sábado, 8 de maio de 2010

José, de perseguido a governador do Egito

José, jovem separado por Deus, filho preferido de Jacó (Gênesis 37.3). Um moço que, ao que tudo parecia indicar, haveria de crescer e morrer em sua vida simples no interior, desenvolvendo as experiências rotineiras de um homem do campo; uma figura comum no contexto da sociedade de então (Gênesis 37.2). É verdade! Seria esta a sua tragetória, caso Deus não tivesse um plano para ele - algo que, mesmo envolto em veu, já se delineava em seus sonhos; sinalizando para um tempo diferente de tudo o que aquele jovem conhecia em sua vida simples e limitada.

Duas coisas tornavam José um menino especial:

1. Este moço era um dos filhos de um homem escolhido por Deus, para compor a galeria de alguns dos mais importantes homens da história humana - a "Galeria dos Patriarcas". Bom, se fosse apenas isso, nada o diferiria dos seus demais irmãos, que, tal como ele, eram também filhos do velho patriarca.

2. Acrescente-se a isso o fato de que Deus tinha posto os Seus olhos sobre aquele jovem. As revelações de Deus que congestionavam o mundo dos seus sonhos (Gênesis 37.7), indicavam que ele teria uma missão que o diferenciaria dos seus irmãos, colocando-o acima deles, mesmo sendo eles também detentores de gloriosa herança profética.


Quando lemos sua história, logo percebemos que José não era apenas um moço ameaçado por aqueles que não suportavam seu progresso; que ele não era apenas um moço tido como insuportavel entre seus familiares, pelo fato de contar "vantagens" a seu próprio respeito. Podemos afirmar com absoluta certeza, que José era um sonhador em grande estilo. E seus sonhos eram cadenciados com a revelação de Deus. Sonhos germinados para frutificar. Sonhos de Deus! Aliás, o que se poderia esperar de um moço que tinha como pai um homem que lutou com um anjo e prevaleceu. Um moço que tinha como avô alguém, nada mais nada menos que o próprio Abraão, "o Pai da Fé".


Este é José! E podemos rebuscar em sua história alguns dados interessantes do seu currículo ali implícito:
1. Filho gracioso; jovem sonhador (Gênesis 37.6).
2. invejado e perseguido (Gênesis 37.11);
traído e vendido; tentado e aprisionado (Gênesis 37.27-28, 36).
3. Lider entre seus irmãos, em casa de seu pai (Gênesis 37.8); lider entre seus pares, em casa de Potifar (Gênesis 39.3-6); líder entre seus companheiros de infortúnio, no cárcere do Egito (Gênesis 39.21-23).
Todavia, algo maior estava para acontecer - algo em conformidade com o propósito de Deus. É verdade! Algo que faria de José, de perseguido a Governador do Egito! Mas sobre isso, falaremos com mais detalhes nos próximos dias!


Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário