor de serviços. Estão sediados na cidade, grandes atacadistas de atuação nacional e internacional, devido principalmente à sua localização geográfica na região central do Brasil. Cinco das maiores atacadistas do país são desta cidade (Martins, Arcom, Peixoto, União e Aliança). Uberlandia também possui grandes armazens de cereais a granel como trigo, milho,sorgo , arroz e soja. Recentemente foi inaugurado em uberlandia uma Unidade da CONAB; um novo armazém graneleiro com capacidade para 242 mil toneladas. Devido ao grande e contínuo fluxo migratório, houve um aumento vertiginoso da população da cidade nos últimos trinta anos, e apesar da pujança econômica das grandes empresas sediadas na cidade, Uberlândia caracteriza-se por oferecer mão-de-obra abundante e barata, com salários no geral, menores que outras cidades de mesmo porte.

O pólo logístico

O pólo logístico representará um grande salto para a economia da cidade, e irá mudar o panorama econômico de toda a região do Triângulo Mineiro. Uberlândia disputou com Anapolis, Luziania , Juiz de Fora e Varginha a condição de receber o entreposto de Manaus. Com o entreposto, o Município passará a receber remessas de produtos industrializados na Zona Franca de Manaus para depósito em um armazém geral, destinado à comercialização em qualquer ponto do território nacional ou mesmo para exportação. Os produtos podem ficar até 180 dias sem nenhum custo. Somente após faturado é que se cobra o imposto. Caberá ao Município toda a logística de distribuição, o que contribuirá para a geração de empregos, renda, arrecadação de tributos, além de tornar Uberlândia um centro atrativo para outros complexos industriais.

Center Convention

Os grandes eventos e seminários das maiores empresas estão sendo realizados em Uberlandia, por se tratar de uma cidade logística e em franco crescimento. Veja detalhes do local de eventos: Center Convention Uberlândia é um espaço destinado à realização dos mais diversos tipos de eventos, que têm garantidos o seu sucesso devido à versatilidade e modernidade do espaço. Este local foi construído junto ao Plaza Shopping Hotel e Center Shopping, formando assim um grande complexo de compras, lazer e serviços.

Crescimento Evangélico

O próprio nome "Terra Fertil", faz jus ao crescimento evangélico em Uberlândia; estima-se que a cidade chegou a mais de 100 mil evangélicos, distribuídos em mais de 600 denominações diferentes. A cidade é palco de eventos evangélicos com grande destaque como: RESGATE UBERLANDIA, e A MARCHA PARA JESUS, que é considerada uma das maiores marchas, que uma cidade do interior tem realizado, a media de participantes chega a 20 mil, nas "marchas para Jesus". A influência evangélica também está nos seguimentos públicos (25% dos vereadores professam a fé evangélica).

Tempo de Reconquista

A IMW em Uberlandia, viveu seus melhores momentos na década de 90. Todavia, perdeu muito do seu potencial de influência e crescimento, face aos problemas que afetaram bastante este potencial. Todavia, "a porta que Deus abre, ninguém fecha"! E, em função disso, a IMW começa a dar sinais de que algo grandioso a espera, em um futuro próximo. Tal como aconteceu com Sansão, os "seus cabelos começam a crescer novamente". Deus nos deu a condição de enxergar um novo tempo para esta igreja - um tempo profético de reconquista do espaço que perdeu.

Durante os dias em que estivemos na cidade, ficamos hospedados na casa do SD do Distrito - Pastor Edmilson; onde desfrutamos de uma acolhida nota 10. A irmã Isabela procurou nos dar toda a atenção, como esposa de SD que é. As duas filhas do casal são jóias preciosas diante do Senhor. Num dos dias, tivemos um almoço especial, para o qual foi convidado o casal - Pastor Josemar e esposa. Passamos algumas horas em excelente convívio, conversando sobre os mais diversos assuntos. Tenho um grande apreço pelo Pastor Josemar. Ah, todos os dias, no café da tarde, a mesa era servida com pamonha (em Uberlândia, eles fazem deliciosas pamonhas para todos os gostos). E o que dizer do café da manhã (frutas, pães de queijo e outras iguarias).

No entanto, o domingo foi especial! Tivemos uma escola dominical de alto nível. Ministrei sobre escatologia bíblica, discorrendo sobre os eventos que apontam, para muito breve, a Segunda Vinda de Jesus. Após a EBD, fomos todos almoçar na casa da irmã Silma - daqueles almoços em que a cozinha mineira é insuperável. O Presbítero Gilson e família também estavam lá, além da família anfitriã, que ficamos conhecendo bem de perto. Foi muito bom ter conhecido o ministério das duas irmãs - de sangue e em Cristo: Silma (vice-presidente da Junta Diaconal, e administradora da igreja); e Jesualda (líder do ministério de pequenos grupos, com trabalho de cobertura aos membros e novos convertidos). Outro ministério que vem fazendo um importante trabalho, é o Ministério de Intercessão da igreja; neste ano, está trabalhando um projeto denominado "Parceiros de Oração"; tudo muito bem conduzido pelas irmãs Silma e Leila.

A noite, tivemos um grande culto, cheio da unção de Deus. Os departamentos da igreja se apresentaram. Dentre eles, destacamos o Ministério de Louvor, que demonstrou grande comprometimento com o Senhor. Pude pregar com muita liberdade. Após o culto, fomos para a casa do Pastor Miguel e sua esposa Lídia. Os três homens da casa se chamam "Miguel" - o pai e os dois filhos (três "Miguéis" prá lá de abençoados)! Que momento maravilhoso passamos ali! Era só alegria. Até o próximo "post".

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Giro episcopal pela II Região

IMW de Liberdade

A IMW do bairro Liberdade foi pastoreada, por diversos anos, pelo Pastor Manoel Murilo Gomes de Oliveira - homem que faz parte da história da IMW, especialmente no Estado de São Paulo (quando ele veio para a IMW, trouxe consigo a IMW de Edu Chaves; bem como a "Assistência Universal Bom Pastor"). Ainda hoje, ele cumpre seu ministério nas fileiras wesleyanas, juntamente com alguns dos seus filhos (dentre eles o Pastor e cantor Elizeu Gomes).

Esta igreja está sendo pastoreada pelo Pastor Gilson, um pastor de tempo parcial, que divide o seu tempo entre atividade secular intensa e o pastorado da igreja. Seu ministério tem sido abençoado; sua família é bem integrada na igreja. Sua esposa nos preparou um delicioso almoço, cujo prato principal era carne de porco e de frango, diversos acompanhamentos; tudo naquele modo mineiro de cozinhar. Os Pastores Edmilson e Valdir Cataldo também almoçaram.

Após o almoço, fomos visitar as instalações da Congregação do Bairro Maravilha. O Aspirante Celso vem fazendo um excelente trabalho à frente da mesma. Visitamos também um bairro, onde está sendo plantado um novo trabalho. A noite, tivemos um grande culto na sede. Deus agiu grandemente. Após o culto, fomos convidados à uma recepção no pátio lateral; onde foi servido um delicioso jantar, preparado pela equipe de cozinha, liderada pela Diaconisa Silvane.

O corpo de oficiais é constituído dos seguintes irmãos: Presbíteros: Sebastião Andrade e Lázaro. Aspirantes: Celso e Elizeu. Diáconos: Aluisio Antonio - tesoureiro; Sebastião Adauto ; Daniel Monteiro - Vice-presidente da Junta; Júlio ; José Carlos e Robson . Diaconisas: Silvane ; Lúcia e Ilsa Andrade . Superintendente da EBD: Ademir ; Líder de Adultos: Sebastião Andrade ; Líder de Jovens: Roberta ; Líder de Adolescentes: Filipe ; Líder de Crianças: Luciana Nunes; Líder de Louvor: Juliana ; Líder de Ação Social: Sebastião Adauto ; Cozinha e Ornamentação: Oneida ; Lider de Eventos: Adalberto;

IMW de Segismundo Pereira

Esta foi minha primeira visita a este trabalho. Era um desejo meu, conhecer o trabalho do Pastor Clodoaldo, mais conhecido como Aldo, à frente desta importante congregação da IMW de Uberlândia - à meu ver, uma verdadeira igreja. A Ester - sua esposa, eu a conheci ainda uma menininha, lá em Maceió - filha do Pastor Manoel Murilo. Fiquei muito feliz em constatar que Deus a transformou em uma dedicada obreira e esposa de Pastor.

O culto foi muito vivo, cheio de alegria. O Aspirante Adailton, sua esposa Adriana (eles tem uma bela história de amor, que vale à pena ouvir), e a própria Ester, ministravam o louvor quando chegamos. O Pastor Palhares, dirigente da congregação de Granada, esteve presente; aliás, ele esteve presente em quase todas as reuniões em que estivemos no Distrito. Após o culto, fomos para a residência pastoral, onde a irmã Ester já tinha preparado um delicioso jantar: Kibe assado aos 4 queijos, salada tropical, arroz à grega, feijão, pimenta "pentecostal" e sorvete fecharam o dia.

O corpo de oficiais desta "congregação com cara de igreja" é constituído dos seguintes irmãos: Aspirante: Adailton; Presbíteros: Leovane Gomes e Francisco Cesar. Diáconos: Laerte, Joao Batista - tesoureiro. Ministerio de casais:
Diácono Vonio e Diaconisa Cleonice. Creio que ali está o embrião de uma grande igreja wesleyana.

Cordialmente;
Bispo Calegari